Vitória da Conquista: Embasa prejudica população ao dar “calote” em terceirizada há meses e serviço pode parar


A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) de Vitória da Conquista, localizada no Sudoeste Baiano há 505 km de Salvador estaria cometendo um verdadeiro “calote” em empresas terceirizadas ao não pagar os serviços de manutenção de redes e ramais de água e esgoto no escritório da unidade regional da cidade, apesar de o serviço não ter sofrido descontinuidade nem em meio ao não pagamento e também a pandemia do coronavirus.

A redação do site Candeias Noticias recebeu informações que a população de Vitória da Conquista e cidades da região começou a ficar ameaçada de paralisação do sistema de distribuição de água e tratamento de esgoto, podendo causar colapso nos próximos dias devido falta de repasse da Embasa as empresas. Em contato com uma dessas empreiteiras, recebemos a informação que a mesma tenta há quase 10 (dez) meses receber recursos de obras e serviços realizados. Mais de 28 municípios podem ser afetados caso não haja a regularização do pagamento contratual.

Se houver a possível paralisação, toda a população será diretamente afetada, o que pode piorar a gestão da crise sanitária enfrentada por tudo o mundo e que exige das autoridades públicas ações de proteção a saúde das pessoas, o que é o caso do fornecimento de água. Uma dessas empresas, a Projecon afirmou a nossa redação que os atrasos são inúmeros, mas que vem buscando dialogar com a Embasa para evitar os sérios transtornos à população, no caso de uma suspensão do serviço. Em nota, a empresa afirma que “já protocolou diversos ofícios em todos os setores responsáveis, solicitando uma reunião para solucionar a falta de pagamento dos serviços executados de forma a evitar o constrangimento junto a população que necessita” do serviço prestado.

Moradores de Vitória da Conquista e Região, além de funcionário da unidade local, em off, afirmam que essas empresas estariam sendo prejudicadas por gerentes do escritório regional, em uma prática de não respeitar os contratos com as terceirizadas. Um dos dirigentes da Embasa, reconhece que as empresas vêm tentando dialogo com Embasa, mas que haveria uma má vontade de alguns dirigentes na resolução dos problemas. “Algumas já tentaram a solução desde o mês de fevereiro, daqui da unidade eu posso dizer que os representantes nos procuram para de forma amigável receber os valores devidos pela Embasa, mas há algo estranho em alguns de nossos dirigentes de não querer resolver o problema” afirmou um fiscal da unidade.

Em 2018 a Embasa arrecadou R$ 2,9 Bilhões, tendo um lucro de R$ ‎R$ 393,2 milhões, que não justificaria o atraso. “Não conseguimos mais dialogar, e não conseguimos respostas do gerente da Unidade de Vitória da Conquista, Joselito Pires, nem do diretor regional, José Ubiratan, que se esquivam de se manifestar sobre o pagamento dos valores devidos a empresa PROJECON, apesar de apresentarmos todas as medições na forma do contrato” afirmou um dirigente da empresa.

Investimentos

De 2007 até 2019, a Embasa investiu R$ 504 milhões em Vitória da Conquista para contribuir diretamente para a melhoria nos índices apresentados ao longo de uma década. Deste volume de recursos, R$ 372 milhões foram aplicados em obras de abastecimento de água como os sistemas adutores de Catolé e Gaviãozinho e na construção da barragem do Catolé. Houve também ampliação e melhorias no sistema distribuidor, além de R$ 132 milhões aplicados em obras de esgotamento sanitário. Toda esse investimento pode estar sendo jogado fora, caso a empresa continue dando “calote” nas empresas terceirizadas, que são as responsáveis pelo trabalho nas ruas que levam abastecimento dos moradores, o que pode aumentar o numero de pessoas infectadas pelo coronaviurs, já que uma das principais medidas sanitárias é lavar mãos com água e sabão, além de manter locais limpos e desinfectados./alertabaiano