Seu recado!
Buscar por data
agosto 2020
D S T Q Q S S
« jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Arquivo BPN



Archive for the ‘História’ Category

1969: Uma grande tempestade aconteceu em Conquista

Chuva_1

Luís Fernandes | Taberna da História

No dia 16 de outubro de 1969 Vitória da Conquista foi surpreendida por uma forte chuva, que começou às 15h40 e terminou depois de 2 horas, causando estragos e danos materiais de mais de Cr$ 2 milhões (meda corrente na época). As ruas centrais transformaram-se em caudalosos rios em poucos instantes, em consequência das fortes enxurradas. As praças da Bandeira e Nove de Novembro, juntamente com as ruas Ernesto Dantas e Monsenhor Olímpio se uniram pelas impetuosas águas, que invadiram casas comerciais e residências (na época havia muitas no centro da cidade). Na Rua Santos Dumont as casas do lado direito de quem sobem foram atingidas, pelos fundos, pelas enxurradas, vindas da Rio-Bahia.

chuva2

O “Parque de Diversões Sul americano”, de propriedade do Sr. Catarino Ribeiro, armado perto da Santa Casa, ficou quase totalmente destruído, tendo um tufão arrancado a roda-gigante de oito toneladas do chão, ficando imprestável, levando o dono do parque a um prejuízo calculado em torno de Cr$ 50 mil (vultosa quantia para a época). Leia na íntegra a história de Vitória da Conquista.

“A mais espartana de todas ” 174 anos de emancipação

Vitória da Conquista, desde o seu início como comunidade, teve uma especial vocação para a política. Havia,

Paulo Nunes é advogado e jornalista

Paulo Nunes é advogado e jornalista

no início do século passado, o domínio político escorado no coronelismo, mas o lado democrático do povo da cidade, reagia nos jornais com protestos efetivados em artigos e poemas; portanto, já se fazia notar que a cidade não concordava em todo com aquele tipo de mando.
O ditador Getúlio Vargas chega ao poder, consegue seus adeptos em Conquista, mas também encontra a resistência dos homens de pensamento democrático.
Mais tarde cai o ditador, e Vitória daConquista tem uma disputa política mais equilibrada, sob o ponto de vista das oportunidades, muito embora a tradição conservadora se mantivesse no poder até 1962, quando Pedral Sampaio vence as eleições. Dura pouco a mudança de hábito de se fazer política; vem o golpe militar e civil de 64 e a cidade é forçada a continuar resistindo com cautela, porém sem medo. A ditadura faz o jogo político da intolerância, da perseguição e do egoismo, e no Brasil dura 21, mas em Conquista, é derrubada 13 anos antes. Talvez por este povo ser sabedor do que quer, é que o professor de política de todos nós, Everardo Públio de Castro, dizia ser a cidade de Vitória da Conquista, das cidades baianas, a mais espartana de todas.
A capacidade de decidir deste povo Imboré ou Mongoió é impressionante, a comuna conquistense deve respeito aos seus mandatários eleitos pelo voto livre, mas quando entende que esses não representam os seus anseios, sem cerimônia alguma os retiram do poder, sem hesitação e nem deixa que os laços de família influenciem nesta decisão, colocando assim o interesse coletivo acima de qualquer cunho pessoal. A história mostra que aos agarrados ao individualismo e ao empreguismo medíocre é reservado o direito de bater palmas ou torcer o nariz.
Read the rest of this entry »

Jovem baiana tem projeto premiado por programa da Harvard

Jovem baiana tem projeto premiado por programa da Harvard

Foto: Ney Silva/ Acorda Cidade
A baiana Georgia Gabriela da Silva Sampaio, 19, teve o seu trabalho selecionado em um programa que incentiva projetos inovadores de empreendedorismo social promovido por alunos da Universidade Harvard, nos Estados Unidos. A moradora de Feira de Santana, centro-norte do estado, representa o Brasil junto à gaúcha Raíssa Müller, de Novo Hamburgo, que também tem 19 anos. Georgia criou um kit para diagnosticar de uma forma mais rápida e com menor custo a endometriose, problema que afeta mais de seis milhões de mulheres brasileiras entre 15 e 45 e seria responsável por 40% dos casos de infertilidade do país. Tanto a feirense quanto Raissa participarão em novembro de uma conferência no campus da Harvard para expor o seu projeto aos investidores do mundo todo. Em entrevista ao site Acorda Cidade, ela contou que a ideia de pesquisar o assunto surgiu a partir de seu contexto social. “O tratamento da doença é muito caro e o diagnóstico também. Como o sintoma principal é a dor durante a menstruação, as mulheres passam muito tempo sem procurar tratamento. A média de atraso é de sete anos e enquanto isso a endometriose vai avançando em estágios piores”, afirmou. Já a jovem gaúcha tem o objetivo de mostrar o seu projeto da criação de uma esponja para absorver óleo, que seria útil para derramamento de óleo no mar. O evento realizado pela primeira vez por um grupo de alunos, ex-alunos e professores de Harvard se chama “Village to Raise a Child” (significa “Vila por Trás do Jovem”) e tem como objetivo investir em projetos inovadores que podem impactar a comunidade onde os selecionados vivem. Três participantes do Sri Lanka, Nepal e Filipinas foram premiados, em um total de 80 mil inscritos.

