PSB retira candidatura própria e se coliga com José Raimundo do PT


Jeremias Macário

A executiva regional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) de Vitória da Conquista, durante sua convenção na noite do último dia 14 (segunda-feira), realizada no auditório da Câmara Municipal de Vereadores, anunciou a retirada do nome de Mozart Tanajura como pré-candidato a prefeito, para apoiar a coligação majoritária da chapa do PT que vai disputar a Prefeitura de Conquista com o nome de José Raimundo nas eleições de novembro.
Na abertura dos trabalhos pelo presidente regional André Ará, houve um momento de pesar pelo agravamento da saúde do companheiro Genivan Neri (um grande e histórico batalhador do partido), que se encontra hospitalizado depois de um acidente de carro nas imediações da Vila Mariana, entre Aracatu e Anagé. Todos desejaram um pronto restabelecimento do seu quadro e seu retorno à sua vida familiar.
Retrocesso e dificuldades financeiras
José Carlos, membro da diretoria do partido, fez uma retrospectiva sobre a inclinação da política no mundo atual, cujos governos, inclusive do Brasil, optaram por uma posição de viés extremista de direita, e que as forças progressistas precisam se unir para quebrar essa tendência hegemônica de retrocessos, citando os partidos de esquerda como uma alternativa para derrubar esse panorama de exclusão social e caos em que vivemos.
Com esse preâmbulo, José Carlos aproveitou para explicar a decisão que o partido tomou para, mais uma vez, marchar ao lado do candidato José Raimundo, visando unir forças para a coligação sair vitoriosa contra a reeleição de Hérzem Gusmão que, segundo ele, representa o retrocesso nos avanços conquistados pelo município nas políticas públicas.
No entanto, a problema financeira de poucos recursos na cota do Fundo Partidário que cabe ao PSB para Conquista, foi apontado por José Carlos e Gildelson Felício como um dos principais motivos para a retirada da candidatura própria na corrida à Prefeitura Municipal, embora boa parte dos pré-candidatos a vereadores tenha preferido caminhar com o nome de Mozart Tanajura, agora candidato a vereador.
Não vai apoiar e retirada de candidatura
O pré-candidato a vereador, Caio Coelho, por exemplo, foi bem enfático em seu pronunciamento quando discordou da coligação e disse que não iria apoiar o nome indicado pelo PT durante sua campanha. Por razões da pandemia da Covid-19, problemas financeiros e outros de ordem pessoal, o pré-candidato Jeremias Macário aproveitou a ocasião para em pública retirar o seu nome na corrida por uma cadeira na Câmara de Vereadores.
Em sua fala, sua posição foi bem clara quando defendeu uma candidatura própria para o partido, mesmo diante das dificuldades financeiras, como forma do PSB mostrar sua cara e firmar sua imagem socialista na sociedade conquistense. “Há muito tempo, tenho me colocado nessa defesa, principalmente no atual cenário político municipal e nacional, onde o PSB deveria demarcar seu lugar, apresentando suas propostas”.
Jeremias fez um tributo aos mais de 130 mil mortos de brasileiros pelo coronavírus; sugeriu que o partido fizesse uma declaração de protesto contra a destruição do meio ambiente que vem ocorrendo através das queimadas no Pantanal e na Amazônia por negligência proposital do governo federal para beneficiar os poderosos; e desejou boa sorte aos companheiros na campanha eleitoral.
Muitos outros candidatos a vereador, como Florisvaldo Rodrigues e Ricardo Marques disseram que o partido tem um bom quadro de qualidade para propor e criar mudanças avançadas e progressistas no âmbito político e social para a cidade de Vitória da Conquista.
Florisvaldo fez duras críticas à atual representação da Câmara de Vereadores, segundo ele, de baixo nível nas discussões, e que a Casa não exerce seu real papel de legisladora porque a maioria é despreparada para o cargo, prestando apenas a dizer amém ao que manda e faz o executivo municipal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *