Rico- TJ-MS libera filho de magistrada preso com armas e droga


Investigações conduzidas pela Polícia Federal apontaram que Breno Solon estava entre os integrantes de uma organização criminosa, Lembre-se rico bandido ou usa joia no tornozelo, ou vai para uma clinica, pobre morre.

Foto: Reprodução/ TV Morena
Foto: Reprodução/ TV Morena

 

Breno Fernando Solon Borges, filho da presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS), desembargadora Tânia Garcia Freitas, deixou a prisão – após decisão do também magistrado José Ale Ahmad Netto.

Borges, segundo o G1, estava preso desde o dia 8 de abril, quando foi flagrado com outros dois jovens com 129 quilos de maconha e 270 munições, além de uma arma sem autorização.

A liminar de Netto permite que suposto criminoso saia do presídio de segurança média de Três Lagoas e vá para uma clínica médica.

Membros do MBL, que se diz contra loteamento, ocupam cargos pelo Brasil- quá


De patriotas eles não têm nada, querem apenas se apropriarem do Estado, fato corriqueiro na Direita, um emprego pra mim, outro mim, outro pra minha prima e nada pra o povo.

Embora o MBL (Movimento Brasil Livre) se diga contra o loteamento de cargos, líderes do grupo na mobilização pelo impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, vêm ganhando cargos comissionados em grandes cidades neste ano; o grupo, coordenado por Kim Kataguiri, foi um dos principais articuladores dos protestos contra o PT a partir de 2015 e tem milhões de seguidores nas redes sociais; no ano passado, o MBL lançou integrantes pelo país na eleição e, em alguns municípios, apoiou candidatos a prefeito

Líderes do Movimento Brasil Livre na mobilização pelo impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, vêm ganhando cargos comissionados em grandes cidades neste ano.

O grupo foi um dos principais articuladores dos protestos contra o PT a partir de 2015 e tem milhões de seguidores nas redes sociais. No ano passado, o MBL lançou integrantes pelo país na eleição e, em alguns municípios, apoiou candidatos a prefeito.

A reportagem identificou lideranças do movimento nos protestos nomeados para cargos também em Porto Alegre, Goiânia, Caxias do Sul (RS) e São José dos Campos (SP). Os indicados têm perfil jovem e de início na carreira pública.

Joesley diz ter renascido após delatar Temer e Aécio


Em artigo, o empresário faz um relato 67 dias e noites após ter feito acordo de delação premiada, em que entregou, no âmbito da Lava Jato, Michel Temer, Aécio Neves e diversos outros políticos no esquema de corrupção do qual participava a JBS e pelo qual terá de pagar uma multa de R$ 10,3 bilhões; “Senti-me um novo ser humano, com valores, entendimento e coragem para romper com elos inimagináveis da corrupção praticada pelas maiores autoridades do nosso país”, escreve; ele rebate “mentiras e folclores em série” divulgados contra ele e chama de “completo absurdo” a divulgação na TV de imagens de sua família deixando o País, “como se estivéssemos fugindo”

O empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo JBS, define como ‘o dia do seu renascimento” a data de 17 de maio de 2017, dia em que “vazou para a imprensa o conteúdo do acordo de colaboração premiada que havíamos assinado com a Procuradoria-Geral da República”. “Confesso que minha reação foi de medo, preocupação e angústia”, diz ele.

Em artigo publicado na Folha de S.Paulo neste domingo 23, Joesley faz um relato dos 67 dias e noites após ter feito acordo de delação premiada, em que entregou, no âmbito da Lava Jato, Michel Temer, Aécio Neves e diversos outros políticos no esquema de corrupção do qual participava a JBS e pelo qual terá de pagar uma multa de R$ 10,3 bilhões.

“Senti-me um novo ser humano, com valores, entendimento e coragem para romper com elos inimagináveis da corrupção praticada pelas maiores autoridades do nosso país”, escreve. Ele rebate o que chama de “mentiras e folclores em série” divulgados contra ele na imprensa e chama de “completo absurdo” a exibição na TV de imagens de sua família deixando o País, “como se estivéssemos fugindo”.

