Demissão de procurador reforça luta antilavajatista no Congresso


Parlamentares dizem que decisão expõe inação da corregedoria do MPF durante todo o período da Lava Jato

Diogo Castor de Mattos e a ficha de adesão ao clube de elite
Diogo Castor de Mattos e a ficha de adesão ao clube de elite (Foto: MPF/Divulgação | Reprodução)
A demissão do procurador Diogo Castor na noite desta segunda-feira (18) deve reforçar o discurso antilavajatista no Congresso.

A leitura por parte de parlamentares é a de que, se de um lado a decisão mostra que o Conselho Nacional do Ministério Público é capaz de dar duras penas a integrantes do Ministério Público Federal, de outro, expõe a ausência de medidas da corregedoria do MPF, ou seja, de controle interno, durante todo o período da Lava Jato e sobre outras investigações, informa o Painel da Folha de S.Paulo.

O CNMP é o conselho que está na mira da Câmara dos Deputados. Uma PEC em andamento tenta modificar sua composição, incluindo mais membros de fora do Ministério Público, com indicações do Congresso.