Cuidado com o caminhão amarelo!


Carlo D’ incão


Devemos ter muita atenção sobre esse suposto movimento popular dos caminhoneiros pela redução dos preços do Diesel.

Obviamente que toda a população apoia uma rebaixa de preços do combustível e percebe que algo está errado com o sistema tributário e a forma de precificação (estrangeira) desse produto.

Entretanto, esse aumento de preços é consequência direta do golpe de 16 e o subsequente processo de entrega da Petrobrás ao capital estrangeiro, em especial à Shell.

O que vemos agora é uma insurreição desse tradicional setor reacionário – os caminhoneiros – com o apoio de toda a grande mídia, impondo uma punição coletiva à todo o povo brasileiro.

Em paralelo, a maioria desses caminhoneiros e suas entidades representativas, imprimem milhões de adesivos com os dizeres “intervenção militar já”. (Quem financia a produção desse material?)

Mais: colocar o país no caos é exatamente aquilo que a direita almeja.

Vejamos.

Temos um Lula preso que não para de crescer nas pesquisas. O lançamento de sua candidatura será no próximo dia 27 e todos sabem que a mesma terá uma formidável condição de transferência de votos, caso sua candidatura seja cassada.

Se houver eleições, há um risco de uma vitória da esquerda. Ninguém mais ignora isso. Muito menos a direita e o grande capital. No fim, essas eleições não podem ocorrer, sob o ponto de vista da lógica do seu risco financeiro.

Guilherme Menezes lança nota sobre sentença judicial, processo licitatório transporte público


O grande filósofo baiano Octávio Mangabeira disse: “Pense num absurdo, há precedente na Bahia” grifo nosso.

Guilherme Menezes, prefeito de Vitória da Conquista

O ex-prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes, reafirma que todos os atos da licitação do serviço do transporte coletivo de Vitória da Conquista se deram com ampla transparência, alicerçados, como deve ser, na legalidade e moralidade administrativa. Reafirma, ainda, que as decisões foram tomadas em estrita consonância com as determinações emitidas pelo Ministério Público e chanceladas, por unanimidade, pelo pleno do TCM/BA, conforme reconhecido na própria sentença judicial. Quanto aos aspectos contábeis da empresa licitante, foi afirmado por perito judicial e reconhecido pelo próprio magistrado que “não havia como o Município de Vitória da Conquista constatar a fraude praticada” durante o processo licitatório.

Ressalte-se, portanto, que na sentença não há afirmação de que o ex-gestor tenha cometido qualquer fraude nessa licitação. Deste modo, é imperativo que seja reconhecida, também, a atuação legítima da Comissão Especial de Licitação e dos servidores municipais, já que não houve qualquer tipo de imprudência ou omissão ilícita, sendo que os eventuais erros contábeis são de responsabilidade unicamente da empresa.
Sendo assim, no exercício dos direitos assegurados na Constituição, informa que recorrerá da decisão judicial que lhe determinou o custeio dos honorários processuais.

Lúcio, o homem de 16 milhões de dólares, desdenha de chapa DEM-PSDB: ‘Minioposição sai desunida nas eleições’


Emedebista disse ainda que Zé Ronaldo não é o candidato da oposição ao governo, é candidato de apenas dois partidos

Foto: Izis Moacyr/ bahia.ba

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB) voltou a provocar a pré-candidatura do ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo (DEM), apoiada pelo PSDB, do deputado federal João Gualberto, que desistiu de ser candidato ao Palácio de Ondina. Os tucanos serão representados na chapa, até então, por Jutahy Magalhães, pré-candidato ao Senado. Em conversa com o bahia.ba, Lúcio disse que a “minioposição [DEM e PSDB] vai sair desunida na eleição”.

Na oportunidade, o parlamentar defendeu ainda a pré-candidatura do ex-ministro João Santana (MDB) ao governo do estado e ressaltou que José Ronaldo não é o candidato da oposição, mas de apenas dois partidos: o DEM e o PSDB.

“Os pequenos partidos têm sido deixado de lado. O que deveria ser feito era se discutir programas, propostas, tudo isso. Então, ele [José Ronaldo] é candidato de dois partidos. A minioposição vai sair desunida nas eleições de outubro”, destacou.

