Governo vai exonerar presidente do BNB indicado pelo Centrão


Alexandre Borges Cabral é alvo de uma apuração conduzida pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre suspeitas de irregularidades em contratações feitas pela Casa da Moeda

Alexandre Borges Cabral e Jair Bolsonaro
Alexandre Borges Cabral e Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Foi mais uma indicação política do Centrão depois da aliança dos partidos que formam o bloco com o governo Bolsonaro – a primeira na equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Indicado pelo Centrão, o novo presidente do Banco do Nordeste, Alexandre Borges Cabral, deve ser exonerado do cargo, segundo fontes do governo. Como mostrou reportagem do Estadão, Cabral é alvo de uma apuração conduzida pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre suspeitas de irregularidades em contratações feitas pela Casa da Moeda durante sua gestão à frente da estatal, em 2018. O prejuízo é estimado em R$ 2,2 bilhões. A informação é do jornal Estado de S.Paulo.

Governo do estado mantém investimentos em Infraestrutura


A luz elétrica na zona rural chegou para um total de 3,2 milhões de baianos que viviam na escuridão antes do programa Luz Para Todos e a melhoria da malha rodoviária estadual, com obras que perfazem mais de 6 mil quilômetros de estradas, notabilizam a Bahia pelo maior programa de rodovias do país neste momento. Estes e outros dados foram destacados no Seminário “Infraestrutura no Governo Rui Costa”, o 8º virtual realizado na terça-feira (02) pelos mandatos dos deputados Waldenor Pereira (federal) e Zé Raimundo (estadual), com a participação do secretário estadual de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, e dos superintendentes de Comunicação e Energia, Celso Rodrigues, e Infraestrutura de Transportes da Bahia, Saulo Pontes.

A boa notícia também nesses tempos de crise é que seguem em andamento as obras estruturantes na capital e no interior. “O Governo Rui Costa continua investindo em obras, mesmo neste momento crítico da pandemia. E o investimento público é importante para gerar emprego”, disse o secretário Marcus Cavalcanti no Seminário com 150 convidados e representantes de 40 municípios do Sudoeste, Serra Geral, Chapada Diamantina, Médio São Francisco e Bacia do Paramirim, presentes na sala virtual. A palestra também foi retransmitida pelas redes sociais dos deputados.

O secretário e os superintendentes apresentaram um balanço das ações da Seinfra no estado e responderam às questões das lideranças sobre os pleitos específicos de seus municípios, especialmente para a ligação de luz elétrica, expansão de telefonia celular para distritos de grande porte e a melhorias das estradas.

Aras recua e agora admite que Constituição não prevê intervenção militar; falou ” tuliça”


O procurador-geral da República, Augusto Aras, tinha dito que era possível a intervenção das Forças Armadas na vida política nacional como se estas fossem uma espécie de poder moderador em caso de conflito entre poderes. Depois voltou atrás

Procurador-geral da República, Augusto Aras
Procurador-geral da República, Augusto Aras (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)

Na entrevista, Aras disse que um Poder que invade a competência de outro perde suas garantias constitucionais e isso poderia ensejar uma atuação por parte das Forças Armadas, interpretando assim de maneira equivocada o artigo 142 da Constituição, que dispõe sobre o funcionamento das Forças Armadas.

As declarações de Aras repercutiram mal, inclusive entre entre ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), informa o jornalista Marcelo Rocha na Folha de S.Paulo.

“A Constituição não admite intervenção militar. Ademais, as instituições funcionam normalmente”, afirmou o procurador-geral na nota em que revê sua posição. “Os Poderes são harmônicos e independentes entre si. Cada um deles há de praticar a autocontenção para que não se venha a contribuir para uma crise institucional”, acrescenta

Frequentemente os bolsonaristas nas manifestações de rua com caráter antidemocrático e golpista reivindicam o artigo 142 da Constituição para defender o fechamento de instituições como o Supremo e o Congresso Nacional.

