ACADEMIA DO PAPO : Veículo Leve sobre Trilho: Um abordagem quase política


DSC01277Na última eleição para prefeito de Vitória da Conquista, uma discussão ganhou vulto na campanha: Transporte Coletivo. Por se tratar de tema presente no cotidiano das pessoas, claro que ganhou intensa reverberação popular e se avolumou em dimensões merecidas. O candidato que se opunha ao prefeito Guilherme Menezes disse, em diversas ocasiões, que tinha um Projeto para implantação de um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e que, em sua visão, esse Projeto seria a solução para os problemas de Mobilidade Urbana de Vitória da Conquista. No debate o Prefeito fez ver a ele que o Projeto era bom, mas inviável sob os mais diversos aspectos, entre os quais o Operacional e o Econômico-Financeiro.

Primeiro, é importante e conveniente frisar que o problema de Mobilidade Urbana não se atém apenas a esse aspecto. Transporte Coletivo é parte integrante dessa grande discussão. Segundo, o problema não se restringe ao modus vivendi local; atualmente é discussão mundial e se trata de uma questão que aflige todas cidades de médio porte em nosso País e no resto do Planeta. Estudos recentes comprovaram, por exemplo, que no Centro de Londres os carros percorrem a faixa central da City a uma velocidade menor que as carroças e charretes faziam no final do século XIX. Vejam que ironia…
Em 1930, o filósofo espanhol, José Ortega & Gasset, advertiu em sua obra A Revolução das Massas que as cidades não estavam preparadas para o fluxo de automóveis e que a Mobilidade Urbana seria ou estaria altamente comprometida ao final do século XX em quase todo o Planeta. Acertou em cheio. Como o mundo parece não ter ouvidos para os filósofos (isso é antigo, vem desde os tempos em que Suetônio alertou um imperador romano para o fato de a Terra se exaurir), só agora é que as sociedades estão sentindo na pele o problema da Mobilidade Urbana.

Mas, e o VLT? Ora, o VLT é um importantíssimo meio de transporte que adequadamente implantado, passa a fazer parte das soluções que podem ser aplicadas a questão dos Movimentos de Massas Urbanas em cidades de médio porte para cima, em condições orçamentárias reais para implantá-lo. Ressalte-se que quando utilizamos a expressão “adequadamente implantado” o fazemos na pressuposição de que sejam atendidas todas as condições, entre as quais uma que consideramos imprescindível, e que se justifica pelo binômio CUSTO X BENEFÍCIO. Eis aí um dos fatores impeditivos para se implantar em Vitória da Conquista um sistema de Veículos Leves sobre Trilhos, ainda nessa década. O Erário Público do Município não comportaria a implantação desse Sistema e qualquer tentativa de fazê-lo agora seria um malogro; um sonho que se desintegraria diante do Primeiro Movimento da Realidade.

Por causa de constatações reais como essa, onde a Responsabilidade Fiscal Orçamentária fala mais alto, o senhor Guilherme Menezes, como é habitual em suas decisões administrativas, definiu-se por soluções mais adequadas à realidade do Município de Vitória da Conquista e está concluindo o Projeto de Mobilidade Urbana por intermédio de um Plano que prevê (e vai fazer) ligações entre três regiões da Cidade, as quais permitirão conexões bastante racionalizadas entre bairros e localidades distantes, compreendendo como pontos de referência o CEMAE e a Lagoa das Bateias. Louvável é que essa interligação será feita sem onerar dolorosamente o Município, com o uso inteligente (político) dos recursos do PAC III, permitindo à Cidade e aos seus cidadãos se moverem por extensos corredores atendendo ao citado binômio (Custo X Benefício) fundamental em economia política.

Não devemos esquecer que um dos conceitos de Política é a “arte de administrar bem os recursos públicos”. Nesse sentido, sem tentar reduzir a importância da implantação futura de VLTs. e outros meios de transporte Urbano, nos parece que atualmente, o mais exequível, o mais acertado para solucionar parte dos problemas de Mobilidade Urbana de Vitória da Conquista é essa que o prefeito Guilherme Menezes adotou até o final do seu mandato em 2016, em que pesem as opiniões em contrário. Em nossa opinião, o prefeito Guilherme Menezes estava e ainda hoje seus argumentos são convincentes.

One response to “ACADEMIA DO PAPO : Veículo Leve sobre Trilho: Um abordagem quase política

Comentários fechados