Zé Raimundo tem 5 pontos à frente de Herzem Gusmão; afirma pesquisa


O ex-prefeito Zé Raimundo (PT) e o atual, Herzem Gusmão (MDB), estão empatados tecnicamente na disputa pelo comando do Executivo Municipal em Vitória da Conquista, aponta pesquisa ATARDE/Potencial Pesquisa, realizada entre os dias 24 e 29 de setembro. Segundo o levantamento, o petista tem 34% das intenções de voto, contra 29% do emedebista. A margem de erro da pesquisa é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos. Na sequência, está o vereador David Salomão (PRTB), com 9%. Depois, aparecem MarisStella(Rede) e Cabo Herling (PSL), cada um deles com 2%; além de Romilson Filho (PP) e Professor Ferdinand (PSOL), com 1% cada. Dos entrevistados, 16% afirmaram não saber em quem votar e 8% disseram que irão votar em branco ou anular. Na pesquisa espontânea, quando não são citadas as candidaturas na entrevista, o equilíbrio entre os primeiros colocados é ainda maior: Zé Raimundo foi citado por 22% e Herzem por 21%. Salomão obteve 3%, enquanto Romilson, Stella e Herling tiveram 1%, cada um. O candidato do PSOL não pontuou.

A empresa Potencial Pesquisa, ouviu 600 pessoas por telefone. Sábado haverá a divulgação da pesquisa Hojeindata com 928 entrevistas em 34 partes do município de Vitória da Conquista,com entrevistas domiciliares.

Bolsonarismo de onde veio e para onde vai


*Edwaldo Alves – PT Conquista

Participei de um debate promovido pelo Blog Político Points de Vue e a Association AlmasuParis, logicamente esse convite foi graças à amizade que tenho com a sua organizadora – Suzete Lima Kourliansdky – do que qualquer outro mérito que eu possa ter. A discussão foi sobre um artigo escrito por Jean Jacques Kourliansdky divulgado em diversos meios de comunicação. Nele o cientista político francês analisava a surpreendente melhoria do presidente Bolsonaro nas pesquisas de imagem de administração, confiança popular, enfrentamento da pandemia e mesmo intenção de votos. Jean Jacques, entre muitos temas importantes, destacou a trajetória medíocre e o pensamento bem próximo do fascismo do atual presidente. Líder de um governo pífio, indispondo-se com os ministros mais relevantes, tentando executar uma ultrapassada política neoliberal, dobrando-se ao centrão parlamentar abraçando ao que denominava de “velha política”. O presidente é motivo de galhofa em todo o país por suas frases desconexas e atos impensados. Com o fracasso do governo e perdido nas questões econômicas com o ministro da economia Posto Ypiranga, incentivando a devastação e queimadas na floresta amazônica, acuado pelos escândalos financeiros da sua própria família, logo despencou nas pesquisas políticas. Nem a sua pauta conservadora de costumes e extremamente falsa moralista pareciam salvá-lo do fracasso total no inicio do seu governo.
Com a chegada da pandemia ao Brasil a primeira reação do presidente foi patética. Desorientado, desacreditava da sua existência ou minimizava seus dramáticos efeitos. Chegou ao absurdo de classifica-la de gripezinha.
A crise econômica e o desemprego provocados por múltiplos fatores, entre os quais a pandemia, transformou-se em um forte instrumento para revelar o lado populista de Bolsonaro. O desemprego e a paralisia dos pequenos negócios jogaram milhões de brasileiros na mais completa miséria. O processo de combate à fome desenvolvido nos governos Lula e Dilma foi brutalmente interrompido nos governos Temer e Bolsonaro. Com a Covid-19 e suas nefastas consequências a fome alastrou-se por todo o país, especialmente nos segmentos mais pobres, no nordeste e na região norte. Como solução paliativa Bolsonaro propôs uma auxilio emergencial de R$ 200,00 mas que, contra a sua vontade, foi aumentado para R$ 600,00 pela Câmara dos Deputados. Mesmo com os erros de execução e de operacionalização, o auxilio permitiu que dezenas de milhões de pessoas ingenuamente agradecidas a Bolsonaro conseguissem enfrentar minimamente a fome. Acertadamente, Jean Jacques afirma que para essas pessoas “comer vem antes da prevenção da Covid-19”. Justamente aqueles que são os mais penalizados pela política genocida de Bolsonaro, os mais pobres, os negros, aqueles com menor escolaridade e os moradores no nordeste que ficaram mais satisfeitos com o auxílio, que foi capaz de mudar momentaneamente a imagem que tinham do governo bolsonarista..
Ao concordar com as opiniões e indagações contidas no artigo de Jean Jacques, ouso abordar algumas questões que julgo pertinentes.
O artigo nos provoca a reflexão sobre a opinião ainda existente entre alguns círculos de esquerda e democráticos, de que o presidente e suas propostas são apenas um “brisa passageira”, que as instituições por si mesmas serão capazes de interromper este processo de fascistização e retornar ao leito democrático natural, bastando para isso a constituição de uma ampla frente política que dome a fera e a coloque em seu devido lugar.
Doce ilusão provocada pelas dificuldades atuais!
Acredito que perdemos a guerra cultural e política na sociedade brasileira. Sem analisar a influência internacional, é fácil perceber que, desde 2016, o pensamento conservador conseguiu pautar para a sociedade os temas morais e de costume que, apesar de corretos e progressistas, mais encontram resistência no senso comum popular. Propostas de descriminalização do aborto, casamento homoafetivo, estudar a legalização das drogas ilícitas, diminuir a idade penal, ampliar a posse e porte de armas, concepções machistas e misóginas, autoritarismo militar confrontado com instituições políticas decadentes e outras que a partir de uma visão conservadora, reforçada por inverdades, distorções e fakenews foram largamente aproveitadas para desviar subjetivamente o povo de seus verdadeiros objetivos. Mesmo no interior das forças progressistas e de esquerda não havia a unidade necessária para enfrentar a verdadeira avalanche desencadeada na mídia e na rede social.
Trata-se então de abandonar tais bandeiras avançadas e de profundo caráter humano? Nunca!
Mas, os partidos de esquerda e socialistas precisam acentuar o seu caráter de classe. O centro da luta política precisa retornar aos interesses imediatos e finais da classe trabalhadora. Além do retorno e aprofundamento democrático, das questões identitárias e existenciais, da soberania nacional, da fraternidade, a solidariedade e a afetividade são elementos integrantes da luta de classes dos trabalhadores contra o capitalismo e a opressão.

