STJ nega prisão domiciliar a foragidos em 95% dos casos; nem todo Noronha é o grande Magalhães


Presidente do tribunal, João Otávio de Noronha, concedeu o benefício de prisão domiciliar a Márcia Aguiar, que estava foragida. Ela e o marido, Fabrício Queiroz, são investigados por “rachadinha”.

João Otávio de Noronha, Márcia Aguiar e Fabrício Queiroz
João Otávio de Noronha, Márcia Aguiar e Fabrício Queiroz (Foto: STJ | Reprodução)

Revista Fórum – As turmas do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negaram a concessão de prisão domiciliar a pessoas foragidos em mais de 95% dos casos. A pesquisa realizada pelo G1 leva em consideração apenas alvos de mandado de prisão preventiva.

De acordo com o levantamento, entre as 66 decisões sobre o tema disponíveis no sistema do STJ, somente três concederam prisão domiciliar aos investigados. Desses, somente em um o réu continuava foragido.

Leia mais na Fórum.