Bolsonaro também faz ameaças à democracia invocando o artigo 142 da Constituição. Na  reunião ministerial de 22 de abril, ele disse: “Nós queremos fazer cumprir o artigo 142 da Constituição. Todo mundo quer fazer cumprir o artigo 142 da Constituição. E, havendo necessidade, qualquer dos Poderes pode, né? Pedir às Forças Armadas que intervenham para restabelecer a ordem no Brasil”.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, divulgou nota oficial nesta terça-feira (2) para afirmar que a Constituição não permite a  intervenção militar na vida política do país, retificando o que tinha dito na véspera durante entrevista ao apresentador Pedro Bial, da TV Globo.

Muito natural que bolsonaristas interpretem  textos de forma errônea, isso decorre da falta de capacidade intelectual em interpretar um texto qualquer. Todavia a Constituição Federal tem textos claros, exatamente para permitir a qualquer leigo, ler e entender.
Enquanto o atual presidente adaptar o texto do artigo 142 da forma que lhe favoreça, pode-se se considerar normal, pois trata-se claramente  de delírios de um homem visivelmente doente, lamentavelmente encontra escora no  ” Constitucionalista” que sempre foi um home de extrema direita, Yves Gandra Martins, porém antes, nunca tina falada besteira do tamanho  dessa de entender que as FFAA, se constituem em pode da República e que poderia ser moderador para enquadrar os legítimos poderes . Nesse lamento vive o país  cercado de ignorantes de todos os lados,  no caso do procurador, corrigiu a tempo a ” tuliça” que disse.
As Forças Armadas, são apenas órgãos do Governo, subordinadas e subalternas ao poder civil, esse escolhido pelo povo em Assembleia Geral ( eleições) e ao maior Poder que é exercido pela Suprema corte, cuja função é garantir o que está escrito na Carta Magna ( Constituição) explicamos:  os brasileiros vão às urnas e por maioria escolhem seus representantes governamentais: vereadores, prefeitos, governadores, deputados estaduais, presidente, senadores e deputados federais:  estes ,respeitando a territorialidade  exercem os poderes executivo e legislativo,  encarregados da administração física do país.
O Poder Judiciário, portanto o poder maior, não no aspecto pessoal, mas no aspecto coletivo, pois esse é quem dá a palavra final sobre as leis do país e notadamente a Constituição Federal. A legitimação desse poder vem de duas formas, nas instâncias inferiores  é representado por juízes e promotores de justiça, aprovados em concurso público, a cúpula desse poder entretanto é legitimada nos Estados  pela indicação dos nomes feira pelo governador, que tem outorga através do voto popular para fazê-lo e referendada ou não pelos deputados  estaduais, que também possuem voto popular, da mesma forma é procedida com os membros da cúpula do Ministério Público estadual.
No nível Nacional, o presidente da República indica os membros das cortes superiores e notadamente os membros do Supremo Tribunal Federal.
No sistema democrático, esses membros nada devem ao presidente da República por tal indicação, e seus julgamentos não podem receber censura, nem do presidente, tampouco dos senadores que homologaram a indicação, o cargo é vitalício, exatamente para que o magistrado tenha total segurança dos seus atos. Por isso, é o o poder final, suas decisões podem receber críticas de qualquer um do povo, todavia, censura jamais.
De modo, que a Constituição Federal inseriu como poder independente O Ministério Público, que pode ser interpretado como quarto poder e jamais, em tempo algum atribuiu as Forças Armadas qualquer poder, que não seja o de acatar o comando civil,  obedece com seu chefe Supremo o Presidente da República, obedece os presidentes da Câmara e do Senado Federal e por fim o poder da Lei, no caso o Supremo Federal, que diz aos comandantes dessas forças que sua obediência deve ser  a lei. Nada mais que isso.

(Vídeo) Pastor no Maranhão diz que Jesus vai curar o vírus e fiéis queimam máscaras


“É Jesus, é Jesus, é Jesus”, disse o pastor, após afirmar que “nenhum remédio” liberta do coronavírus. Os fiéis também queimaram várias máscaras de proteção contra a doença

(Foto: Reprodução)

Um pastor da cidade de Bacabal, no interior do Maranhão, proferiu um discurso pregando que Jesus Cristo vai curar o coronavírus, doença que já atingiu 530 mil brasileiros e deixou 30 mil mortos no País.

“É Jesus, é Jesus, é Jesus”, disse o pastor, após afirmar que “nenhum remédio” liberta do coronavírus.