Leia abaixo:

67 dias e 67 noites de uma delação

O ideal modernizador da educação em Vitória da Conquista entre as décadas de 1930 a 1950


 Maria Cristina Nunes Cabral1 Lívia Diana Rocha Magalhães2

Resumo O presente trabalho objetiva situar, sobretudo, o ideal modernizador da educação em Vitória da Conquista – BA, entre os anos de 1930 e 1950, bastante difundidos, prioritariamente, em exemplares de jornais locais da época. É fruto de uma pesquisa efetivada em consonância à realizada pelo Grupo de pesquisa: Memória geracional e políticas educacionais em Vitória da Conquista – Bahia, do Museu Pedagógico/UESB. Priorizamos esse período, por considerar ser o momento em que o Brasil assumiu uma nova postura econômica e educacional, através do pensamento modernizador que se desenvolvia frente às transformações conjunturais do país. Pretendemos, então, analisar os elos entre a localidade e os grandes debates nacionais, dentre eles o Movimento pela Escola Nova que, defendendo a civilidade como condição primordial de progresso da nação, levantava a bandeira da educação como propulsora da modernidade. Além disso, observamos que nesta cidade as contradições dentro do próprio discurso dos interlocutores, partidários dos ideais de progresso estavam presentes quando, ora se posicionavam favoráveis ao projeto de modernização ora contra. Palavras – chave: Educação, Escola Nova, Ideal Modernizador na Educação

Introdução

Para compreender como os ideais propugnados pelo movimento da Escola Nova entre os anos de 1930 a 1950 eram difundidos na cidade de Vitória da Conquista, interior da Bahia, realizamos uma pesquisa de cunho documental em alguns exemplares de jornais da cidade. Num primeiro momento apresentaremos uma breve contextualização do período para, em seguida situarmos como estava a cidade de Vitória da Conquista na Bahia no período estudado. Por último revelaremos a pesquisa realizada: A localização, avaliação e sistematização de jornais encontrados no Arquivo Público Municipal da Cidade de Vitória da Conquista e no arquivo particular de um pesquisador desta. A proposta foi analisar 1 Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste – UESB, bolsista de iniciação científica pela FAPESB, cabralcris19@yahoo.com.br. 2 Doutora em Educação pela UNICAMP. Professora titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, orientadora, lrochamagalhaes@gmail.com. como os ideários difundidos entre as décadas de 1930 a 1950 foram representados na nossa cidade, por meio de seus interlocutores, professores e/ou políticos. Buscando responder à pergunta: Como os ideários de educação difundidos nacionalmente no período chegavam a Vitória da Conquista? Quais as suas singularidades e confirmações diante da realidade nacional? Apesar de termos encontrado algumas notícias significativas em jornais como: “O Ruy”, “O Boré”, “O Clarim” e “A Alvorada”, priorizamos em nossa análise os jornais “O Combate”, e “A Conquista”, por serem jornais que apresentaram maior riqueza de notícias referentes ao tema proposto, abrangendo o final da década de 1920 até a década de 1950.

O Brasil nos anos de 1930

No século XX o Brasil começou a sofrer mudanças em seu modo de produção, começando a incorporar as indústrias manufatureiras. Tal processo acarretou uma série de modificações no modo de vida dos indivíduos que, migrando do campo para as cidades, provocou novas demandas de caráter social cultural e educativo (CORTÉS, 1996). Principalmente a partir de 1930 ocorreram no Brasil, algumas modificações estruturais que estabeleceram um novo rumo ao país, entre as quais: o declínio das oligarquias tradicionais rurais da República Velha e a ascensão das oligarquias industriais. A incipiente burguesia industrial formada em sua maioria por fazendeiros aliou-se a setores das classes tradicionais dominantes, firmando-se uma relação de dominação em relação ao operariado urbano-industrial também em ascensão no período. A nova classe ascendente vislumbrava o rompimento da dependência econômica brasileira em relação à economia externa, pois, o setor central da agricultura de exportação não mais oferecia condições para o crescimento dessas incipientes oligarquias (RIBEIRO, 1998). A urbanização, a industrialização, as novas demandas dos mercados de consumo e profissional, a burguesia industrial e o operariado urbano começam a se destacar como forças sociais, políticas e econômicas que, a partir deste período entram em vigor. A partir da década de 1930, observa-se a instalação das condições para a expansão do sistema capitalista de produção na sociedade brasileira. Marca-se o início de um novo padrão de acumulação com predominância da estrutura urbano-industrial e a conseqüente queda da hegemonia agrário-exportadora, consolidando a fase de expansão do capitalismo competitivo (RIBEIRO, 1998). O ideal de modernização, então iniciado, vem acompanhado de uma industrialização incipiente, de uma urbanização crescente e da necessidade da educação e das ciências como motor fundamental para ao desenvolvimento desse processo. O país precisava atender às exigências da modernização. Na educação ocorrem iniciativas importantes. Em 1932 foi criado o Ministério da Educação e da Saúde, intensificando-se, assim, os debates sobre o papel da educação tendo como base a psicologia e a sociologia sob a forte influência do movimento denominado “escola nova”, baseado no pragmatismo de John Dewey. (CURY, 1978). Desde a década de 1920 que já vinham ocorrendo iniciativas para a reforma da educação nos diversos estados brasileiros: a reforma da educação em São Paulo, por Sampaio Dória (1920), a do Ceará, por Lourenço Filho (1922), a do Distrito Federal, por Carneiro Leão (1922), a da Bahia por Anísio Teixeira (1924) a do Rio Grande do Norte, por Bezerra Menezes (1925) e a do Paraná, por Lisímaco da Costa (1927) Buffa (1997). O modelo educacional que então se propõe é a Escola Nova. Em 1924 é criada a Associação Brasileira de Educação – ABE da qual mais tarde foi extraída a elaboração do Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova de 1932.

