Após policlínica suspender atendimentos, Herzem Pereira diz que prefeitura está ‘impedida de pagar’


O prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão Pereira (MDB), comentou na manhã desta terça-feira (08) a polêmica envolvendo a Policlínica da cidade. Por falta de pagamento, os atendimentos na unidade foram suspensos. Segundo o emedebista, a razão é falta de dotação orçamentária e criticou a ‘inabilidade’ com que o consórcio tem tratado o tema.
Na verdade o Consórcio da Policlínica reúne 28 municípios que aderiram a iniciativa, 26 pagaram suas cotas, apenas os municípios de Vitória da Conquista e Itapetinga, propositalmente não pagaram as duas parcelas vencidas.
A habilidade do consórcio da Policlínica, é a mesma habilidade de qualquer consórcio comum, cobrar os inadimplentes e ao receber deste, a informação de que não pretende pagar, suspender o consorciado, não é possível que o município que possui a maior cota de gastos, seja sustentado pelos municípios menores, alguns dos quais com população menor que 5% da população de Vitória da Conquista.
Infelizmente o prefeito de Vitória da Conquista, se colocou contra o equipamento e, só aderiu porque os órgãos ligados à saúde do município por unanimidade aprovaram a adesão do município ao programa de saúde consorciado. Leia o que diz Pereira ao Política Livre em Salvador:
“Fizemos a adesão, fui voto vencido. Fecharam a nossa agenda e entendo que foi uma precipitação e uma indelicadeza. O orçamento de um ano é aprovado no ano anterior. Quando aprovamos a policlínica, não tínhamos a dotação. Vamos encaminhar de novo à Câmara. Estamos impedidos de pagar. Nãos se trata de má vontade, de represália, é uma questão técnica e rapidamente vamos contornar isso. Tem dois meses, não chega a R$ 200 mil. E a policlínica, de forma inábil, divulga ao Estado que nos recusamos a pagar. Não é verdade. Itapetinga está na mesma situação. Mas são detalhes que já estamos conversando”, disse ao Política Livre, durante a 76ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que acontece no Wish Hotel da Bahia, no Campo Grande.


A verdade entretanto, resiste no fato que todos os problemas burocráticos concernentes à Prefeitura de Vitória da Conquista, em relação a aprovação de orçamento, são os mesmos que atinge os outros municípios da Bahia e do Brasil, e, os outros municípios estão adimplentes.
O outro detalhe é que o prefeito de Vitória da Conquista mente no interior e mente na capital, pois, jamais encaminhou qualquer pedido de autorização para pagamento à Policlínica para a Câmara de Vereadores do município. Ademais, essa mesma Câmara, autorizou, e o fez por unanimidade, o prefeito a remanejar 20% por cento do orçamento no ano de 2019. Pereira, como é conhecido nos meios políticos da cidade, tenta consertar uma mentira, com outra mentira e, com isso se perde cada vez mais.

A Câmara Municipal de Vereadores de Vitória da Conquista, declarou que não recebeu qualquer solicitação de autorização oriunda da Prefeitura Municipal para autorizar pagamento à Policlínica.

veja o vídeo abaixo e tire suas conclusões: