Folclore Político

Opinião

Informativo

Publicada a licitação para obra qque vai unificar e ampliar colégios em Maetinga


Saiu nesta sexta-feira, 22, a chamada para contratação de empresa que fará obra para criação de novo e moderno centro educacional do Município de Maetinga, com a unificação entre os Centro Educacional de Maetinga e Colégio Estadual Edvaldo Flores. O aviso de licitação foi publicado no Diário Oficial do Estado e está sendo comemorada especialmente pelos deputados Waldenor Pereira (federal) e Zé Raimundo (estadual), que defenderam a inclusão do muncípio no programa do Governo do Estado.
De cordo com a chamada, a obra de unificação constará de construção de vestiário; Campo Society (25x45m) com pista de corrida; subestação; implantação de acessibilidade e paisagismo. O projeto da obra faz parte do processo de requalificação da rede física escolar, que está sendo realizado pelo governo estadual em todos os 27 Territórios de Identidade e incluem investimentos de mais de R$ 2 bilhões.
Os deputados Zé Raimundo e Waldenor lembram que fizeram várias gestões junto ao secretário da Educação, Jerônimo Rodrigues, e o governador Rui Costa para defender o antigo pleito de Maetinga, pela ampliação e modernização do ensino no município, em atenção especial ao ex-prefeito Edcarlos e os vereadores petistas Netinho, Maria de Eliezer, Arnaldo e Chicãozinho, além da presidente do PT, Andreia, e o ex-vereador Lio.

Waldir Pires amou os pobres do mundo


*Emiliano José

Vitória da conquista, maior reduto eleitoral de Waldir Pires

O leitor não se assuste. Nem resvalo biografia aqui, resumo sequer. Waldir Pires é grande, tamanho do mundo. Tentei até, confesso – está pronta, nas ruas, em dois volumes, um cartapácio como costumavam dizer os antigos para se referir a cartas sem medida. Minha carta tinha enchimento pra três volumes, mas o editor me trouxe pro chão, e fez cortar, cortar, à Graciliano – me salvou. Então, pessoa: quiser conhecer, vá lá procurar o homem do tamanho do mundo – achará um pedacinho dele nos meus livros.

Talvez, e vou escrevendo e pensando rumo a dar, fosse o caso de falar sobre entrada dele no PT. Novas gerações do partido provavelmente não saibam dessa história. E dizer um tanto do pensamento desse político singular, coerente, pedra preciosa da luta pela democracia no Brasil.

Lula, nordestino sabido, tempo já havia botado os olhos em Waldir. Nunca se esquecera da atitude dele, em 1989, segundo turno, firme no palanque dele em Salvador. Nem do apoio à candidatura a presidente, outra vez, em 1994. Dava sinais inequívocos, não fossem tantos outros vida afora, de compromissos profundos com a democracia, homem de convicções. Lula, assuntando. Waldir me contou: volta e meia, Lula o chamava ora de modo sutil, ora mais abertamente para ingressar no PT. Waldir, assuntando. Um dia, me chama, assim, de súbito:

Quero ir pro PT.

Assustei-me, e gostei. Início de 1997. Encarregou-me de sondagens: PT, não obstante mais brando, era partido difícil de entrar. Vocês sabem disso, não? Houve quem o fizesse ajoelhando no milho para purgar pecados. Sei de casos, conto não. Lembro: início dos anos 1990 disse a Jonas Paulo de meu desejo de ingressar no partido. O dirigente centenário me disse: se assossegue aí, chegará o tempo certo. Acatei.

Marquei dois dedos de prosa com Zezéu Ribeiro de modo a cumprir a tarefa dada por Waldir. Zezéu, generoso, do diálogo. Se havia sectarismo no PT, nele, nem um pingo. Gostou, e pediu tempo. Pouco tempo – iria aquietar um ou outro disposto a embarreirar. Havia. Presidente, gozava de autoridade. Logo deu retorno: portas abertas.