Sete municípios do Médio São Francisco baiano são beneficiados com serviços de pavimentação


Serra do Ramalho

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está contribuindo para a melhoria da infraestrutura de diversas comunidades do Médio São Francisco baiano por meio de serviços de pavimentação. Serão beneficiados os municípios de Baianópolis, Canápolis, Cristópolis, Feira da Mata, Muquém do São Francisco, Santana e Serra do Ramalho. Essas ações representam um investimento de R$ 2,8 milhões, recursos provenientes de emendas parlamentares ao Orçamento Geral da União (OGU). A estimativa é de que as obras beneficiem cerca de oito mil pessoas.

Em Feira da Mata e Santana, as pavimentações em paralelepípedos acontecem somente em áreas das sedes dos municípios. As duas obras fazem parte de um mesmo contrato no valor total de R$ 1,6 milhão, que inclui ainda a pavimentação em paralelepípedos da sede do município e zona rural de Serra do Ramalho, além da comunidade rural de Boa Vista do Pixaim, em Muquém do São Francisco.

“Essa obra foi muito importante. Aqui, tinha uma poeira muito grande e o pessoal reclamava. A gente agradece muito à Codevasf por essa obra, que é muito boa para a comunidade. Vai depender só de nós moradores zelarmos por ela”, diz Aurelino Lima, morador local da comunidade de Boa Vista do Pixaim, em Muquém de São Francisco.

“O fato de a infraestrutura começar a chegar a gente pode chamar de essência da dignidade para o ser humano. Esperamos que outras ruas sejam pavimentadas para que dê qualidade de vida, que é o que a gente precisa. Com infraestrutura, com certeza, a qualidade de vida vai melhorar. Não temos nem palavras. Aqui na roça, em uma comunidade quilombola, a gente não tem o costume de ver esse tipo de coisa”, diz José Fernandes Filho, professor de escola local da comunidade.