Os fiéis também queimaram várias máscaras, um dos principais equipamentos de proteção para diminuir a propagação da Covid-19 e recomendado por autoridades de saúde.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Deputado Zé raimundo se preocupa com a reabertura gradual do comércio conquistense


O deputado Zé Raimundo (PT) está acompanhando atentamente a reabertura gradual do comércio de Vitória da Conquista, desde ontem (01/06), conforme determinação da Prefeitura Municipal. Preocupado com a pandemia do novo coronavírus – que levou ao fechamento de lojas e serviços não essenciais desde 18 de março- o parlamentar, que foi prefeito no período de 2002 a 2008, tem conversado com especialistas e autoridades da área de saúde.

“Somos favoráveis ao diálogo com a sociedade e buscamos informações para acompanhar esse momento bastante preocupante, uma vez que a recomendação do secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, é da necessidade de esperar mais uns 15 dias até a pandemia chegar ao platô, ou seja se estabilizar, para começar a cair o número de casos de coronavírus no estado”, pondera o deputado. Ele manifestou a sua apreensão com a reabertura do comércio conquistense durante sessão plenária remota da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), ontem.

Zé Raimundo também destacou as ações do seu mandato, junto com o deputado federal Waldenor Pereira, que resultaram em investimentos recentes no valor de 3 milhões e 500 mil para a saúde em Vitória da Conquista. “Continuamos trabalhando na região, em parceria com os órgãos do governo do estado, em busca de alternativas para fortalecer as assistências à saúde e social, como também a economia local”.

Esclareceu que o fortalecimento da economia local se dá por várias ações, inclusive a que foi aprovada na sessão plenária de ontem, que facilita o pagamento do vale alimentação dos estudantes da rede pública estadual, consequentemente injetando R$ 44 milhões na movimentação da economia dos municípios. “Portanto, estão de parabéns o governador Rui Costa e o secretário da Educação, Jerônimo Rodrigues, por mais essa iniciativa para enfrentar a crise da pandemia”, ressaltou Zé Raimundo.

PandeBuilding: O Edifício da era Pós-Covid19


Pesquisa Inédita revela hábitos e comportamentos evidenciados durante a pandemia em relação ao estilo de vida e os impactos dessas mudanças nos imóveis

A Molegolar, numa iniciativa inédita, reuniu a Urban Systems e outras duas empresas de Inteligência de Mercado para realizarem juntas uma sondagem que visa entender e comparar hábitos de consumo antes e durante a pandemia causada pelo novo coronavírus (COVID-19) no Brasil. O objetivo da pesquisa, divulgada por meio de uma live no último dia 29 de maio é para sondar as mudanças e tendências do cenário pós-pandemia, trazendo dados que irão ajudar as incorporadoras e investidores a adequar seus lançamentos, imóveis e empreendimentos à nova realidade da “era pós-pandemia”.

O evento foi transmitido ao vivo no canal do Youtube da Climb* e contou com as presenças de: Thomaz Assumpção, CEO da Urban Systems; Cristiano Rabelo, CEO do Grupo Prospecta; Fábio Araújo, CEO da Brain com a moderação de Saulo Suassuna, CEO e fundador da Molegolar.

Os resultados da pesquisa que ouviu cerca de 700 pessoas de 11 estados brasileiros, confirma projeções feitas por especialistas do mercado imobiliário durante os últimos meses. O próximo passo será aprofundar ainda mais a pesquisa, focando nos detalhes expostos, para que os investimentos no mercado tenham ainda mais solidez e embasamento.

Principais mudanças

Entre as variáveis que causaram impacto imediato na vida das pessoas, se destacam as mudanças no trabalho, lembrado por 61% dos entrevistados, seguido das finanças citadas por outros 58%. Além disso, os entrevistados também destacaram mudanças significativas nos padrões de consumo, lazer, saúde física, viagem, tecnologia, segurança e moradia.

Em relação à saúde a pesquisa demonstrou que a maioria dos entrevistados continuam se exercitando em casa ou no condomínio, o que demonstra que esse tipo de atividade deverá mudar após a pandemia .

