Dólar é impulsionado às alturas por causa do risco fiscal, diz economista


Rafaela Vitoria falou ao Poder EntrevistaSelic baixa não o principal motivo, disse

BC acerta em manter juros baixos, afirma

Renda Cidadã: furar teto é péssima ideia

Rafaela Vitoria é economista-chefe e coordenadora do departamento de Research do Banco InterReprodução

A economista-chefe do Banco InterRafaela Vitoria, 47 anos, avalia que o maior problema por trás da desvalorização do real hoje é a desconfiança do investidor estrangeiro em relação às contas públicas do Brasil. A moeda norte-americana fechou aos R$ 5,6, com alta de 0,6%. No ano, subiu 40%.

“A gente vem afastando, sim, alguns investidores. Acho que hoje é muito mais reflexo desse desajuste fiscal, das contas públicas, e das perspectivas para a trajetória de dívida, do que necessariamente o patamar da Selic”. Para ela, o Banco Central acerta em manter a taxa básica de juros no piso histórico: 2% ao ano.

Economista-chefe do Banco Inter, Rafaela falou ao Poder Entrevista. A conversa foi gravada na 5ª feira (23.out.2020), por videoconferência. Assista à íntegra (32min47s):

Na avaliação dela, o Brasil precisa implementar reformas econômicas para atrair o investidor externo e não subir os juros. No ano, os estrangeiros retiraram R$ 84,86 bilhões da B3, a bolsa de valores oficial do Brasil, sediada em São Paulo (SP). O número foi puxado pela pandemia de covid-19. Outros países emergentes também foram prejudicados com a saída de recursos de operadores internacionais.

“Parte da saída que a gente teve de investidores foi mais concentrada no pico da crise, de março e abril. Depois disso, a gente não vê muitas saídas do investidor estrangeiro. De fato, o dólar continua se valorizando frente ao real”, declarou. Os estrangeiros colocaram R$ 2,9 bilhões na Bolsa neste mês até 4ª feira (21.out), último dado disponível.

Leia abaixo trechos da entrevista:

A Bolsa superou o patamar de 100 mil pontos ao longo da semana. Há perspectiva de alta?

A gente vem acompanhando o movimento da Bolsa. Ao longo das últimas semanas ela vem refletindo 1 pouco mais essa percepção de aumento do risco –principalmente o fiscal. Isso levou o investidor a sair 1 pouco. A gente vê essa discussão sobre o orçamento com grande preocupação. São grandes dúvidas que a gente ainda tem, não só para o orçamento de 2021, mas para a trajetória dos gastos e da dívida pública brasileira. Esse aumento da percepção de risco tem feito a Bolsa ter uma maior volatilidade. Enquanto não tiver uma definição maior para esse risco, a gente não espera grandes movimentos na Bolsa e uma possível melhora como a gente viu nas últimas semanas. Também pode ter uma deterioração se o andamento da discussão sobre o orçamento não for positivo. Essa volatilidade de 90.000 a 100 mil é de se esperar até a gente ter uma definição melhor sobre 2021.

Começa a valer neste mês as novas regras das BDRs (certificados de ações estrangeiras). Como isso vai afetar a vida do investidor de menor porte?

As BDRs são recibos de negociação de ações que estão listadas na Bolsa lá fora. Elas já existem no Brasil há bastante tempo. Até então, só eram disponíveis para o investidor qualificado e o profissional –que é aquele investidor que tem altos volumes [R$ 1 milhão ou mais] ou é ligado a uma instituição financeira. A partir desta semana, começou a negociação do BDR na Bolsa para o investidor geral. O que muda? É mais uma opção que para diversificar a carteira. A gente acredita que é uma boa opção. Você tem acesso à uma empresa que não tem no Brasil, setores que não têm aqui, com o de tecnologia, o de saúde, que são bastantes desenvolvidos lá fora. Isso dá ao investidor a possibilidade de diversificar e se aproveitar do crescimento dessas empresas lá fora.
Por outro lado, as BDRs oferecem mais volatilidade. Além da volatilidade das ações, elas vão oscilar por causa do dólar. Lembrando, é 1 recibo em reais, mas está atrelado a 1 ativo em dólar. Quando o câmbio varia, esse recibo vai variar aqui também– independente da variação da ação lá fora.

Há perspectiva de mais pessoas entrarem na Bolsa ao longo dos próximos meses?

