Conheça os números do coronavírus no Brasil e no mundo


Acompanhe os números da covid-19 no Poder360Poder360

Poder360 publica diariamente 1 relatório sobre a trajetória do coronavírus no Brasil e no mundo. Eis os dados do início desta 3ª feira (2.jun.2020).

NÚMEROS NO BRASIL

  • casos – 526.447 (+12.247 em 1 dia);
  • mortes – 29.937 (+623 em 1 dia);
  • recuperados – 211.080 (+4.525 em 1 dia).

MÉDIA MÓVEL

Os 2 gráficos a seguir mostram a média móvel dos últimos 7 dias de mortes e de novos casos diários. As curvas matizam eventuais variações abruptas.

SÃO PAULO

O Estado inicia flexibilização. As regras vigoram desde 2ª feira. Cabe às prefeituras adotar ou não o Plano São Paulo. É dividido em 17 regiões, com níveis de 1 (só serviços essenciais), em que está 90% do Estado, a 5 (retomada total com ações de higiene). A capital, na fase 2, preferiu esperar aval da Vigilância Sanitária.

A COVID-19 NO MUNDO

Até as 23h de 2ª feira, havia 6.366.193 infectados e 377.437 mortes em todo o planeta.

CURVA DE MORTES

Poder360 compilou os números em 8 países. A média móvel de mortes em 7 dias no Brasil é a 2ª maior no mundo.

CÁLCULO PROPORCIONAL

São 142 brasileiros mortos a cada milhão de habitantes. Há uma semana, eram 116.

Poder360 destaca fatos sobre o coronavírus nos países onde há maior número de infectados:

    • Estados Unidos – região oeste de Nova York deve passar hoje para fase 2 de reabertura. Nela, empresas com serviços “mais essenciais” e menores riscos de infecção voltam a funcionar, disse Cuomo. A capital pode entrar na mesma etapa na 4ª feira.
    • Rússia – deve começar a exportar na próxima semana o antiviral avifavir, usado no tratamento da covid-19. Países da América Latina e do Oriente Médio já fizeram pedidos. O CEO do Russian Direct Investment Fund, Kirill Dmitriev, afirma ser o “medicamento anti-covid-19 mais promissor do mundo”.
    • Espanha – não registrou mortes por covid-19 em 24 horas pela 1ª vez em 3 meses.
    • Reino Unido – em 6 semanas, a proporção de britânicos que confiam no governo para fornecer informações sobre a pandemia caiu 19 pontos –foi de de 67% para 48%. Foram contabilizadas 119 mortes de domingo para 2ª feira, o menor aumento diário desde 23 de março.
    • Itália – celebra hoje o Dia da República. Registrou 178 novos casos de domingo para 2ª feira, o menor acréscimo desde fevereiro.
    • França – permite hoje reabertura gradual de bares, restaurantes e cafés. Escolas reabrem nas zonas verdes, em que há menor circulação do vírus. Há restrições: reuniões podem ter, no máximo, 10 pessoas, e as mesas em locais públicos precisam ter 1 metro de separação.

AMÉRICA DO SUL

Poder360 destaca fatos sobre o coronavírus nos países onde há maior número de infectados no continente:

  • Peru – 8.310 policiais se infectaram com coronavírus. Desses, 96% estão recuperados. Recebeu a doação de 50.000 testes rápidos da Coreia do Sul. O ministro da Saúde, Víctor Zamora, disse que o país enfrenta “escassez de balões de oxigênio”.
  • Chile – índice de atividade econômica caiu 14,1% em abril em relação ao mesmo mês do ano anterior. Serviços e comércio puxaram a queda.
  • Equador – o presidente Lenín Moreno e seu vice, Otto Sonnenholzner, foram convocados para depor em uma audiência sobre medidas cautelares contra o Estado equatoriano. O povo indígena waorani acusa o governo de não ouvir o alerta sobre a disseminação da covid-19 em seu território.
  • Colômbia – em pronunciamento, o presidente Iván Duque declarou que o país verá uma “boa recuperação econômica” em junho. O mandatário decidiu que o IVA (imposto ao valor agregado) não será cobrado em 3 dias: 19 de junho e 3 e 19 de julho. Acredita que será 1 fator “de reativação econômica”.
  • Argentina – ao anunciar a construção de novo hospital de campanha, o presidente Alberto Fernández disse que “ninguém sabe por quanto tempo o vírus dura no corpo”. A 2ª parcela do auxílio emergencial do governo, de 10.000 pesos argentinos (R$ 782), chegará a 9 milhões de beneficiários. O prazo não foi divulgado.

O CORONAVÍRUS E A ECONOMIA

Poder360 compila a seguir os últimos levantamentos sobre como a pandemia afeta a economia:

  • combustíveis – venda em abril, de 8,83 bilhões de litros, foi 23% inferior à do mesmo mês de 2019. É o pior resultado desde 2008 (íntegra).
  • indústria nos EUA – Índice de Gerente de Compras, calculado pela IHS Markit, chegou a 39,8 em maio, em comparação a abril, quando registrou 36,1 (íntegra).
  • Estados Unidos – 57% preferem controlar a pandemia a retomar a economia. A taxa sobe para 81% quando se refere aos democratas, ante 27% dos republicanos (via Washington Post).
  • imóveis residenciais – valor de venda subiu 0,23% em maio em 50 municípios, com destaque para Curitiba (+1,05%), ante aumento de 0,2% em abril. O acumulado do ano está em 0,92% (íntegra).
  • crédito – número de concessões recuou 2,9% em abril em relação ao mesmo mês de 2019. A taxa de juros para operações caiu para 21,5% a.a, de março a maio (íntegra).