Noite de 28 de abril de 1997, depois de encontrar as portas da Câmara Municipal fechadas, decisão dos adversários sob o comando do prefeito Antônio Imbassahy, filiação dele ocorreu nas escadarias, presenças de Lula, Zé Dirceu, senador José Eduardo Dutra, dos notáveis de fora. Filiação dele e minha. O resto do círculo mais íntimo de Waldir, todo de esquerda, não era propriamente partidário daquela decisão. Passou por muitos partidos. No PT, mais longa permanência: seguiu nele até o último dia de vida: nos deixou em 22 de junho de 2018.

Qual era o pensamento de Waldir, chegado ao PT já nos maduros 70 anos de idade? Um ou outro marxista mais tradicional, provável o olhasse atravessado. Talvez o visse como mais um liberal. Olhar apressado. Detive-me com algum zelo a examinar o pensamento dele na biografia. Cedo, foi levado a tomar posição diante do nazifascismo, desde o ginasial em Nazaré das Farinhas, no interior da Bahia. Isso não diria muita coisa – carece acompanhar mais a caminhada. Em 1943, chega a Salvador, ao famoso Colégio Central, berço entre tantos de Marighella e Mário Alves, comunistas históricos.

No final de 1944, tropeça em João Mangabeira. Vinha do colégio, percebe aglomeração, e assiste ao discurso de paraninfo de turma de Direito do celebrado socialista – uma iluminação. Nunca se esqueceu das palavras do mestre: se a justiça consiste em dar a cada um o que é seu, dê-se ao pobre a pobreza, ao miserável a miséria e ao desgraçado a desgraça, que isso é o que é deles. Essa condenação daquela visão do Direito, tornou-se pedra angular da formação dele.

*ELEIÇÕES DA OAB CONQUISTA: Junta Eleitoral considera ilegal propaganda da Chapa Transforma e determina retirada imediata das redes*


 

O que se imagina de uma eleição de uma das classes mais importantes e esclarecidas, talvez a maior conhecedora da lei, é justamente obediência aos ditames legais, ou seja, às regras do jogo. Mas parece que não é isso que está ocorrendo nas eleições da OAB na Suíça Baiana. Publicamos recentemente aqui no Blog uma grave denúncia veiculada pelo ex-presidente Gutemberg Macedo sobre a interferência da Prefeitura no Pleito que deveria ter a participação única e exclusiva de advogados. Mas além disso, ao que parece, existe também um desvio de conduta, já que a Comissão Eleitoral da OAB, após denúncia, considerou ilegal a propaganda da Chapa comandada por Jônatan Nunes divulgada pelo advogado Victor Barbosa através de impulsionamento pago na rede Instagram.

A decisão determinou a retirada imediata da propaganda ilegal das redes, tendo como base o art. 10 do Provimento 146 da OAB que diz que “A propaganda eleitoral (…) deve manter conteúdo ético de acordo com o Estatuto e demais normas aplicáveis, tendo como objetivo apresentar e debater ideias relacionadas às finalidades da OAB e aos interesses da advocacia, vedando-se: § 9º Na internet, é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga”,

A razão de ser para tal norma parece ser impedir o desequilíbrio entre os candidatos que muitas vezes se dá por meio do abuso do poder econômico, ao passo que é vedada nas eleições da OAB propaganda paga na internet.

Veja qual foi a determinação da decisão:

Acompanharemos por aqui os desfechos dessa importante eleição para sociedade conquistense.

Referência: Processo 06493/2021

 

 

 

Operação Posto Legal atua esta semana em Vitória da Conquista e região


Operação Posto Legal
Foto: Sefaz-BA

Postos de combustíveis de Vitória da Conquista e de outros municípios da região são alvo, durante esta semana, da operação Posto Legal, que tem como principal objetivo aferir o cumprimento dos requisitos de qualidade e quantidade na comercialização de combustíveis vendidos ao consumidor baiano. Nesta terça (19) e na manhã desta quarta (20), primeiros dias da ação, não foram identificadas adulterações, mas o Instituto Baiano de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Ibametro) constatou que três postos forneciam ao consumidor combustível a menos que a quantidade registrada na bomba.

