DEM liderou maior esquema de candidatura laranja em 2018, indica investigação da PF; Partido do bem, mas o guarda-chuva sumiu


Foto: Divulgação / Reprodução / Folha
Foto: Divulgação / Reprodução / Folha

 

O Democratas liderou o maior esquema de candidatura laranja da eleição de 2018, segundo uma investigação da Polícia Federal revelada pelo jornal Folha de São Paulo nesta segunda-feira (25).

Uma mulher concorreu a deputada estadual no Acre e recebeu R$ 240 mil do Diretório Nacional do DEM. Ela declarou ter contratado dois coordenadores, alugado 15 automóveis, confeccionado santinhos e anúncios, além de ter 46 funcionários na campanha. Apesar disso, obteve somente seis votos.

A maior parte da receita declarada pela policial militar Sonia de Fátima Silva Alves foi repassada por uma transferência eletrônica assinada em 13 de setembro de 2018 por Romero Azevedo, tesoureiro nacional, e “A Magalhães NT”, o prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, ACM Neto.

A utilização de Sonia como candidata laranja teria sido feita para beneficiar o deputado federal Alan Rick (AC), segundo a PF.

Em nota, o DEM afirmou que “continua acompanhando os desdobramentos das investigações” e citou uma resolução, de 2018, determinando a transferência direta de verbas para a conta bancária de candidaturas mulheres justamente para evitar a utilização indevida.

“Os critérios, fixados após iniciativa do presidente nacional do partido, ACM Neto, foram estabelecidos para impedir quaisquer desvios desses valores por parte dos candidatos homens”, acrescenta o DEM.