O emedebista ressaltou ainda que a oposição não pode cometer o mesmo erro quando for decidir quem será o candidato a prefeito de Salvador no pleito de 2020.

“A escolha do candidato ao governo trabalhou apenas um nome.  Quando esse nome, por questões pessoais, não pôde sair, a oposição ficou órfã. Não podemos cometer o mesmo erro. Não tem essa de candidato natural, o candidato natural é o que conseguir aglutinar mais apoios”, opinou.

Colômbia entra para Otan como primeiro ‘parceiro global’ latino-americano


Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos anunciou entrada do país na Otan Foto: HANDOUT / REUTERS
Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos anunciou entrada do país na Otan – HANDOUT / REUTERS

BOGOTÁ – A Colômbia formalizará sua entrada na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) como o primeiro “parceiro global” latino-americano na próxima semana em Bruxelas, capital da Bélgica, anunciou o presidente colombiano Juan Manuel Santos.

LEIA: Colômbia vai às urnas pacificada e em crescimento

Colômbia denuncia plano de Maduro de levar estrangeiros à eleição da Venezuela

— Formalizaremos em Bruxelas, na próxima semana, a entrada da Colômbia na Otan na categoria de parceiro global, e isso é muito importante. Nós seremos o único país da América Latina com esse privilégio — destacou Santos, em um discurso televisionado na sexta-feira à noite na sede do governo, a Casa de Nariño, em Bogotá.

O presidente colombiano, prêmio Nobel da Paz em 2016 por seus esforços para acabar com meio século de conflito armado no país, afirmou que adotar esta posição vai “melhorar a imagem da Colômbia” e “permitir ter muito mais peso no cenário internacional”.

Além da Colômbia, são parceiros globais da Otan Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, Coreia do Sul, Mongólia, Nova Zelândia e Paquistão.

PARCERIA TAMBÉM COM A OCDE

O governo colombiano também acertou parceria com a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

— Sermos membros da OCDE nos permitirá fazer melhor as coisas, ver o que deu errado e o que funcionou em outros países. Com nossa entrada, melhoraremos nossas políticas públicas — disse Juan Manuel Santos.

A Colômbia aceitou, em dezembro de 2016, uma cooperação militar “maior” com a organização para administrar o pós-conflito, após o acordo que desarmou e transformou em partido político a antiga guerrilha das Farc.

O acordo gerou uma forte rejeição do governo venezuelano, que considerou “uma tentativa de introduzir fatores externos com capacidade nuclear” na região. As relações entre os dois países passam pelo pior momento. Bogotá lidera a pressão internacional contra o governo de Nicolás Maduro, em meio à grave crise econômica que cerca o país com as maiores reservas de petróleo do mundo.

Em carta aberta, governadores se posicionam sobre greve nacional dos caminhoneiros


O governador Rui Costa assinou, neste sábado (26), a “Carta Aberta dos Governadores Integrantes da Sudene”, junto com os chefes do Poder Executivo do Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe e Minas Gerais. O documento elenca 11 pontos sobre a greve nacional dos caminhoneiros e a grave crise de desabastecimento de combustíveis que está afetando o país.
Para os governadores que assinam a carta, é “absolutamente incompreensível que o Governo Federal autorize a Petrobras a adotar uma política de preços direcionada, unicamente, à obtenção de lucro e ao acúmulo de receitas”, sendo este um dos motivos para a elevação assustadora dos preços de insumos básicos para a população, como o gás de cozinha, a gasolina e o óleo diesel.
“Consideramos absolutamente inaceitável a tentativa do Governo Federal de transferir para os Estados a responsabilidade pela solução de uma crise que foi provocada pela União, através de uma política de preços de combustíveis absurda, perversa e irresponsável”, diz a carta divulgada neste sábado (26).