Os bicos de combustível que entregavam as quantidades irregulares foram interditados pelo  Ibametro, que poderá impor novas sanções aos postos. As quantidades a menos foram de até 60 ml a cada 20 litros de combustíveis.

A força-tarefa reúne, além do Ibametro, a Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), a Secretaria da Segurança Pública (SSP), por meio das Polícias Militar e Civil e do Departamento de Polícia Técnica (DPT), a Secretaria da Fazenda (Sefaz-Ba) e a Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Criado no governo Lula, Bolsa Família tirou o Brasil do Mapa da Fome e beneficia quase 14 milhões de famílias


Na Bahia, as gestões petistas fortaleceram o programa garantindo e estimulando o cadastramento das famílias em todas as regiões do estado

Promulgado em 20 de outubro de 2003 pelo presidente Lula, o Bolsa Família transformou a vida de milhões de brasileiros que antes das gestões petistas eram invisíveis aos olhos do poder público. O programa, que virou referência internacional, copiado inclusive por países desenvolvidos, como a Itália, por exemplo, tirou o Brasil do Mapa da Fome, garantindo dignidade às famílias brasileiras mais pobres, a quem foram asseguradas o direito de fazer três refeições ao dia. Um compromisso de Lula quando assumiu a presidência em fazer do Brasil um país menos desigual e mais justo para todos, principalmente para os que mais precisam. Hoje, o Bolsa Família disponibiliza um valor médio de R$ 189,00 para quase 14 milhões de famílias

Além de diminuir o problema da fome no país, a política pública teve um efeito dominó na melhoria da qualidade de vida do brasileiro. Como a liberação do benefício às famílias está condicionada à frequência das crianças nas escolas e à exigência do cumprimento do calendário vacinal, os índices da educação melhoraram e a mortalidade infantil diminuiu 14% de 2006 a 2015, sendo que entre as crianças negras caiu quase 30%, segundo Miriam Belchior, então ministra do Planejamento no governo Dilma, ex- presidente da Caixa Econômica Federal e coordenadora do grupo responsável pela criação e elaboração da proposta do Bolsa Família.

“A iniciativa representou também ‘bancarização’ da população, que passou a conseguir fazer empréstimos, e a partir do cartão do BF, as pessoas começaram a ter uma conta bancária, o que lhes permitiu muitas outras coisas, e uma das coisas centrais é o direito da família receber e de aplicar onde acha que deve”, afirmou a ex-ministra. Miriam Belchior destacou que o Bolsa Família contempla ainda um conjunto de ações, como a inscrição do público beneficiado em programas como o Pronatec, para poder melhorar sua capacidade de gerar renda e empregos com carteira assinada, além da construção de cisternas para famílias do semiárido através da identificação do público-alvo pelo CadÚnico. “São questões complementares fundamentais, porque através do CadÚnico é possível mapear o público contemplado e identificar suas principais necessidades”.

Grupo do Reino Unido quer aplicar R$ 2 bi em ferrovia na Bahia


Trecho terá 120 quilômetros e permitirá o escoamento do ferro produzido em Piatã; serão gerados 3 mil empregos

Foto: facebook/Brazil Iron
Foto: facebook/Brazil Iron

 

Responsável pela exploração de minério de ferro e manganês na cidade de Piatã, a Brazil Iron anunciou na terça-feira (19) um projeto de implantação de linha ferroviária na Bahia. Os 120 quilômetros da nova via serão conectados ao entroncamento da Ferrovia Integração Oeste Leste (Fiol) com a Ferrovia Centro Atlântica (FCA), em Brumado. O objetivo é escoar o minério produzido na cidade da Chapada Diamantina.

