Irmã Dulce é canonizada e se torna Santa Dulce dos Pobres


Missa começou às 5h10 e contou com uma liturgia específica para canonização

Foto: Reprodução/ TV Globo
Foto: Reprodução/ TV Globo

A baiana Maria Rita Lopes Pontes, Irmã Dulce, foi canonizada neste domingo (13), na praça São Pedro, no Vaticano, pelo papa Francisco e se tornou a primeira santa brasileira. Agora, Irmã Dulce passa a ser chamada de Santa Dulce dos Pobres.

A missa começou às 5h10 e contou com uma liturgia específica para canonização. O pedido formal para que cincos beatos fossem considerados santos foi feito pelo prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu.

Além de Irmã Dulce, foram canonizados o britânico John Henry Newman (1801-1890), a italiana Giuseppina Vannini (1859 -1911), a indiana Mariam Thresia Chiramel Mankidiyan (1876 -1926) e a suíça Marguerite Bays (1876 -1926).

A cerimônia teve a presença do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que representou o presidente Jair Bolsonaro, além do governador Rui Costa (PT), o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), políticos e autoridades baianas.

A causa da canonização de Irmã Dulce foi iniciada em janeiro de 2000. Com o início do processo, seus restos mortais, que desde 1992 (ano de seu falecimento) estavam na Igreja da Conceição da Praia, foram então transferidos para a Capela do Convento Santo Antônio, na sede das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), também em Salvador.