Já nos municípios de Baianópolis, Canápolis, Cristópolis são beneficiadas somente comunidades da zona rural. No município de Baianópolis, a pavimentação em paralelepípedos acontece no povoado de Bebedouro, onde são investidos R$ 242,2 mil. Já a comunidade de Santo Hermenegildo, no município de Cristópolis, recebe um investimento de R$ 241,3 mil para os serviços de pavimentação também em paralelepípedos. Ainda em Cristópolis, as comunidades dos povoados de Tamboril e Água Doce recebem os serviços de pavimentação, representando um investimento de R$ 470,7 mil.

As comunidades de Barreiro e Vaca Morta, do município de Canápolis, também recebem os serviços de pavimentação. O investimento é da ordem de R$ 282,1 mil.

Assessoria de Comunicação e Promoção Institucional da Codevasf

Nota de Pesar da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista


A Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista manifesta seu profundo pesar pelo falecimento do professor Genivan Silva Neri, no início da tarde deste sábado (26), aos 57 anos.

Genivan sempre foi ligado à luta sindical dos profissionais da educação e fazia parte das diretorias do APLB Sindicato e do Partido Social Brasileiro (PSB) em Vitória da Conquista, e faleceu em decorrência de complicações de saúde após um acidente na BA-262, em agosto.

O corpo do educador será velado na manhã deste domingo, no Plenário Carmen Lúcia, na Câmara Municipal, e será sepultado às 10h no Cemitério da Saudade. Neste momento de dor, a Câmara Municipal, em nome do presidente Luciano Gomes (PCdoB), se solidariza com amigos e familiares.

Em cinco anos, Governo do Estado investe R$ 3,4 bilhões para levar água e esgoto de qualidade aos baianos


Garantir o direito humano essencial, fundamental e universal de acesso à água potável tem sido uma das prioridades do Governo do Estado da Bahia. Entre 2015 e junho de 2020, foram investidos R$ 3,4 bilhões para levar água de qualidade e ampliar o acesso ao esgotamento sanitário a cada vez mais baianos através da construção de novos sistemas de abastecimento e distribuição de água e de redes de esgoto em todas as regiões da Bahia.

Nesse período, um total de 612,3 mil novas ligações de água da Embasa foram feitas atendendo a mais 1,93 milhão de pessoas. O governador Rui Costa afirma que o investimento em abastecimento de água continuará sendo prioridade do Estado. “Água é prioridade para a vida humana, é uma de nossas prioridades de trabalho. Temos implantado redes de abastecimento e de esgoto em toda a Bahia e vamos continuar trabalhando para levar água limpa e condições mais dignas para os baianos, o que além de melhorar a qualidade de vida, melhora a saúde das pessoas”.

A política de governo tem mudado a vida de milhares de baianos, como a família da agricultora Alexandrina Ferreira, que vive na comunidade de Retiro, em Nordestina, no norte baiano. Em 2019, o local recebeu um Sistema Simplificado de Abastecimento de Água (SSAA) com dessalinizador e, desde então, a população vive dias melhores. “De lá pra cá tudo mudou. A gente vivia aqui numa seca muito prolongada e muitas vezes a água salobra era a única coisa disponível para beber. As crianças ficavam doentes, era um sofrimento horrível. Posso dizer com todo coração que essa obra aqui mudou para sempre nossas vidas”.

Nos últimos cinco anos, o Governo do Estado, através da Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (Sihs), Embasa e Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento (Cerb), construiu a Barragem do Rio Colônia e fez a ampliação das barragens da Tapera, em Itaparica, e de Ponto Novo, no centro norte da Bahia. Além disso, foram recuperadas as barragens de Saracura, de Brumado, de Aracatu, de Pedras Altas, de Riacho dos Poços, de Pituaçu, da Perereca e da Cabeceira do Rio Utinga. Também foram implantados 251 km de adutoras e 2,3 mil sistemas simplificados de abastecimento de água (SSAA) no meio rural.

Esgotamento Sanitário

Além das obras de abastecimento de água, as ações do Governo do Estado também contemplam sistemas de tratamento e de esgotamento. Nos últimos cinco anos foram implantadas 415,5mil novas ligações de esgoto da Embasa, 15 sistemas de esgotamento sanitário, realizadas 72 obras de ampliação e 2.292 módulos sanitários domiciliares (MSD) foram instalados no meio rural, beneficiando mais de 1,5 milhão de pessoas.

Para o titular da Sihs, Leonardo Góes, o saneamento é um importante vetor de desenvolvimento que impulsiona a economia do Estado, além de gerar centenas ou milhares de empregos. Esta característica aliada à proposta de novos investimentos tornam o saneamento um setor estratégico para o governo, que além da indução econômica gerada, atende e fomenta uma política essencial à saúde e qualidade de vida da população. “Os impactos econômicos são sentidos em áreas como turismo, construção civil e, principalmente, a desoneração de curto, médio e longo prazo na saúde pública, uma vez que aumenta a salubridade das habitações e evita a proliferação de doenças, garantindo também a preservação do meio ambiente”, destacou.

Fotos: Mateus Pereira/ GOVBA

Ministro do STJ nega liminar de Flávio Bolsonaro que pedia anulação de investigação do esquema de rachadinha; bandido rico troca delegado


Ministro Félix Fischer rejeitou pedido impetrado pela defesa do senador Flávio Bolsonaro para que fossem anulados todos os atos do juiz Flávio Itabaiana no âmbito do inquérito que apura um esquema de “rachadinha” envolvendo o parlamentar

Ministro Félix Fischer e Flávio Bolsonaro
Ministro Félix Fischer e Flávio Bolsonaro (Foto: Gustavo Lima/STJ | Ag. Senado)

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer rejeitou um pedido de liminar impetrado pela defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) para que fossem anulados todos os atos do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro. O pedido de suspensão foi feito no âmbito do inquérito que apura a existência de um esquema de “rachadinha” no gabinete do parlamentar na época em que ele ocupava uma cadeira na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Segundo reportagem do jornal O Globo, a defesa do senador foi baseada em uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio que declarou a incompetência da primeira instância que resultou no envio do inquérito para o órgão especial do TJ do Rio.

Segundo o ministro Felix Fischer, o pedido feito pela defesa se confunde com o mérito do debate e que o caso deve “ser oportunamente analisado, após a devida instrução dos autos e oitiva do Ministério Público Federal”. “Por este motivo, indefiro o pedido liminar”, completou Fischer em sua decisão.

Pastor Everaldo, que “batizou Bolsonaro”, negocia delação premiada; rato abandonando o navio


O político está preso há um mês, em razão dos escândalos de corrupção no governo de Wilson Witzel

(Foto: Reprodução)

O jornalista Lauro Jardim informa em sua coluna deste domingo, no jornal O Globo, que o político conhecido como Pastor Everaldo, do PSC, preso há um mês acusado de liderar esquemas de corrupção no governo de Wilson Witzel, afastado do cargo, negocia uma delação premiada.

Everaldo foi quem “batizou” Jair Bolsonaro no rio Jordão, em Israel, num dos atos de lançamento de sua candidatura presidencial. Witzel foi afastado do cargo pelo STJ e irá responder a um processo de impeachment no Rio de Janeiro.

Zé Raimundo e Luciana Oliveira convidam imprensa para coletiva


A Coligação A Conquista do Futuro realiza, nesta segunda-feira (28), a primeira coletiva de imprensa da campanha eleitoral de 2020. Participam os candidatos a prefeito Zé Raimundo (PT) e a vice-prefeita Luciana Oliveira (PCdoB), além dos presidentes dos demais partidos que compõem a chapa.

A reunião com os jornalistas será às 10h, no auditório do Multiplace Conquista Sul, ao lado do shopping (Avenida Juracy Magalhães, 3340). Toda a imprensa está convidada a participar desse momento.

Em respeito às vítimas da Covid-19 e aos limites impostos pela pandemia, o Partido dos Trabalhadores ressalta que a realização do evento acontecerá de acordo com todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Coligação A Conquista do Futuro é composta pelo PT, PCdoB, PSB, PL e PDT.

Lava Jato denuncia ex-advogado da família Bolsonaro por lavagem de dinheiro


Em desdobramento da Operação E$quema S, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou, nesta sexta-feira (25), o ex-presidente do Sesc Rio de Janeiro, Orlando Diniz; o empresário Marcelo Cazzo e os advogados Luiza Nagib Eluf, Marcia Carina Castelo Branco Zampiron e Frederick Wassef.

Veja denúncia na íntegra:

Segundo o MPF, eles são acusados de peculato e lavagem de dinheiro, cometidos a partir do desvio de R$ 4,6 milhões das seções fluminenses do Serviço Social do Comércio (Sesc), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e da Federação do Comércio (Fecomércio). Até o momento, o Congresso em Foco não conseguiu localizar as defesas dos denunciados.

O advogado Frederick Wassef já representou o presidente Jair Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Segundo a denúncia, Wassef recebeu R$ 4,5 milhões por meio do escritório de Luiza Eluf. O ex-advogado de Bolsonaro foi contratado para atuar como uma espécie de informante de Orlando Diniz e lidar com escrivães de polícia.

Wassef se aproximou de Bolsonaro em 2014, após o atual presidente ter sido reeleito para deputado federal. Nas eleições de 2018, o advogado passou a ser um homem de confiança de Bolsonaro e dos filhos e participou dos bastidores da campanha presidencial e continuou em contato permanente com a família.

Wassef é dono da casa em Atibaia-SP onde, em junho, foi preso o policial militar aposentado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro que é investigado no caso das rachadinhas, um suposto esquema de desvio de salários de funcionários da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro quando Flávio Bolsonaro era deputado estadual. Após Queiroz ser encontrado pelas autoridades judiciais na casa de Wassef, o advogado deixou o caso de Flávio Bolsonaro.

Semana da Pessoa com Deficiência: saiba o que mudou nos atos em Cartório


Estatuto da Pessoa com Deficiência diferenciou capacidade de expressar vontade de deficiência e passou a permitir que atos como casamento, união estável, reconhecimento de paternidade e testamento fossem feitos por esta parcela da população
Casar, constituir união estável, fazer um testamento, reconhecer um filho. Atos comuns para qualquer brasileiro, também passaram a ser realidade na vida de quase 13 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de deficiência desde a entrada em vigor do Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei Federal 13.146/2015), que instituiu condições de igualdade e acessibilidade aos cidadãos nos atos realizados em Cartórios, estabelecendo uma diferença objetiva entre capacidade e deficiência. Uma conquista a ser celebrada na Semana Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência.
Passados cinco anos da criação da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI), que criou o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/2015), os atos praticados nos cartórios sofreram mudanças consideráveis no âmbito do Direito Civil. Cidadãos que possuam algum tipo de déficit mental, mas demonstrem capacidade de entendimento de sua vontade, passaram a ter o direito de casar, formar união estável, reconhecer paternidade, fazer testamento e pacto antenupcial, além de terem mais autonomia nos processos de interdição e curatela
Desta forma, os Cartórios de Registro Civil passaram a realizar casamentos e celebrar união estável de pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais. A efetividade destes atos passou a depender da declaração de livre e espontânea vontade das partes. Por isso, o cidadão com deficiência, sendo considerado pelo Estatuto como “relativamente capaz”, pode expressar sua vontade e tornar a celebração válida para fins da vida civil. A premissa do reconhecimento de paternidade é a mesma, onde cabe ao registrador avaliar apenas se o cidadão consegue expressar a sua vontade.
Em relação às pessoas com deficiência que são curateladas, a mudança ocorre ao determinar que o responsável escolhido tem influência e poder de decisão apenas em atos relacionados aos direitos de natureza patrimonial e negocial. Dessa forma, o Estatuto determina que o próprio cidadão, independentemente da deficiência, tem responsabilidade pelas atividades relacionadas ao próprio corpo, à sexualidade, ao matrimônio, à privacidade, à educação, à saúde, ao trabalho e ao voto. A interdição da pessoa com deficiência mental, por sua vez, teve seu alcance limitado ao classificar o cidadão como relativamente capaz e é interpretada, individualmente, em cada caso.
Na atividade notarial, assim como nas demais especialidades de cartório, há uma presunção de capacidade plena da pessoa que pretende realizar um ato, mesmo que esta seja deficiente. No Cartório de Notas, cabe ao tabelião verificar se a pessoa tem discernimento da sua manifestação de vontade. Na realização do testamento e do pacto antenupcial, mesmo com o envolvimento de direitos patrimoniais, a pessoa com deficiência é apenas assistida e não mais representada por um responsável. O mesmo acontece com o cidadão que quiser protestar uma dívida no cartório de Protesto.