Segundo a empresa, que tem matriz no Reino Unido, serão aplicados R$ 2 bilhões. A obra deve gerar 3 mil empregos, com duração prevista de 36 meses após as autorizações por parte do Ministério de Infraestrutura e do governo estadual.

Junto com o trecho ferroviário, a companhia britânica pretende elevar a produção na Bahia para cerca de 10 milhões de toneladas anuais, gerando mais de 25 mil novos empregos. No país desde 2011, a Brazil Iron possui ao todo 24 processos de mineração, concentrados na região de Piatã.

“Este projeto representa um novo estágio para a produção de minério na Bahia sob todos os aspectos: seja na questão de extração, logística, peletização (agregar valor à matéria-prima), mas, principalmente, do ponto de vista de sustentabilidade e impacto econômico para o estado”, garante Guy Saxton, CEO da Brazil Iron.

Indústria baiana gera mais de 31 mil empregos de janeiro a agosto de 2021


Somente em agosto, o saldo positivo de empregos foi de 4.993 empregos, puxado pelos setores de Couro e Calçados; Alimentícios e Minerais Não-Metálicos

Foto: Fernando Vivas/Govba

Foto: Fernando Vivas/Govba

O segmento da indústria na Bahia gerou, entre janeiro a agosto desse ano, 31.323 mil postos de trabalho. Somente em agosto, o saldo positivo de empregos foi de 4.993 empregos, puxado pelos setores de Couro e Calçados; Alimentícios e Minerais Não-Metálicos. As informações são do Informe de Indústria de outubro da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE).

Em agosto de 2021, ao se completar um ano e cinco meses do início da pandemia do coronavírus, as maiores taxas de crescimento foram observadas nos setores de Informática (160,7%), seguido de Couro e Calçados (53%) e Papel e Celulose (38,2%).

“As nossas exportações dos produtos industrializados aumentaram em 19,15% de janeiro a setembro, comparando com o mesmo período do ano anterior. Destaque para os setores de Minerais, Calçados e Carne”, elencou o secretário de desenvolvimento econômico em exercício, Luiz Gugé.

De janeiro a setembro desse ano, o setor de Minerais teve um aumento de 152% no valor exportado, de US$ 162 milhões em 2020 para US$ 457 milhões em 2021; Calçados registrou crescimento de 126%, passando de US$ 42 milhões em 2021 ante US$ 19 milhões em 2020; e Carne, que subiu 107%, saindo de US$ 15 milhões em 2020 para US$31 milhões em 2021.

Xandó pede troca de nome em escola que será militarizada pela prefeitura


Imagem Xandó pede troca de nome em escola que será militarizada pela prefeitura

Durante a Sessão Ordinária desta quarta-feira (20), o vereador Alexandre Xandó (PT) iniciou o discurso falando sobre a Prof. Edivanda Maria Teixeira, que dá nome a uma escola da rede municipal, no bairro Jardim Valéria, e que será militarizada pela prefeitura.

O parlamentar saudou os familiares e amigos da professora, que estavam presentes na sessão. Ele ressaltou que a educadora foi perseguida e ainda teve um irmão preso e torturado durante a Ditadura Militar no Brasil. Disse que não entraria no mérito da discussão sobre os acontecimentos nesse período e nem sobre o ensino militar, mas falaria da dor dos familiares e amigos ao ver o nome de Edivanda relacionado a um espaço gerido por militares, e que por isso encaminhou requerimento à prefeitura pedindo a troca do nome da unidade.

Alexandre Xandó também falou sobre o aumento no valor do auxílio oferecido pela prefeitura a artistas e trabalhadores da cultura no município, que agora passarão a receber uma parcela única de 750 reais, mas lamentou que nesse momento de pandemia muitos desses profissionais têm dívidas de tributos com o município, e por conta disso não poderão se inscrever no edital desse auxílio já que a quitação desses débitos é uma exigência do Executivo.