VÍDEO HISTÓRICO: O dia que Pedral chorou

blogdofabiosena.com.br

pedral blog do fabio sena
No dia 22 de Agosto de 2013, a Comissão Municipal da Verdade de Vitória da Conquista realizou uma audiência pública reconhecida unanimemente como a atividade política mais expressiva dos últimos 50 anos na cidade – na pior das hipóteses. Naquele dia, por força de requerimento feito à Câmara de Vereadores pelo líder do Governo na Câmara, Florisvaldo Bittencourt, do Partido dos Trabalhadores, uma dívida histórica foi quitada: o engenheiro José Fernandes Pedral Sampaio teve devolvido – simbolicamente, embora – seu mandato de prefeito, cassado pelo regime de exceção em 1964.

À audiência – que lotou o auditório do legislativo conquistense, local acertadamente escolhido para sediar o evento pelo valor simbólico de terem sido os vereadores de 1964 autores do Projeto de Resolução que cassou Pedral – estavam presentes centenas de pessoas, entre elas o prefeito Guilherme Menezes que, pela primeira vez desde que assumiu o mandato de prefeito em 1997, revia o ex-prefeito, de quem fora outrora secretário de Saúde. Somando, nada menos que sete mandatos do executivo estavam presentes: três de Pedral, quatro de Guilherme; isso sem contar mais um de José Raimundo Fontes e outro de Raul Ferraz, também presentes ao ato.

 

 

Neste dia, o homem que se reivindicava marxista e que, como declarou ao jornalista Giorlando Lima, não tinha coração de concreto, chorou. Copiosamente, chorou. O registro do ato de devolução simbólica do mandato do ex-prefeito José Pedral Sampaio, inédito até hoje, é postado neste blog como homenagem a um dos mais extraordinários homens que Vitória da Conquista, a Bahia e o Brasil conheceram. Um homem que sofreu na pele inúmeros revezes mas que, no limiar da nona década de vida, irradiava uma juventude similar àquela que o conduziu, em 1958, a disputar, pela primeira vez, uma eleição para assumir os destinos da cidade. Aos 89 anos, uma verdade me parece absoluta: assim como Drummond, Pedral era um homem do seu tempo.

Abaixo, a íntegra do pronunciamento do ex-prefeito José Fernandes Pedral Sampaio no ato de instalação da Comissão Municipal da Verdade:

Sr. Prefeito, Sr. Presidente da Câmara de Vereadores dessa cidade, eu peço a você, vereador Florisvaldo Bittencourt, que, através da sua pessoa, sejam saudados todos os presentes, deputados federais, estaduais, Corpo de Justiça, da OAB, numa homenagem com destaque para os seus colegas vereadores de Vitória da Conquista. Quero agradecer essa restituição do mandato que, neste instante, eu recebo com muita honra.

Conquista me elegeu em 1962, nós tivemos a vitória em todas as urnas da cidade, todas as urnas, sem exceção. Nós tivemos mais votos do que todos os concorrentes que disputavam a eleição. É intolerável que o Golpe Militar tenha ferido essa cidade, roubando o mandato do seu prefeito.

Essa saudação que eu peço a você, Florisvaldo Bittencourt, se estenda por toda essa Assembleia aqui presente. Vocês me desculpem, eu sempre fui chorão. Eu vou falar aqui passagens dessa fase da perseguição política para a Comissão da Verdade de Salvador e que esta chegue até a Federal.

Na realidade, muita gente daqui de Conquista já conhece uma parte importante desses acontecimentos falados por mim e por muitos outros aqui nesta cidade, mas eu quero dizer que essas passagens, para que cheguem à Comissão da Verdade de Salvador e até à Nacional, tem antecedentes do Golpe Militar. Alguns exemplos: Preocupados com a organização que se formava neste País, eu e Chico Pinto procuramos Waldir Pires, Consultor-Geral da República, para dizer que Feira de Santana já tinha se armado contra o seu prefeito. Aqui em Conquista fizeram reuniões, destacando a que foi feita no cinema, principalmente por pessoas de fora.