Para o CEO da Urban SystemsThomaz Assumpção, é importante entender que a pandemia veio para mudar definitivamente o comportamento das pessoas. “Vamos analisar melhor o que é necessário e o que é desejável. O espaço onde vivemos foi muito mais valorizado pelo fato de termos que ficar em casa por tanto tempo. Essa nova formatação de uso do espaço, vai dar impulso para as arquiteturas e projetos acomodarem de forma eficaz, todos esses anseios, o que inclui os exercícios. Ninguém vai deixar de ir à academia, mas não na mesma frequência que iria anteriormente. Vamos encontrar o melhor lugar para os nossos exercícios dentro ou próximo de casa. A mudança vem para ficar”, comentou.

Lazer

Em relação ao lazer, 89% dos entrevistados revela que, antes da chegada do coronavírus, tinham o hábito de viajar regularmente. Já após o período da pandemia, cerca de 67% pretendem voltar a viajar a partir de 2021, dos quais 36% já no primeiro semestre, 20% no segundo semestre e outros 11% somente em 2022. Questionados sobre as possíveis mudanças para hábitos de lazer após a pandemia, muitos entrevistados continuarão a evitar aglomerações. Além disso, grande parte menciona a intenção de evitar espaços fechados, a fim de priorizar eventos sociais em casa e ao ar livre.

“A crise que estamos vivendo deverá deixar um legado mais forte e significativo, principalmente no que se refere a ficar mais em casa e nos espaços comuns. Se considerarmos que o Brasil é um país com diversos países dentro dele, os produtos imobiliários deverão seguir a tendência de regionalização, percepção situacional regional que irá demandar diversidade de produtos ofertados”, completou Thomaz.

Dentro de casa

Questionados sobre a possibilidade de mudanças na moradia atual, metade dos entrevistados não pretende alterar nada em sua residência, corroborando com a satisfação pelo imóvel.

Aqueles que desejam alterar algo, pretendem realizar reformas. As reformas envolvem melhoria de infraestrutura da casa para melhor conforto para o trabalho, melhoria em ambientes internos e na área externa. Pensando em pequenas alterações, as principais são decoração, pequenos reparos, pintura e destinar cômodos para home office. Além disso, os entrevistados passaram a comprar mais online, utilizar aplicativos de compra e adquirir eletrodomésticos que facilitem o dia a dia.

A rotina de home office fez com que muitos entrevistados tivessem que adaptar um escritório dentro de casa já que não contavam com uma área para isso antes da pandemia.

Segundo Thomaz Assumpção, a flexibilidade para a moradia será importante. “O produto imobiliário deve poder se adaptar ao longo do tempo para atender às mudanças de demandas do consumidor. Isso sem falar nas áreas do entorno, o que deverá reforçar ainda mais a descentralização das cidades. O surgimento das novas centralidades mais equilibradas com tudo o que se precisa para viver, serão os deflagradores do processo de mudança de residências. A adoção da internet, o trabalho a distância e a facilidade de estar em um lugar mais seguro, onde tudo esteja num espaço geográfico menor serão os grandes motivos que possam provocar mudanças de residência”, disse.

Planejamento

Urban Systems mantém-se, mesmo em período de isolamento, realizando estudos e planejamento para o desenvolvimento de projetos imobiliáriospatrimoniais urbanos. Seus modelos de consultoria permitem avaliar e ponderar diversos fatores para encontrar a melhor formatação de produtos e dessa forma, minimizar os riscos de mercado de investidores e proprietários.

Consulte-nos e saiba como podemos auxiliá-lo.

*Assista a Live completa

Acesse os dados da pesquisa inédita, clique aqui 

Conteúdo elaborado pela Redação Urban Systems.

O que é fascismo?


 Meu amigo Gilberto Almeida perguntou, o que fascista, dei uma explicação curta, lhe disse: o fascista é aquele que quer as coisas apenas do seu jeito, não conseguindo, tenta eliminar o opositor, inclusive fisicamente, espero que Beto leia esse texto e com isso aprenda sobre os fascistas do mundo: quem diz- ” a maioria tem que fazer as coisas, a minoria, ou aceita ou desaparece” quem pensa assim é fascista.