Em Jequié, Rui entrega ampliação de centro de bioimagem e vistoria obras


Ações nas áreas de saúde, desenvolvimento rural e esporte para a população de Jequié e municípios da região sudoeste da Bahia foram entregues pelo governador Rui Costa neste sábado (22). Ele inaugurou a segunda etapa do Centro de Diagnóstico por Imagem do Hospital Prado Valadares, na modalidade de Parceria Público-Privada (PPP), com instalação de tomografia computadorizada e ressonância magnética.

“Esse é um centro de diagnóstico moderno e sofisticado para garantir a saúde pública de toda a região. O hospital não realizava tomografia nem ressonância e agora passa a fazer, com investimento de R$ 11,8 milhões. Estamos implantando este modelo de administração por meio de parceria público-privada, que agiliza a manutenção. Os aparelhos podem ser consertados com mais rapidez, sem precisar ficar parados. Com isso, a gente tem garantia, porque passa a ser interesse da empresa que o hospital produza e atenda o povo com qualidade todos os dias”, afirmou Rui.

O governador ainda autorizou a execução da obra de conclusão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) localizada na avenida Governador Lomanto Júnior, no loteamento Santa Luz, no bairro Cansanção. Anunciou também a publicação, no Diário Oficial do Estado (DOE), na última semana, de edital de construção do novo Colégio da Polícia Militar (CPM) da cidade. “Um investimento grande de quase R$ 7 milhões para oferecer à nossa juventude uma educação de qualidade”, destacou.

Fez parte da programação do governador em Ilhéus, neste sábado (22), a visita ao Frigorífico Vale do Sol e às obras da policlínica regional e do novo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC). Orçada em R$ 13 milhões, a policlínica tem conclusão prevista para agosto.

Eleições 2018: Candidatos na pista


 Veja

A um ano da largada oficial, quatro políticos já estão na corrida pelo Planalto: Lula, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Alvaro Dias

O Brasil está a menos de um ano das convenções partidárias que lançarão os próximos candidatos à Presidência da República. As siglas políticas poderão se reunir entre 20 de julho e 5 de agosto de 2018 para definir as chapas que deverão ser inscritas até o dia 15 de agosto. O primeiro turno das eleições será em 7 de outubro.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já está em campanha. O petista, sentenciado pelo juiz federal Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão no âmbito da Operação Lava Jato, só poderá se lançar como candidato se não for condenado em segunda instância.

Outro político que já está na corrida é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que deve trocar de partido e tem se portado como um antagonista à candidatura de Lula. Ele terá até o dia 7 de abril para estar filiado a uma sigla. Também já estão na pista o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o senador Alvaro Dias (Podemos-PR).

A ex-senadora Marina Silva não tornou oficial sua pré-candidatura, mas a Rede – partido que preside – trabalha internamente com os cenários que ela terá de enfrentar para não perder a terceira eleição consecutiva – chegou em terceiro lugar em 2010 e 2014. No PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, conseguirá se lançar na disputa se barrar o crescimento do prefeito paulistano, João Doria, e superar a tímida concorrência do senador José Serra (SP).

Há ainda surpresas que podem aparecer na disputa, entre elas o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, que conversa com a Rede e o PSB, o atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e o senador Cristovam Buarque (PPS-DF). Já o PMDB, o maior partido do país, deve entrar em mais uma eleição sem ter uma indicação própria ao Planalto.