Read the rest of this entry »

Entrevista com Pedral 2ª parte : Prefeito de Conquista em 63, 83 e 93

PEDRAL: Resgate de um mandato com 50 anos de atraso

Paulo Nunes é advogado e jornalista

Paulo Nunes é advogado e jornalista

Vitória da Conquista sempre foi vanguarda na política. Em sua história, elegeu deputados ainda nos primeiros anos do século passado, tradição continuada pelos prefeitos Antonino Pedreira, Edvaldo Flores, (chegou a Vice-Governador), Régis Pacheco (foi Governador da Bahia depois), Jadiel Matos, Raul Ferraz, Guilherme Menezes e José Raimundo Fontes, que também foram deputados saídos dessa terra. Adelmário Pinheiro, Orlando Spínola e Coriolano Sales foram, além de deputados, presidentes da Assembleia Legislativa da Bahia. Crescêncio Lacerda e Crescêncio Silveira chegaram a ser deputados constituintes em 1934.
Entretanto, o mais forte dos nomes entre todos que fizeram nossa cidade ser conhecida em todo o país, apesar de ter duas vezes pleiteado o cargo de deputado, ocupou em sua carreira política apenas o cargo de prefeito, foi José Fernandes Pedral Sampaio. Talvez este fato sirva a provocar uma reflexão aos conquistenses que amam essa terra e a sua política. Afinal, sendo apenas prefeito, dedicando-se exclusivamente ao município, Pedral Sampaio conseguiu ser a maior liderança política até a presente data. Ele seria o que quisesse em qualquer lugar do mundo. Culto, inteligente, sábio, valente e corajoso, eis aqui o retrato de um vencedor. De 1954 a 2000 foi figura obrigatória em qualquer discussão política. Fez campanha nos anos 50, 60 e 70. Como o figurino político da época exigia, empenhava o discurso na voz sem abrir mão da pistola na cintura. Os tempos de hoje são pacíficos na política, mas no passado só os corajosos, dispostos a transformar a cidade e seu povo, sem se negar ao jogo estabelecido da época, é que poderiam variar da SUVELA no pneu ou da bala no peito, sem correr da luta jamais. Evidentemente que tal utilização só aconteceria, se necessário fosse, no caso da bala, não aconteceu, restou apenas a SUVELA necessária no pneu
Nesse cenário, nosso prefeito lutou contra o coronelismo dominador, perdeu no primeiro momento, mas não recuou e venceu na segunda batalha. Estabeleceu, no início do seu primeiro mandato, conquistas que os mais pobres jamais haviam visto na Bahia. Implantou nos anos 60 a semana inglesa e o salário mínimo. Seu antecessor permitia que os patrões da época pagassem aos seus trabalhadores os salários que quisessem, sem critério algum. Além de obrigar os empregadores a custearem os salários mínimos, Pedral organizou associações e sindicatos das mais diversas classes trabalhistas. Em três meses de governo, levou água encanada e de qualidade aos chafarizes da cidade, todos construídos em seu pequeno tempo de governo. Enfim, era um revolucionário que assustava a Bahia e o conservadorismo do Brasil.
Amigo pessoal de Jango, não marcava audiência e era recebido pelo então presidente sem cerimônia. Além disso, era extremamente ligado ao deputado federal e consultor da República, Waldir Pires, também aliado de Jango. Quando o referido presidente do Brasil foi deposto, a situação de Pedral tornou-se vulnerável, ante sua ligação política com aqueles ora destituídos do Poder. Era impossível, naquele contexto, a manutenção do exímio administrador em seu cargo de prefeito. Pedral haveria de ser cassado pelo golpe militar. Em 1964 seu nome era comentado em cidades que, à época, eram mais desenvolvidas que Conquista, tais como Itabuna, Ilhéus, Amargosa, Feira de Santana e Jequié. Esta última, terra do então Governador da Bahia, Lomanto Junior, a quem o destino reservou o papel de Judas ao proceder a acusação caluniosa contra Pedral. Com isso, o Governador se salvou de uma possível cassação e tentou matar a liderança que surgia com caminho certo ao Palácio Tomé de Souza. O então deputado Antônio Carlos Magalhães confirmou o que relato acima na TV Itapoã, encontrara Pedral e lhe disse: “ vou falar na televisão que foi Lomanto que lhe cassou”, e o fez. .
Sob a liderança de Pedral Sampaio, Vitória da Conquista se tornara uma cidade perigosa aos olhos dos militares e dos civis covardes da Bahia. Por isso, para o golpe de 63/64 a cidade recebeu um contingente de cem soldados que, coincidentemente ou não, apreenderam cem conquistenses, foi o que foi falado à época, mas presos mesmos na cidade foram 35, cujo pecado era ter uma cabeça e um pensamento. Estes militares chegariam em solo conquistense por avião, mas desistiram de fazê-lo com receio de que o aeroporto fosse preparado com tonéis para provocar um acidente na aeronave. A suspeita tinha por fundamento denúncias levianas da direita recém derrotada pela esmagadora maioria da população, como também havia denúncia de que no povoado do Capinal haveria guerrilheiros com treinamento paramilitar, capitaneados pelos supostos subversivos conquistenses. Nada mais na verdade. que um cenário armado para tirar do poder os eleitos com a bandeira das Reformas de Base que tanto assustava os latifundiários coronéis de fazenda da época.
Pedral foi preso às 7 horas da manhã do dia 06 de maio de 1964. A cidade estava cinzenta pelo frio que fazia com a antecipação do inverno. Várias prisões se seguiram e, entre elas, a trágica que vitimou Péricles Gusmão Régis que acabou suicidando, evidentemente induzido a isso pelo então capitão (e hoje General) Antônio Bendoqui. O crime de Péricles foi hospedar em sua casa o Sr. Fernando Ferrari, candidato a vice-presidente da República pelo Movimento Trabalhista Renovador – MTR: foi o suficiente para que fosse tido como inimigo da Pátria e, por consequência certa, teria seu mandato de vereador cassado, caso não tivesse antecipado esse fato com a retirada de sua vida.
Read the rest of this entry »

