Uesb cria solução que combate parasita de abelha sem ferrão


Em até 24 horas, um enxame inteiro de abelhas sem ferrão pode ser extinto por moscas parasitas que invadem suas colônias. Comumente chamadas de “moscas cleptoparasitas”, esses inimigos naturais são uma das principais barreiras na criação das abelhas. E se uma solução homeopática puder combater esse parasita?

Pensando nisso, o grupo de pesquisa Abelha sem Ferrão da Universidade preparou o nosódio. Essa substância serve para o controle e combate desses parasitas, denominados de “Pseudohypocera kerteszi”, e é elaborada a partir do próprio agente causador. A pesquisa foi desenvolvida por meio do projeto de extensão “Criação Racional de Abelhas Sem Ferrão”.

De acordo com a bióloga Generosa Ribeiro, coordenadora do Projeto, as moscas utilizam o pólen, que é coletado pelas abelhas, para a sua alimentação e, ao infestar uma colônia, podem levar à sua destruição em até um dia. “A utilização do nosódio beneficiará a todos os meliponicultores, tendo em vista a facilidade na aplicação e o excelente retorno. Assim, a ampliação da criação das abelhas é importantíssima para a polinização das plantas nativas para manutenção da biodiversidade”, explicou.

Nesse sentido, a pesquisadora publicou uma Nota Técnica com o objetivo de contribuir com os meliponicultores da região e do país. Com isso “os meliponicultores poderão fazer o manejo de multiplicação e transferência de enxames sem se preocuparem com esses inimigos, que são o maior problema e que limitam a atividade”, pontuou Ribeiro.