Procurada pela polícia, Cristiane Brasil usou camisa amarela da CBF ao votar pelo golpe contra Dilma


Alvo de mandado de prisão nesta sexta-feira, a ex-deputada Cristiane Brasil, filha de Roberto Jefferson (PTB-RJ), usou uma camisa da CBF, ao voltar pelo golpe contra Dilma Rousseff. Na blusa, estava escrito “basta” em cima de uma mão com nove dedos, uma referência ao ex-presidente Lula, condenado sem provas no processo do triplex no Guarujá (SP)

Cristiane Brasil
Cristiane Brasil (Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados)

Alvo de mandado de prisão nesta sexta-feira (11), a ex-deputada federal Cristiane Brasil, filha do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), usou uma camisa da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), ao voltar pelo golpe contra Dilma Rousseff, em 2016. Na blusa, estava escrito “basta” em cima de uma mão com nove dedos, uma referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado sem provas no processo do triplex no Guarujá (SP).

“Há 11 anos atrás meu pai perdeu seu mandato porque disse a verdade, em homenagem ao meu pai, à verdade, à democracia, meu voto é sim”, disse ela ao justificar o seu voto pelo golpe.

A ex-parlamentar é alvo de mandado de prisão em uma investigação sobre supostos desvios em contratos de assistência social no governo do estado e na Prefeitura do Rio. Os contratos sob investigação, firmados entre 2013 e 2018, custaram quase R$ 120 milhões aos cofres públicos. O secretário estadual de Educação do Rio de Janeiro, Pedro Fernandes, foi preso.

O pai de Cristiane, ex-deputado Roberto Jefferson, é investigado no inquérito do Supremo Tribunal Federal que apura um esquema de propagação de fake news. O presidente nacional do PTB e atual aliado de Jair Bolsonaro foi um dos alvos de mandados de busca e apreensão da Polícia Federal (PF), em maio, após autorização do ministro da Corte Alexandre de Moraes.

A filha do ex-deputado votou pelo afastamento de Dilma sem crime de responsabilidade. A então presidente da República foi acusada de ter cometido as chamadas “pedaladas fiscais”, o que foi desmentido por uma perícia do Senado em 2016.

“Pela análise dos dados, dos documentos e das informações relativos ao Plano Safra, não foi identificado ato comissivo da Exma. Sra. Presidente da República que tenha contribuído direta ou imediatamente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos”, diz trecho do laudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *