Eduardo Bolsonaro entregou dossiê contra antifascistas aos EUA, diz deputado


O deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP) disse em depoimento à Justiça que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) entregou à embaixada dos Estados Unidos no Brasil uma cópia de um dossiê elaborado por Garcia que traz informações sobre centenas de pessoas associadas aos movimentos antifascistas. A informação foi dada pelo colunista Rogério Gentile, no UOL, e confirmada pelo Congresso em Foco.

Ao ser questionada sobre o depoimento, a assessoria do deputado estadual confirmou a informação e afirmou que o que foi dito  à Justiça não é novidade. Em junho, Douglas Garcia já havia dito que entregaria o dossiê às representações americanas no Brasil junto com Eduardo Bolsonaro.

Em um vídeo publicado no dia 2 de junho em suas redes sociais, Garcia afirmou que além de protocolar denúncias na Procuradoria-Geral da República e na polícia, encaminharia as informações à embaixada americana porque Donald Trump, presidente dos EUA, havia dito que reconheceria os “Antifa” como organização terrorista.

“Isso aqui é nada mais nada menos que a promoção de uma cultura de paz e segurança entre duas grandes nações. Entretanto, aos Antifas, eu acho que seu sonho de visitar a Disney, conhecer alguns lugares do EUA, ou comemorar seu aniversário lá, vai ter que mudar para Cuba, para a China, para a Coreia do Norte. Assinam comigo este ofício os deputados Eduardo Bolsonaro e Gil Diniz”.

Nesta segunda-feira (10), no Twitter, Garcia voltou a comentar o assunto.

Em resposta ao deputado estadual, Eduardo Bolsonaro escreveu: “Querem criar intriga entre nós. Meu total apoio aos Deputados Estaduais @DouglasGarcia e @carteiroreaca . A propósito, não sigo os Antas tem tempo”.

No depoimento ao qual o UOL teve acesso, o juíz do caso afirma que “a elaboração de dossiês não se relaciona com o exercício normal e regular do mandato legislativo, cujo titular deve se mostrar à sociedade prudente e equilibrado”.

Pela elaboração do dossiê, Garcia já foi condenado a indenizar uma mulher que teve seu nome e dados particulares inseridos nessa listagem de de antifascistas que, de acordo com postagens feitas pelo próprio parlamentar, seriam “terroristas”.