O fascismo foi um movimento político que surgiu na Itália sob a liderança de Benito Mussolini, que assumiu o poder desse país a partir de 1922 com a Marcha sobre Roma.

fascismo é entendido por cientistas políticos e historiadores como a forma radical da expressão do espectro político da direita conservadora. No entanto, é importante dizer que nem toda política praticada pela direita conservadora é extremista como o fascismo. Essa ideia também vale para o espectro político da esquerda, uma vez que nem toda política praticada por ela é radicalizada como o que foi visto pelo stalinismo, o regime totalitário liderado por Josef Stalin, entre 1927 e 1953, na União Soviética.

Acesse também: O nazismo foi um movimento de direita ou de esquerda?

Afinal, o que é fascismo?

fascismo é um conceito que gera muito debate por sua complexidade, já que é um movimento político que se adapta a diferentes circunstâncias e apropria-se de ideais de diferentes ideologias. De toda forma, o fascismo, enquanto movimento político e social, possui uma retórica populista que explora assuntos como a corrupção endêmica da nação, crises na economia ou “declínio dos valores tradicionais e morais” da sociedade. Além disso, defende que mudanças radicais no status quo (expressão em latim para referir-se ao “estado atual das coisas”) devem acontecer.

 

Hitler e Mussolini são entendidos como líderes dos dois grandes movimentos fascistas do século XX: o alemão e o italiano, respectivamente.**
Hitler e Mussolini são entendidos como líderes dos dois grandes movimentos fascistas do século XX: o alemão e o italiano, respectivamente.**

Uma vez que ocupa espaços de poder, o fascismo transforma-se em um regime extremamente autoritário, baseado na exclusão social, portanto, hierárquico e bastante elitista. O termo “fascismo” pode ser usado para referir-se:

1. Ao fascismo surgido na Itália e liderado por Benito Mussolini.

2. À expressão extrema do fascismo sob a ideologia nazista, desenvolvida por Adolf Hitler.

3. Aos regimes que surgiram durante o período entre a Primeira Guerra Mundial e a Segunda inspirados ideologicamente no fascismo italiano, como foram os casos do salazarismo, em Portugal, do franquismo, na Espanha, do movimento Ustasha, na Croácia etc.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Características do fascismo

O fascismo clássico, forma como o fascismo italiano é conhecido entre os historiadores, possuía algumas características:

1. Implantação de um sistema unipartidário ou monopartidário, no qual apenas o próprio partido fascista tinha direito à atuação no sistema político nacional;

2. Culto ao chefe/líder como forma de colocá-lo como a única pessoa capaz de guiar a nação ao seu destino;

3. Desprezo pelos valores liberais, nos quais estão inclusas as liberdades individuais e a democracia representativa;

4. Desprezo por valores coletivistas, como o socialismo, comunismo e anarquismo;

5. Desejo de expansão imperialista baseada na ideia de domínio de povos mais fracos;

6. Vitimização de determinados grupos da sociedade ou de um povo com o objetivo de iniciar uma perseguição contra aqueles que eram vistos como “inimigos do povo”;

7. Uso da retórica contra os métodos políticos tradicionais afirmando que estes eran incapazes de combater as crises e de levar a nação à prosperidade;

8. Exaltação dos “valores tradicionais” em detrimento de valores considerados “modernos”;

9. Mobilização das massas;

10. Controle total do Estado fascista sobre assuntos relacionados à economia, política e cultura.

Leia tambémTotalitarismo – origem, exemplos, características

O que foi o fascismo italiano?

A expressão “fascismo” foi cunhada pelo italiano Benito Mussolini (1883-1945), que criou, em 1919, uma organização chamada Fasci Italiani di Combattimento. O termo “fasci”, que significa feixe, faz referência ao feixe de hastes de madeira com um machado no centro – símbolo da unidade do poder político na Roma Antiga.

Mussolini começou sua carreira política em um núcleo socialista italiano. O vínculo de Mussolini com o socialismo italiano foi interrompido em 1914 quando publicou em jornal socialista um artigo defendendo a participação da Itália na Primeira Guerra Mundial. Esse rompimento aconteceu porque os socialistas italianos eram radicalmente contra a entrada do país na guerra.

Benito Mussolini foi o fundador do Fasci Italiani di Combattimento, grupo que deu origem ao Partido Nacional Fascista.***
Benito Mussolini foi o fundador do Fasci Italiani di Combattimento, grupo que deu origem ao Partido Nacional Fascista.***

Mussolini, então, alinhou seu discurso político com o viés nacionalista italiano. Entre 1919 e 1920, o fortalecimento político de movimentos de orientação socialista levou classes conservadoras na Itália a alinharem-se com o fascismo italiano. O fascimo ganhou muita força nas regiões rurais do centro da Itália.

Prefeitura de Vitória da Conquista autoriza reabertura do comércio


Página da Prefeitura fornece orientações a empresários e cidadãos para uma retomada segura das atividades comerciais.

O prefeito de Vitória da Conquista autorizou a reabertura gradual do comércio. Ele seguiu orientação de um comitê formado por maioria das representações escolhidas pelo próprio executivo.

A Secretaria de Comunicação colocou no ar a página com o Plano de Reabertura do Comércio. Nela, informações importantes são fornecidas a empresários e cidadãos para a retomada das atividades comerciais de maneira segura.

O site foi dividido em três seções:

No Plano de Reabertura: estão contidas as informações sobre as cinco fases do processo, sobre o protocolo e monitoramento;

Em Empresários: Os donos de empresas têm os detalhes do protocolo de abertura com o detalhamento das cinco fases, medidas sanitárias, recomendações e fiscalização;

E em Cidadãos: A população de Vitória da Conquista também tem acesso ao cronograma, recomendações e os telefones para informações e denúncias.

O Comitê Gestor de Crise criou um protocolo que estabelece uma abertura gradual, organizada e coordenada. A partir de amanhã, 1º de junho, as empresas da fase 01 estão autorizadas a operar. Elas foram divididas em três grupos e vão funcionar em horários intercalados para evitar um fluxo grande de pessoas nas ruas.

Veja como fica:

A partir da definição dos novos protocolos para as fases seguintes do processo de reabertura, o site vai ser atualizado para fornecer as informações completas à população./Blitzconquista

Conheça os números do coronavírus no Brasil e no mundo


Acompanhe os números da covid-19 no Poder360Poder360

Poder360 publica diariamente 1 relatório sobre a trajetória do coronavírus no Brasil e no mundo. Eis os dados do início desta 3ª feira (2.jun.2020).

NÚMEROS NO BRASIL

  • casos – 526.447 (+12.247 em 1 dia);
  • mortes – 29.937 (+623 em 1 dia);
  • recuperados – 211.080 (+4.525 em 1 dia).

MÉDIA MÓVEL

Os 2 gráficos a seguir mostram a média móvel dos últimos 7 dias de mortes e de novos casos diários. As curvas matizam eventuais variações abruptas.

SÃO PAULO

O Estado inicia flexibilização. As regras vigoram desde 2ª feira. Cabe às prefeituras adotar ou não o Plano São Paulo. É dividido em 17 regiões, com níveis de 1 (só serviços essenciais), em que está 90% do Estado, a 5 (retomada total com ações de higiene). A capital, na fase 2, preferiu esperar aval da Vigilância Sanitária.

A COVID-19 NO MUNDO

Até as 23h de 2ª feira, havia 6.366.193 infectados e 377.437 mortes em todo o planeta.

CURVA DE MORTES

Poder360 compilou os números em 8 países. A média móvel de mortes em 7 dias no Brasil é a 2ª maior no mundo.

CÁLCULO PROPORCIONAL

São 142 brasileiros mortos a cada milhão de habitantes. Há uma semana, eram 116.

Poder360 destaca fatos sobre o coronavírus nos países onde há maior número de infectados:

    • Estados Unidos – região oeste de Nova York deve passar hoje para fase 2 de reabertura. Nela, empresas com serviços “mais essenciais” e menores riscos de infecção voltam a funcionar, disse Cuomo. A capital pode entrar na mesma etapa na 4ª feira.
    • Rússia – deve começar a exportar na próxima semana o antiviral avifavir, usado no tratamento da covid-19. Países da América Latina e do Oriente Médio já fizeram pedidos. O CEO do Russian Direct Investment Fund, Kirill Dmitriev, afirma ser o “medicamento anti-covid-19 mais promissor do mundo”.
    • Espanha – não registrou mortes por covid-19 em 24 horas pela 1ª vez em 3 meses.
    • Reino Unido – em 6 semanas, a proporção de britânicos que confiam no governo para fornecer informações sobre a pandemia caiu 19 pontos –foi de de 67% para 48%. Foram contabilizadas 119 mortes de domingo para 2ª feira, o menor aumento diário desde 23 de março.
    • Itália – celebra hoje o Dia da República. Registrou 178 novos casos de domingo para 2ª feira, o menor acréscimo desde fevereiro.
    • França – permite hoje reabertura gradual de bares, restaurantes e cafés. Escolas reabrem nas zonas verdes, em que há menor circulação do vírus. Há restrições: reuniões podem ter, no máximo, 10 pessoas, e as mesas em locais públicos precisam ter 1 metro de separação.