Uma farsa: Greve organizada pela direita, não favorece Alkimin e Maia pede o Estado de Sítio


Política é algo muito difícil, embora pareça muito muito fácil, há aqueles que acham que merecem o voto, levando doentes aos hospitais e cobrando dos enfermos o favor pelo voto. Outros arranjam emprego público, em troca de votos; outros mais privilegiados, recebem dinheiro de empresários para garantirem benesses públicas, enfim, tudo isso faz parte da descaração da política.
A paralisação dos caminhoneiros parecia à primeira vista, algo importante para favorecer à população, depois, se verificou que se tratava de uma trama, que misturava interesse político eleitoral, com a ganância das grandes transportadoras rodoviárias do Brasil.
A ideia dos partidos de direita DEM e PSDB, era enfraquecer o já tombado governo Temer, nomeando alguém do PSDB, ou DEM para o comando da Petrobras e ali, mudar a política de preços, congelando o preço dos combustíveis, até as eleições, com isso melhoria a performance do candidato Geraldo Alkimin e conseguiria retirar a candidatura de Meireles, aí então, o apoio do PMDB de oportunidade iria para Alkimin e, com isso, lhe garantia palanque na maior parte do Brasil.

Está desaparecimento o empresário Costinhas


Foto: BLOG DO ANDERSON

Homem trabalhador nascido em São Miguel das Matas, o sumiço misterioso de Walmir José Pereira, de 69 anos, popularmente conhecido como Costinhas, tem deixado muita gente preocupada. De acordoo com Alexandre Pereira, o seu pai saiu de casa pouco antes do meio dia, da sexta-feira (25) informando que iria observar uma churrasqueira para o seu novo empreendimento que fica na Praça Orlando Leite, a Pracinha do Gil. “Não levou celular. Ontem fomos em todos os locais que poderíamos imaginar em encontra-lo…”, comentou Alexandre ao BLOG DO ANDERSON, na manhã deste sábado (26). Qualquer informação pode ser passada diretamente através do telefone: (077) Alexandre Costinhas: (77) 99140-3450./blogdoanderson

Treita: O coronel Lima, amigo do presidente, recebeu 1 milhão de reais. Há um documento justificando o pagamento. VEJA teve acesso ao papel


Diante das dificuldades de distribuição da revista decorrentes da greve dos caminhoneiros, VEJA, em respeito aos seus assinantes, está abrindo seu conteúdo integral on-line.
O primeiro ato é conhecido. Em sua fracassada tentativa de fechar um acordo de delação, o empresário José Antunes Sobrinho, dono da Engevix, disse ter repassado 1 milhão de reais a Michel Temer, em 2014, em troca do apoio do então vice-presidente à aprovação de um aditivo contratual na obra da Usina de Angra 3. Aos procuradores, Antunes informou que pediu à Alúmi, empresa que andava interessada em parcerias comerciais com a Engevix, que contratasse uma empresa do coronel João Baptista Lima Filho, suspeito de ser laranja de Temer, como forma de lavar o dinheiro dado ao peemedebista.

O segundo ato também é público: a Alúmi, atendendo ao pedido de Antunes, contratou a PDA Projeto, de propriedade do coronel Lima, a fim de realizar um estudo técnico para a implantação de painéis publicitários. O tal estudo, de 196 páginas, foi devidamente entregue. A Alúmi pagou pelo trabalho e, por isso mesmo, alega que não houve propina, mas efetiva prestação de serviço.

Dilma bate Aécio e lidera corrida para o Senado


Não é por muito, mas Dilma Rousseff lidera a corrida para o Senado por Minas Gerais. Com 24,4% das intenções de voto, a ex-presidente bate o tucano Aécio Neves, o segundo colocado, com 21%. É o que mostra um levantamento exclusivo do Paraná Pesquisas.

De qualquer forma, se o cenário se mantiver como está, ambos garantem uma cadeira em 2019.

Fligê 2018 amplia programação e participação de jovens


A Feira Literária de Mucugê (Fligê) chegará à sua terceira edição, no período de 16 a 19 de agosto, com uma grade de programação mais robusta e diversificada, aberta ao público em diferentes espaços da histórica e aconchegante cidade de Mucugê. Às conferências, mesas de conversa, concertos lítero- musicais, lançamento de livros, leituras guiadas, contação de histórias, intervenções artísticas e exibição de filmes e shows, que se constituem em fortes atrativos da feira desde a primeira edição, serão somadas atividades desenvolvidas por alunos da rede pública de ensino, que devem atrair especialmente o público jovem.

A Fligê já se notabiliza como a terceira feira literária do estado e uma forte alternativa para interiorizar o incentivo à cultura na Bahia. A curadora da Feira Ester Figueiredo, acrescenta ainda o fato de se tratar de um evento aberto ao público, totalmente gratuito, que tem atraído pessoas de dentro e fora do país e, especialmente, da região da Chapada Diamantina, onde está situada a cidade de Mucugê.