O sal e a desertificação do Nordeste


 

O sertanejo ainda esperançoso e crente em não desistir da luta, porque, antes de tudo, é um forte, como dizia Euclides da Cunha, mete a mão na terra e removendo-a entre os dedos, com a voz embargada, diz, meu filho, essa aqui já está morta pelo sal. Não serve mais para plantar. Ao seu redor ainda tem algum pedaço que com a chuva ainda produz alguma coisa acanhada de milho, feijão, abóbora e o andu.
A seca secular, ou mesmo milenar, de muitas histórias de fome, de meninos mirrados de pés no chão, dos natimortos e dos retirantes para o sul, narrada e decantada pela imprensa, trovadores, repentistas e cancioneiros ainda persiste nas promessas dos governantes políticos desde o Brasil Colonial e Imperial. Sempre se pregou que é possível conviver com ela, mas tudo se esbarra nos projetos e políticas públicas de melhoria da vida desse homem, os quais nunca se concretizaram.
Autores em seus romances, poetas e cantadores, como Raquel de Queiroz, em “O 13”, Graciliano Ramos, em “Vidas Secas”, Ariano Suassuna com seu “Auto da Compadecida”, João Cabral de Mello Neto, em “Vida Severina”, Zé Ramalho, Geraldo Vandré, Elomar, Xangai, Glauber Rocha com seu cinema de cangaço e tantos outros retrataram essa árida sisuda do inclemente rei Sol que impede as sementes de germinarem ou queima o pasto e a lavoura.
O nordestino acredita em mudar seu destino, mas só recebe esmolas e alguns carros-pipas para matar a sua sede e a dos seus animais. Continua trabalhando na terra cansada que está virando deserto e sal. Para piorar, as carvoarias dos gananciosos escravizam seu povo e deixam um rastro de destruição na caatinga. Ao invés de água e ajuda para o plantio de sua subsistência, recebe sal e amargura. Uns ficam, mas muitos já foram embora para outras paragens.
Ao longo dos tempos, de mais de 500 anos, as secas cruentas, cada uma pior que outra, estão registradas em livros, manchetes de jornais e reportagens de TV. Além das estiagens de rachar a terra, os nordestinos ainda foram vítimas dos coronéis que tomaram e invadiram suas propriedades com seus jagunços de fuzis nas mãos. As volantes e o cangaço praticaram suas violências, roubando e estuprando suas famílias.
Na maior parte do tempo, a paisagem é cinzenta entre os engaços e bagaços de espinhos das juremas. Quando batem as águas, o colorido faz renovar as almas, mas é por pouco tempo. Logo entra outra temporada de aridez anunciando a desertificação do Nordeste. A caça que ainda enganava o estômago por uns tempos, não existe mais. Nem se ouve mais o canto da juriti, da nambu no final da tarde e nem o piar da perdiz. Só o sereno fino faz o orvalho da manhã. É um aviso de que mais cedo ou mais tarde o sertanejo, com lágrimas nos olhos, tem que bater em retirada do seu torrão.
As narrações são as mesmas quase todos os anos, como agora na Bahia onde mais de 100 municípios (mais de um milhão de pessoas) vivem em estado de emergência, mesmo os que se situam próximos do Rio São Francisco, o “Velho Chico”, outro castigado pela destruição humana, que pode desaparecer ou virar sal (sua foz já é salgada). Nas estradas poeirentas ainda corta algum carro-pipa – a indústria da seca e do voto – que coloca um pouco d´água em uma ou outra cisterna vazia, mas só poucos são contemplados.
A transposição do São Francisco foi mais uma ilusão perdida no horizonte da política enganosa. A corrupção corroeu boa parte das obras em rachaduras e ferrugens. Os canais correm solitários na sequidão, e a poucos quilômetros dali, como em Remanso, só se vê lata d´água na cabeça, ou crianças e mulheres tocando jumentos com carotes e em carroças para tentar pegar o precioso líquido em algum lugar distante.
Como uma piada cínica de mau gosto, o Governo da Bahia anuncia mais um projeto de transposição do “Velho Chico” até a Bacia do Rio Paraguaçu, outro em estado terminal, passando por São José do Jacuípe e outros municípios. É mais um daqueles programas para inglês ver. Há muitos anos já ouvi falar nessa água do Salitre (Juazeiro) até São José do Jacuípe. Agora resolveram dar mais uma riscada no mapa de papel amarrotado e sujo de mentiras.