ACM Neto decide expulsar ativista de direita Sara Winter do DEM


ACM Neto decide expulsar ativista de direita Sara Winter do DEM

Foto: Secom / PMS

Presidente nacional do Democratas, ACM Neto decidiu pela expulsão sumária da ativista de direita Sara Winter do partido. A informação é da revista Crusoé. O ato de expulsão deve ser publicado ainda nesta terça-feira.

A filiação de Sara ao DEM aconteceu em 2018, quando ela foi candidata à deputada federal. O partido a qual iria se filiar seria o PSL, que na época tinha o então candidato Jair Bolsonaro, mas um desentendimento com Flávio Bolsonaro fez com que Sara acabasse no DEM.

A ativista teve o aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para ingressar no partido. Ela recebeu R$ 25 mil do Diretório Nacional da sigla, mas teve pouco mais de 17 mil votos e não se elegeu.

Sara é uma das lideranças do movimento bolsonarista “300 do Brasil”. Alvo do inquérito das fake news, ela pode ser presa em breve por ter feito ameaças ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Entidades articulam maior geração de energia a partir de resíduos


Frente formada por associações setoriais será lançada nesta terça-feira (2)

Foto: Ambev/ Divulgação
Foto: Ambev/ Divulgação

 

Uma frente formada por quatro associações setoriais será lançada nesta terça-feira (2) para buscar soluções destinadas à ampliação do aproveitamento energético dos resíduos sólidos no Brasil. Assinarão remotamente o Acordo de Cooperação para Recuperação Energética de Resíduos a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), a Associação Brasileira de Empresas Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre), a Associação Brasileira do Biogás (ABiogás) e a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

O avanço da geração de energia a partir dos resíduos depende da erradicação dos lixões e sua substituição por aterros sanitários, o que já deveria ter acontecido segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Cerca de 41% dos resíduos coletados no país ainda são destinados a instalações inadequadas, onde não é possível o aproveitamento para geração de energia. A frente defende o fechamento de 3 mil lixões e o investimento público e privado em aterros sanitários regionais, que atendam a municípios vizinhos.

Segundo a frente empresarial, os 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos produzidos anualmente pelo Brasil têm potencial para gerar energia elétrica suficiente para abastecer o estado de Pernambuco, o que representa 3% do consumo nacional de eletricidade. Grande parte desse potencial não é aproveitado porque 7 milhões de toneladas sequer são coletadas, e quase 30 milhões vão parar em lixões.

Os dados são do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2018/2019, publicado pela Abrelpe. O diretor-presidente da associação, Carlos Silva Filho, explica que a frente vai buscar a superação de questões regulatórias e de compartilhamento de tecnologia, para aumentar a segurança jurídica e econômica do setor e permitir que ele cresça no pós-pandemia. “É uma tendência que tem sido observada nos demais países, em que justamente os setores ambientais, de infraestrutura e saneamento serão os que vão puxar a retomada dos investimentos pós-pandemia”.

Para o presidente da Abetre, Luiz Gonzaga, as dificuldades econômicas trazidas pela pandemia vão exigir maior participação do setor privado nos cerca de R$ 15 bilhões em investimentos que o setor vai requerer nos próximos 10 anos para promover a recuperação energética dos resíduos. Ele destaca que, além desse esforço, é preciso aprimorar a parte operacional dos aterros. “Aterros são equipamentos que duram 20 a 25 anos e, para isso, precisam de boa operação. Temos casos no Brasil em que o Poder Público construiu aterros, que, por falta de priorização de recursos, retornaram para a condição de lixões”.