A gente já chegou a 3 milhões de investidores na B3 esse ano. É 1 número bem interessante. Mas é pequeno se você comparar com os mercados desenvolvidos. Tem outro mercado, que é o de fundos imobiliários, que tem mais de 1 milhão de investidores –crescimento de quase 100% em relação ao começo de 2019, por exemplo.
A gente vê 1 interesse maior do investidor por ativos que remuneram mais. Esse movimento vem dessa queda de juros que vem ocorrendo desde o ano passado. Esse é 1 caminho natural. A gente vê a taxa de juros baixas por 1 bom tempo. Para o investidor buscar 1 retorno maior, ele tem que correr atrás de retornos que estão atrelados ao risco.
Essa disponibilidade de BRDs é 1 ativo adicional para o investidor administrar sua carteira. A gente vê de maneira bastante positiva esse crescimento do mercado de capitais brasileiro. É fundamental para o crescimento da economia. Mostra uma maturidade do investidor no acesso a esses investimentos –saindo muito do tradicional CDB (Certificado de Depósito Bancário), renda fixa, poupança. Isso reflete 1 amadurecimento do investidor e do mercado.
Esses recursos na Bolsa, de uma certa forma, vão para investimentos. A gente vê muitos IPOs [oferta inicial de ações na Bolsa], fundos imobiliários. São recursos que são captados pelas empresas ou fundos para investimentos na economia real. Isso é muito positivo para o Brasil.

A gente vê uma entrada maior do investidor doméstico na Bolsa. Ao mesmo tempo uma saída do investidor externo. As taxas de juros estão no menor patamar histórico. Isso tem afastado o investidor externo e o dólar acaba subindo. Alguns economistas argumentam que o Banco Central errou na calibragem da taxa de juros e talvez seja necessário aumentar a Selic para atrair mais o investimento externo. Como avalia isso?

O Banco Central tem feito 1 trabalho assertivo do ponto de vista monetário, que é buscar a estabilidade da moeda. A gente hoje tem uma meta de inflação que é de 4% ao ano. Nos últimos 12 meses, o IPCA [índice que mede a inflação] subiu na faixa de 2% a 2,5% – então está bem abaixo da meta. O motivo pelo qual o Banco Central reduziu os juros foi esse processo deflacionário. A inflação já vinha caindo há bastante tempo. Essa situação foi ampliada pela pandemia, que fez uma suspensão da nossa economia por alguns meses. A gente teve IPCA negativo em abril e em maio. Com isso, o Banco Central tomou essa atitude, que, na nossa opinião é correta – de reduzir a Selic para estimular a economia e fazer com que a inflação volte a meta.

O mandato do BC não é estabelecer uma taxa de juros para equilibrar o câmbio. Nosso câmbio é flutuante e vai oscilar de acordo com a percepção de risco do investidor. Acho que vale pontuar: parte da saída que a gente teve de investidores foi mais concentrada no pico da crise, de março e abril. Depois disso, a gente não vê muitas saídas do investidor estrangeiro. De fato, o dólar continua se valorizando frente ao real. A gente vem afastando, sim, alguns investidores. Acho que hoje é muito mais reflexo desse desajuste fiscal, das contas públicas, e das perspectivas para a trajetória de dívida, do que necessariamente o patamar da Selic. Acho que não é patamar da Selic que vem influenciando o humor do investidor. Acho que o Brasil precisa implementar outras reformas para atrair o investidor externo e não subir os juros.

Quais reformas poderiam ser feitas para atrair mais o investidor externo e diminuir o câmbio?

O câmbio não vem necessariamente prejudicando a nossa economia. Obviamente, você tem alguns setores que importam matérias-primas e vem sentindo o aumento desses insumos. A gente vê reflexo no IGP-M, índice que reflete bastante as matérias-primas. Mas grande parte da nossa economia é doméstica, e fechada de certa maneira.
O câmbio mais desvalorizado vem beneficiando a indústria, que pode voltar a exportar. Vem, de fato, beneficiando nas exportações de commodities. Tem 1 pouco da importação, que compete com o nosso produto local. O câmbio desvalorizado neste ano tem sido benéfico para a economia de maneira geral porque vem ajudando o resultado positivo da balança comercial, que, por sua vez, ajuda bastante no balanço de pagamentos.
Agora, deve ser anunciado 1 superavit no mês de setembro, será o 6º mês consecutivo. A gente pode fechar o ano com o deficit zerado em conta corrente. É muito positivo para o Brasil não ter a necessidade de busca de dólares para fechar a nossa conta corrente.
De qualquer maneira, é muito importante atrair investidores estrangeiros. Quais as reformas? Acho que a principal dela é a administrativa, que passe por 1 bom controle dos gastos públicos– a principal dúvida do investidor hoje. A manutenção do teto com uma reforma administrativa pode dar uma segurança maior para o investidor do ponto de vista do risco fiscal brasileiro. A gente não descarta outras reformas que podem impulsionar o crescimento brasileiro. Por exemplo, a reforma tributária.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, propõe 1 microimposto de 0,2% sobre todas as transações financeiras e com isso desonerar parte da folha de salários para criar mais empregos. Seria uma boa ideia?