Deputado Fabrício intensifica diálogo com região sudoeste



O movimento no escritório político do deputado registrou um maior crescimento nessa semana. O deputado está a todo vapor: intensificou o diálogo com sua base e recebeu diariamente lideranças de vários municípios do sudoeste baiano. Prefeitos, vereadores, ex-vereadores e líderes comunitários estiveram com Fabrício para discutir ações e projetos para seus municípios. O deputado, que afirmou que seu mandato é de luta e de correria, vem seguindo os passos do governador Rui Costa, visitando suas bases constantemente e até assumiu a hashtag #CorreCorre. A semana produtiva terminou num almoço com lideranças de Itambé, Encruzilhada, Itarantim, e Piripá.  

Nova regra reduz exigências ao cidadão para prestação de serviço público


Objetivo de decreto em vigor desde a última terça (18) é desburocratizar atendimento. Buscar documentos exigidos passa a ser atribuição do órgão público e não mais do cidadão.

<

Decreto do governo determina integração de base de dados entre órgãos

Decreto do governo determina integração de base de dados entre órgão

Um decreto em vigor desde a última terça-feira (18) simplifica a entrega de documentos, atestados, certidões e dispensa cópias autenticadas ou reconhecimentos de firma no serviço público.

Sancionado pelo presidente Michel Temer, o decreto tem por objetivo desburocratizar o atendimento aos cidadãos nas repartições públicas.

VALE-TUDO: salvação de Temer custará R$ 300 bilhões aos brasileiros


A salvação de Temer, acusado de corrupção, além dos prejuízos políticos para o país, tem um custo econômico altíssimo. Os R$ 11 bilhões em aumento de impostos anunciados essa semana já são reflexos do uso indevido e irresponsável da máquina pública que Temer faz para comprar votos na Câmara e tentar se salvar.

A estimativa inicial que se faz, por baixo, é que o valor que está em jogo chega próximo aos R$ 300 bilhões. Isso mesmo, R$ 300 bilhões! E essa quantia pode ser ainda maior até o dia 2 de agosto, data da votação.

Primeiro foram os 2 bilhões em emendas para comprar votos na Câmara. Depois, a sanção da lei que regulariza terras públicas ocupadas ilegalmente por grandes fazendeiros na Amazônia, em atendimento à bancada ruralista. Segundo cálculo da ONG Imazon, isso representa uma perda de pelo menos R$ 19 bilhões de patrimônio público.

Angical: Cadastro de propriedades rurais e sistema de água são entregues por Rui


Angical: Cadastro de propriedades rurais e sistema de água são entregues por Rui

Foto: Divulgação / Alberto Coutinho / GOVBA

Com a entrega do Cadastro Ambiental Rural (CAR) nesta sexta-feira (21), 809 propriedades de pequenos produtores rurais do oeste baiano poderão produzir com financiamento. O governador Rui Costa esteve presente no evento de entrega, realizado em Angical, região da Bacia do Rio Grande. Obrigatório e gratuito, o CAR tem por objetivo compor uma base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento. Em 2017 passará a ser exigido pelas instituições financeiras para a concessão de crédito agrícola. “Estamos investindo nesses certificados ambientais e tratores porque se essas 3 milhões de pessoas que vivem da agricultura familiar na Bahia começarem a produzir mais e ganhar mais, elas vão gastar esse dinheiro no comércio, que vai contratar mais gente, girando a roda da economia. É por isso que estamos investindo mais de R$ 300 milhões em apoio à agricultura familiar”, disse Rui. Ele aproveitou a ocasião para entregar o Sistema Simplificado de Abastecimento de Água (SSAA), alimentado pela estrutura do Sistema Integrado de Abastecimento que capta água no Rio Grande. A obra beneficiará também os municípios de Cotegipe e Cristópolis.  “Eu assumi o governo em 2015 e criei uma secretaria somente para cuidar desse assunto. Esta obra que entrego aqui hoje não é barata. São 29 milhões em investimentos, mas são recursos muito bem aplicados. Água é sinônimo de vida e de saúde”, ressaltou o governador.

Saída de Geddel desandou articulação de Temer, avaliam peemedebistas


O panorama ficou ainda pior com a entrada de Antonio Imbassahy no posto de ministro da Secretaria de Governo, dizem aliados

Foto: Marcelo Camargo /Agencia Brasil
Foto: Marcelo Camargo /Agencia Brasil

 

A saída do peemedebista Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo deixou lacunas na articulação política do presidente Michel Temer (PMDB), segundo correligionários do baiano.

De acordo com a Radar On Line, da Veja, o panorama ficou ainda pior com a entrada de Antonio Imbassahy no posto de ministro. Para eles, o distanciamento que o tucano impõe à dupla Moreira-Padilha fez com que o próprio PMDB entrasse em rota de colisão.

Delação de Valério atinge FHC, Aécio, Serra e Lula