Bancada evangélica se irrita após Fachin sugerir punição a abuso de poder religioso


Parlamentares agendaram uma reunião com o ministro para o dia 5 de agosto, na volta do recesso, para debater o assunto

O ministro Edson Fachin, durante sessão do STF que julga como deve ser o rito de tramitação do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Congresso. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Foto: José Cruz/ Agência Brasil

 

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin irritou a bancada evangélica do Congresso, que nao gostou de sua declaração sugerindo autorizar a cassação de políticos por “abuso de poder religioso”.

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S.Paulo, o deputado Sóstenes Cavalcanti (DEM-RJ), ligado à Assembleia de Deus, disse que não há tal figura no ordenamento jurídico e que não se pode cercear a participação política de religiosos.

“Existiria também o ‘abuso do poder sindical’, ‘abuso do poder ruralista’ ou ‘abuso do poder ideológico’?”, questionou.

Uma reunião foi marcada pelos parlamentares com Fachin para o dia 5 de agosto, na volta do recesso, quando devem debater o assunto.