Essa não é uma boa ideia. A resistência não é só do Congresso. Existe uma resistência da sociedade. A gente teve 1 histórico de CPMF, que é 1 imposto em cascata, ineficiente. Obviamente, é 1 tributo muito eficiente do ponto de vista de arrecadação. Acho que esse é o grande interesse do governo. Se a gente precisa fazer uma reforma tributária, esse não é uma boa troca. O ponto da desoneração é 1 pouco interessante. Onerar a folha olha prejudica a recuperação do mercado de trabalho, que anda muito fraco.
A gente vem discutindo na reforma tributária uma desburocratização e a retirada do imposto que vai incidindo sobre a cadeia produtiva. Acho que a CPMF vai recompor isso. Faz pouco sentido. Uma boa reforma tributária tem que focar muito mais na tributação de renda, numa tributação mais progressiva e numa redistribuição através da proposta do IVA, CBS, que tributa de maneira igual produtos e serviços no Brasil e acaba 1 pouco com subsídios, desonerações específicas, com privilégios a setores. Acho muito mais importante uma reforma nesse caminho do que a criação da CPMF.

Um tema que tem preocupado os investidores é a criação do Renda Cidadã (ou Renda Brasil). O governo quer incluir parte da população que recebe o auxílio emergencial e os do Bolsa Família, que recebem, em média, R$ 190 por mês. O governo quer pagar para algo entre R$ 200 e R$ 300. Alguns economistas alegam que o governo deveria admitir a necessidade de mudar o teto de gastos, com uma melhor regulamentação, para a criação desse programa. Esse seria 1 caminho? Ou o governo não tem dinheiro para criar 1 novo programa social?

A criação de 1 novo programa social é necessária e fundamental. Apesar de o Bolsa Família existir há bastante tempo, ainda existem bastantes deficiências pelo Brasil –que foi deteriorada por causa da pandemia. E não vai se resolver de dezembro a janeiro.
O auxílio emergencial deu 1 volume bem significativo, que deve ajudar as famílias que o receberam ainda nos primeiros meses de 2021. A gente vê esse resultado no auxílio, tanto nas pesquisas da Pnad, que mostram 1 crescimento de renda familiar em algumas regiões do Brasil, como também os dados de poupança, captação bancária, aumento de liquidez das famílias, redução do uso do cartão de crédito, baixa inadimplência. Isso sinaliza que as famílias tiveram uma melhora de renda. É 1 reflexo que o auxílio foi bastante significativo. Talvez 1 valor acima do necessário para recompor a renda perdida com a pandemia. 

Tem alguma estimativa de qual seria o valor ideal?

A gente tentou fazer alguns cálculos e eu vi alguns estudos de que 1 valor próximo de R$ 200 a R$ 250 teria sido suficiente. Isso acabou fazendo 1 pouco de acúmulo de renda.
O ponto negativo é que a gente teve 1 deficit maior do que o necessário para passar por esse período de crise. O ponto positivo é que você dá para as famílias 1 certo colchão para entrar em 2021, mesmo quando terminar esse programa. Isso dá espaço para o governo pensar 1 pouco mais na criação de 1 novo programa.
O novo programa é importante de ser criado, mas ser criado com mais estudo. Qual o número de famílias que realmente precisa? Qual seria o valor ideal?
Eu não acredito que a gente não tenha espaço para esse tipo de programa e precisa crescer o gasto ou criar uma nova tributação. Está na hora de o Congresso fazer a difícil escolha do ponto de vista político que é: onde gastar.
A lei do teto é uma belíssima lei que vem mostrando para a sociedade que existe 1 limite para gastos. Se você gasta muito além, vai se endividar e vai ter problemas futuro. Hoje você não pode porque a lei não permite. Mas mostra que, se gastar mais ali, tem que tirar de outra fonte.
O governo junto com o Congresso terá que escolher qual o caminho seguir. O pior caminho, sem dúvida, é a criação simplesmente de 1 novo gasto fora do teto. Flexibilizar o teto dá uma sinalização muito ruim para o mercado sendo que dentro do orçamento poderia fazer amparo de despesas, salários acima do teto, programas sociais que não são revisados há anos e que tem uma ineficiente na sua formação. Existem ideias e propostas. A gente entende que a decisão política é bastante complexa.

