Como as teorias pedagógicas estão influenciando no mercado da educação


A nova onda tecnológica e a chegada da industrialização 4.0 vêm mudando o mundo e o mercado de trabalho. Segundo dados do Laboratório de Aprendizado de Máquina em Finanças e Organizações da UnB (Universidade de Brasília) até 2026 mais de 30 milhões de vagas de emprego poderão deixar de existir. Esse impacto direto no mercado de trabalho gera uma busca de profissionais cada vez mais qualificados, levando assim à necessidade de capacitar os alunos de uma maneira mais moderna e tecnológica*.

Visando atender essa nova tendência, as escolas de educação básica estão buscando atualizar as suas metodologias para se tornarem mais adequadas à velocidade de mudança do mundo e do mercado de trabalho. As mudanças são e serão sentidas em todos os níveis, seja nas escolas de ensino básico até as de nível superior, uma vez que a tendência é que o conceito de graduação, com o passar do tempo, se renove de forma constante e contínua para acompanhar as novas tecnologias e necessidades do mundo.

Metodologias de ensino e readequação das escolas

Algumas antigas metodologias de ensino já conhecidas mundialmente estão sendo retomadas, com ou sem adaptação, pois atendem de forma mais adequada às necessidades do mundo atual.

O modelo pedagógico Montessoriano, que tem como princípio o aluno no centro do aprendizado e não mais o professor, como nas metodologias tradicionais de ensino, tem se expandido. Em contrapartida, o modelo tradicional onde o professor se posiciona à frente da turma e, de forma unilateral, expõe os conteúdos utilizando-se de um monólogo e de um quadro negro, tornou-se ultrapassado e necessita de mudanças.

Os novos modelos colocam o aluno como protagonista do aprendizado e o professor exerce a função de moderador, por meio do acompanhamento da jornada do aprendizado empírico, através de experimentos e contato com o mundo, estimulando a curiosidade e discussões entre os alunos que enriqueçam seus arcabouços.

Com tantas readequações metodológicas, tornou-se também necessário que os próprios ambientes escolares passem por uma transformação para promover a interação do aluno com espaços mais intuitivos, que estimulem a criatividade da criança para desenvolver o seu aprendizado.

Assim, acompanhando essa revolução do ensino, diversas novas escolas chegaram a São Paulo nos últimos quatro anos, muitas já contando com novos conceitos e métodos de ensino, dentre elas algumas internacionais, como a Avenues, Concept Brazil  e a The International School of São Paulo (GIS).

Cases

A escola GIS SP – The International School of São Paulo, abriu suas portas no segundo semestre de 2019, após quase um ano de investigações do mercado paulista elaboradas pela Urban Systems. No primeiro momento, realizou-se um estudo para identificação das regiões da cidade com maior oportunidade para este mercado, considerando o perfil sociodemográfico da cidade, a demanda existente e futura e o perfil das escolas concorrentes. Após o entendimento dos melhores locais para abertura da nova escola, realizaram-se estudos do potencial de mercado em cada região, estimando o tamanho da demanda potencial para seleção da área mais adequada.

Localizada em Moema, a nova escola de nível internacional baseia-se na metodologia denominada Reggio Emilia. Um pouco diferente do modelo Montessoriano, a pedagogia Reggio Emilia foi criada em 1945 na Itália do pós-guerra, quando as mães viúvas da guerra buscaram novos locais para educação de seus filhos, dada a destruição das antigas escolas da região. Assim surgiu esta nova pedagogia, focada na essência da criança como um sujeito extraordinário, dotado de capacidades e potencial para descobrir o mundo por si só.

Atualmente o método evoluiu mas continua com a base estabelecida, tendo o espaço como uma ferramenta fundamental no desenvolvimento das relações, comunicações e encontros, fatores definitivos para colocar a criança no centro do aprendizado. As salas de aula das escolas Reggio Emilia são consideradas tão ou mais importantes do que os próprios professores, promovendo estímulos para que o aprendizado vá além.

Outro estudo elaborado pela Urban Systems no setor de educação foi realizado para uma das mais tracionais escolas de São Paulo, o Colégio São Luís. Identificada a necessidade de atualizar sua metodologia de ensino para se adequar às novas tecnologias e demandas do mercado, o Colégio entendeu ser necessário mudar também sua estrutura física. O objetivo do estudo foi entender, sob a ótica da demanda, se seria mais interessante manter-se no endereço atual, com uma grande reforma, ou mudar-se para um novo endereço.

O diagnóstico apresentado resultou na decisão histórica da escola deixar seu tradicionalíssimo endereço na Av. Paulista (R. Haddock Lobo, 400) para construir uma nova sede, mais adequada aos tempos modernos e às mudanças no espaço urbano e da população de São Paulo. O novo local indicado pelo estudo, na Vila Mariana próximo ao Parque do Ibirapuera, permitiu que a instituição redesenhasse sua história e rumasse para um novo ciclo virtuoso, alinhado com o que há de mais moderno no ensino, não apenas no âmbito pedagógico como também de seu espaço.

Urban Systems conta com um grande espectro de serviços de consultoria para o setor de educação, em todos os seus níveis. De estudos de Market Share ou potencial de mercado, do entendimento das oportunidades de expansão ao mapeamento de novos mercados, conte com as soluções da Urban Systems para o planejamento de sua escola de ensino básico, complementar ou superior.

Leandro Begara, Sócio e Diretor de Inteligência de Mercado na Urban Systems.

*Fonte: https://bit.ly/2pBNH3U