Lula defende auxílio emergencial de R$ 600: “o povo merece”


O ex-presidente lembrou que o PT já reivindicou que o governo desse auxílio maior e apresentou proposta para um novo Bolsa Família, no valor de R$ 600

(Foto: Reprodução)

Do Lula.com.br – Em entrevista à rádio A Tarde, de Salvador (BA), nesta quarta-feira (20), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o presidente Jair Bolsonaro deve dar um auxílio de R$ 600 para os brasileiros pobres que passam por dificuldades. Ele lembrou que PT, há mais de cinco meses, pediu que o valor do auxílio se fixasse em R$ 600 e, além disso, o partido mandou uma proposta para a Câmara dos Deputados de um novo Bolsa Família, também no valor dos 600 reais. O ex-presidente disse não se importar que Bolsonaro possa tirar proveito eleitoral do auxílio, porque o povo merece receber o dinheiro.

“Estou vendo agora que Bolsonaro vai dar um auxílio emergencial de R$ 400 que vai durar até o final do ano que vem. Muita gente diz que a gente não pode aceitar porque é um auxílio emergencial eleitoral. Não, não penso assim. Faz mais de cinco meses que o PT pediu um auxílio emergencial de R$ 600, aliás, o PT pediu e mandou uma proposta para a Câmara dos Deputados de um novo bolsa família de R$ 600. Então, o que nós queremos é que o Bolsonaro dê um auxílio emergencial de R$ 600. Ele vai tentar tirar proveito disso? É problema dele. Se alguém acha que vai ganhar o povo porque vai dar um auxílio emergencial de R$ 600, paciência. Eu acho que o povo merece os R$ 600 e acho que ele tem que dar e nós já reivindicamos isso”, disse o Lula.

Câmara se reúne com Associação dos Procuradores do Município


Imagem Câmara se reúne com Associação dos Procuradores do Município

Na manhã desta quarta-feira, 20, representantes da Associação dos Procuradores do município de Vitória da Conquista estiveram em reunião na Câmara, para tratar sobre Projetos de Lei, de autoria do Poder Executivo, que preveem a criação de cargos comissionados na prefeitura. Os Projetos de Lei Complementar 19, 20,  21, 22 e 23, encaminhados para apreciação da Casa, tratam de nomeações de novos assessores para o Governo Municipal.

De acordo com Andrei Salomão, presidente da associação, as atribuições dos 18 novos cargos propostos chocam com a decisão recente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) sobre inconstitucionalidade na nomeação de procuradores comissionados pelo município, já que esses assessores acabam tendo funções de procurador.

“Não estamos aqui para bater no Governo ou para prejudicar, ao contrário, é para alertar à prefeita que esses projetos de lei, se passarem nos moldes em que foram encaminhados a essa Casa, sem qualquer tipo de emenda supressiva ou aditiva, eles vão colocar em risco a própria gestão dela, porque isso vai configurar como improbidade administrativa”, alertou.

O presidente da Casa, Luís Carlos Dudé (MDB), disse que vai intermediar uma reunião com a prefeita Sheila Lemos (DEM) para tratar desse assunto. “A Câmara está aqui para ouvir todos os segmentos da sociedade civil, é uma porta aberta para o diálogo com todos os poderes organizados”, afirmou.

Além de Dudé, participaram da reunião com os procuradores, líder do Governo, Chico Estrela (PTC), os líderes das bancadas de Situação, Edjaime Rosa Bibia (MDB), e de Oposição, Valdemir Dias (PT), e o Procurador da Câmara, Rafael Nunes.