Nossa história, nossa gente

velha guarda no futebol

Nilton Gonçalves, Pedro Bitencourt, Sebastião leite, Edson do banco, Enésio  Gonçalves, Jarbas Vsconcelos, Durval Santana, Armando Nascimento, Arnaldo Correia, Nicolau  Santos, Paulo Hortélio, Samuel Teixeira, Domingão, Jaimilton Gusmão, Edmundo Cardoso, Osmar Silveira, Gilvan Santos,  Cleomar Silva. Aliomar Coelho, Antônio José Nascimento, Sebastião Teixeira, Gilberto Gusmão e número 23 não foi identificado, se alguém souber faça contato com o blog.  

PEDRAL FAZ 89 ANOS: MAIOR PREFEITO DA HISTÓRIA DA MINHA CIDADE

Pedral e Paulo Nunes- uma amizade eterna, muita política nas conversas

Pedral e Paulo Nunes- uma amizade eterna, muita política nas conversas- foto: Fábio Sena

Meu amigo Pedral, hoje não está bem, há 15 dias conversamos longamente em seu leito no hospital SAMUR e ele parecia um menino, esbanjando saúde. entretanto a quimioterapia tem dessas  coisas, melhora mas abate a pessoa, falei hoje com Zica esposa de Pedral que me relatou que a nossa maior referência política, não estava bem, como no último encontro que tivemos. Eu sempre digo que a maior homenagem que podemos prestar a Pedral, é contar sua história e isso, Judson Almeida e Luís  Fernandes nesse vídeo abaixo, falam de uma parte da vida desse grande homem que completa hoje, 89 anos de idade desses 65 dos quais dedicados a coletividade conquistense. 

Reportagem de Judson Almeida, Humberto Filho e Edirlei Pereira exibida no Bahia Meio Dia da TV Sudoeste sobre José Fernandes Pedral Sampaio, personagem da História de Vitória da Conquista. 172 anos de emancipação política. Afiliada Rede Bahia – Rede Globo

Nossa história, nossa gente: segundo científico B do IEED- 1974

Turma Butantã IEED 74

NOSSA HISTÓRIA NOSSA GENTE: SEGUNDO CIENTÍFICO IEED – 1974 (HÁ 40 ANOS)

2° ANO CIENTÍFICO: IVONILDE, SUZANA, Nadima Mafra Chukr, Paulo Nunes, ROSÁLIA E ROSE. 1974 IEED- Todos conseguiram curso superior

2° ANO CIENTÍFICO: IVONILDE, SUZANA, Nadima Mafra Chukr, Paulo Nunes, ROSÁLIA E ROSE. 1974 IEED- Todos conseguiram curso superior

Vídeos
Recomende o Blog
Apoio
Arquivos
Image and video hosting by TinyPic