Nesta terceira edição, a Feira literária realizada pelo Instituto Lavra- Literatura Artes Visuais e Outras Realidades Afins -mantém-se custeada com recursos de emenda parlamentar do deputado Waldenor Pereira (federal), do Ministério da Cultura (Minc) e da Secretaria Estadual de Cultura (Secult). Desta vez trará o tema “Literatura e resistência: a vida nos rastros da palavra”, que vai nortear toda a programação.

Manuela d’Ávila: temos de criar pontes no nosso campo e não bater boca


Pré-candidata à Presidência pelo PCdoB, deputada gaúcha também defendeu a revogação da ‘reforma’ trabalhista e maior presença do Estado. “Estão destruindo o país com uma velocidade avassaladora”

JAÉLCIO SANTANA

eleição

Manuela a sindicalistas: defesa da Petrobras e da redução da jornada, por um projeto de desenvolvimento

São Paulo – “Temos de criar pontes entre o nosso campo político. Precisamos ter calma para dialogar”, disse a pré-candidata à Presidência Manuela d´Ávila (PCdoB), em evento promovido na tarde desta sexta-feira (25) pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Para ela, que não falou em nomes, “não é momento de ficar batendo boca no jornal”, mas discutir unidade em torno de um programa que preveja fortalecimento do Estado. “Esses caras estão destruindo o país com uma velocidade avassaladora. É preciso barrar com velocidade os planos da turma de lá. A vitória eleitoral é o caminho que temos hoje”, afirmou.

A deputada estadual gaúcha reafirmou o direito de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – a quem chamou de “preso político” – concorrer este ano. Mas, acrescentou, respondendo a uma pergunta da plateia, que é direito do PCdoB apresentar sua própria candidatura. “A história vai mostrando onde a gente está.”

Um pouco antes, o presidente da CTB, Adilson Araújo, havia falado sobre esse tema. “Vamos lutar para que o presidente Lula tenho o direito de ser candidato. O centro da disputa política exige um projeto. Nós acreditamos que a Manuela pode defender esse projeto. Temos posição clara. Vamos fazer todo o esforço para unir a esquerda”, disse o sindicalista. Um programa que se contraponha ao atual – para Adilson, “a ruptura democrática (representada pelo impeachment de Dilma Rousseff) deu curso a uma nova agenda, ultraliberal”.

O atual governo não tem compromisso com o país e nem com a população, comanda um projeto anti-nacional, disse Manuela, citando inicialmente a Petrobras e defendendo a “recomposição” da capacidade de investimento do Estado, inclusive como impulsionador do investimento privado. “Qual a razão de termos uma empresa como a Petrobras se ela não está altamente conectada com um projeto de desenvolvimento?”, questionou. “Nesse debate também entra a questão dos bancos públicos.”

Quem fala em redução do papel do Estado, acrescentou Manuela, defende na verdade um “Estado pequeno para o povo, mas generoso com os ricos”. A pré-candidata se manifestou pela revogação da Emenda Constitucional 95, de teto dos gastos públicos, e da Lei 13.467, de “reforma” trabalhista. “Se não garantirmos direitos aos trabalhadores, de que serve o crescimento do país?”

A deputada citou ainda a política de valorização do salário mínimo, cuja validade termina em 2019. “Eu também acredito que a gente deva discutir a redução da jornada de trabalho. Isso tem impacto na geração de emprego.”

Chega a 115 o número de voos cancelados por falta de combustível nos aeroportos


Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, com filas atrasos e cancelamentos de voos – Givaldo Barbosa / Agência O Globo

 

O aeroporto de Brasília e mais onze aeroportos da Infraero estão sem combustíveis (incluindo o terminal de seis capitais: Palmas, Goiânia, Maceió, Recife, Vitória e João Pessoa). Apenas oito dos principais terminais do país recebem querosene de aviação normalmente. Entre esses terminais, estão os aeroportos do Galeão e Santos Dumont, no Rio, e Congonhas e Guarulhos, em São Paulo.

Para este sábado, a Azul já avisou o cancelamento de dez voos.

CONFIRASaiba os seus direitos se houver cancelamento de voo