Nota Pública da Viação Cidade Verde estabelecendo a verdade dos fatos


Segundo a Viação Cidade Verde, um órgão de Imprensa da cidade de Vitória da Conquista, teria feito um entrevista com uma das partes do processo que envolve o município de Vitória da Conquista, a cidade Verde e outros interessados, na qual, esse advogado teria dito algo que correspondia a verdade dos fatos. Não entramos no mérito da questão, principalmente porque não ouvimos  tal entrevista, por solicitação da empresa Cidade Verde, estamos divulgando sua nota pública.

“Tomamos conhecimento de recente publicação de notícia na internet através de matéria intitulada “Viação Cidade Verde sofre mais uma derrota no Tribunal de Justiça da Bahia”, veiculando opinião do advogado Pedro Eduardo Pinheiro Silva sobre a ação popular relacionada com o contrato de concessão entre a empresa Cidade Verde Transporte Rodoviário Ltda. e o Município de Vitória da Conquista.
Se o título da matéria não foi sugerido ou escrito pelo ilustre Advogado, sua parcial opinião pode ter levado os meios de comunicação ao erro e ao exagero em classificar a negativa de efeito suspensivo ao recurso de embargos de declaração como “mais uma derrota”, até porque, até o presente momento não houve derrota na referida ação para nenhuma das partes, já que o processo não terminou, ou, na linguagem jurídica, não transitou em julgado.
O processo tramita no Tribunal de Justiça do Estado da Bahia com o atual recurso cabível contra o acórdão, tendo o Desembargador Relator entendido que não se aplicava a concessão de efeito suspensivo aos embargos de declaração, algo que o ilustre Advogado classifica como uma de suas “previsões”, como também lhe aparenta ser o resultado final da ação, fato que somente ocorrerá após apreciação por todas as instâncias, quando, finalmente, surgirá derrota para uma das partes, com o Poder Judiciário dando a última palavra, coincidente ou não com as opiniões e premonições dos interessados em seus diversos contextos.
Cabe recordar que o Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil estabelece que os causídicos, em manifestações públicas por qualquer modo e forma, evitem debates de caráter sensacionalista (art. 32), a exigir que suas opiniões levem em conta todos os elementos dos casos concretos, algo que não parece ter sido considerado pelo ilustre advogado Pedro Eduardo Pinheiro Silva em sua entrevista, sendo conhecedor de todos os desdobramentos da ação popular, e, assim, tendo plena ciência jurídica de que o município não tem e nem pode “correr e fazer um contrato emergencial”, pois a decisão no recurso de apelação não pode ser exigida antes do trânsito em julgado, existindo determinação judicial específica neste sentido por parte da Presidência do Tribunal de Justiça da Bahia.
Neste real contexto, a empresa Cidade Verde informa que continuará adotando as medidas cabíveis em amparo aos seus direitos perante o Poder Judiciário, a quem caberá decidir a ação sempre imune às premonições e opiniões parciais ou tendenciosas, razão pela qual é importante que os meios de comunicação se atenham para a real situação do caso e do processo, ouvindo todas as partes e evitando que notícias sejam tão impactantes quanto irreais, prejudiciais a uma sociedade que já sofre com a má informação, cumprindo, desse modo, a importantíssima missão jornalística com ética, transparência, segurança e credibilidade”.