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, vem sendo bastante criticado por investidores por “permitir” esse debate sobre aumento dos gastos públicos. O ministro é conhecido por ser liberal e defender a redução do Estado. Só que isso não vem acontecendo na prática no governo como se esperava. O mercado precifica uma saída de Guedes do governo ou uma perda de força do ministro? Ou o mercado ainda espera que ele consiga realizar as reformas ao longo do próximo ano e 2022?

Eu não faço essa leitura de o ministro ter mais força ou menos força. O ministro segue 1 discurso bastante coerente e consistente desde o começo. O que fica a desejar do lado do governo, não pessoalmente do ministro em si, é uma dificuldade de execução dessas propostas. A gente vê várias boas propostas que têm dificuldades de andamento no Congresso. São decisões políticas difíceis.
As privatizações, por exemplo, são reformas polêmicas. Isso é uma inversão de uma política fiscal que a gente por muitos anos no Brasil. É 1 modus operandi de Brasília, de crescer gastos e cobrir com mais impostos. Essa trajetória é complicada.
Por exemplo, teve uma onda de privatizações nos anos 90. Depois parou. Foram 15 anos sem nem discutir a palavra privatização. Eventualmente, fazia uma concessão de uma estrada, uma rede elétrica. Mas de privatização não se falava mais. Para voltar à pauta de privatizações precisa de todo 1 trabalho educacional com a população e com o Congresso. Não é 1 tema fácil.
Todas essas propostas de revisão de gastos esbarram 1 pouco nessa dificuldade política. O mercado tem observado que não vai ser tão fácil. Isso sim mudou. A gente tinha uma expectativa no começo do governo iria avançar em várias frentes. Essa foi uma certa decepção do mercado. Esse avanço não ocorreu. Agora a gente começa ver o que é possível.

Umas das medidas que vêm ganhando tração nos últimos dias é a articulação para a  votar o projeto de autonomia do Banco Central. Como avalia essa possibilidade? E o que mudaria para a população?

Essa é uma medida muito importante para o sistema financeiro. Na prática, hoje ela não mudaria nada porque a atuação do Banco Central que a gente vem convivendo desde o governo passado é muito positiva –praticamente independente e autônoma. Acho que o Banco Central ganhou bastante credibilidade com a aplicação da política monetária desde 2016.
No dia a dia não muda muita coisa para o brasileiro. Muda para o futuro porque estabelece regras e leis para a atuação do Banco Central. Você sabe que mudando o governo em 2022 não vai ter uma mudança de atuação do Banco Central para favorecer o governo porque a lei não vai permitir.

Há algumas indicações de que pode haver 1 repique inflacionário na virada do ano, principalmente pelo setor de alimentos e carnes. Como a senhora avalia isso? 

Há 1 comportamento da inflação bastante disperso. Os preços vêm subindo de maneira mais acelerada com essa alta recente de alguns produtos e commodities. […] Hoje as pessoas estão com a ideia de que a inflação está alta, mas ela não está. Na média, continua abaixo da meta do Banco Central. Os alimentos são considerados produtos voláteis, que têm altas repentinas e depois voltam a cair porque depende de oferta. Essa recente inflação de alimentos é o que a gente chama de choque de oferta. O produtor de arroz preferiu exportar por causa do dólar. E sobe o preço no mercado doméstico. Tem também o impacto das carnes. A gente está nesse período de entressafra, têm a seca, as queimadas e produção fica mais restrita.

A política monetária não consegue atingir esse tipo de inflação porque é choque de oferta. Não adianta subir juros que a inflação de alimentos não vai cair.

A taxa de juros deve ficar nesse patamar de 2% ao ano até quando?

A gente acredita que a taxa de juro deva ficar baixa pelo menos até meados de 2021. A gente não vê 1 comportamento inflacionário acelerando de forma significativa nesse período.

QUEM É RAFAELA VITORIA

Rafaela Vitoria tem 47 anos e é economista-chefe e coordenadora do departamento de Research do Banco Inter. Graduada em economia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), tem MBA pela Wharton School na Universidade da Pennsylvania e doutoranda em Finanças pela UFMG.

Já atuou como diretora de Wealth Management no Bankboston, coordenadora de análise e pesquisa na Kinea Investimentos, diretora de Corporate Ratings para América Latina na Standard and Poors e sócia-diretora de análise da Sonar Investimentos. Atualmente, é professora da pós-graduação da PUC-Minas e do Mestrado na Skema e Fundação Dom Cabral.