Oposição de Esquerda (Padre Carlos)


Oposição de Esquerda
                        Em um período delicado em que a vida dos brasileiros é duramente atingida pelos efeitos da crise produzida pela irresponsabilidade deste governo que se instalou no Planalto – abalando, inclusive, a autoestima da sociedade e a confiança das pessoas em relação ao futuro – é fundamental que a oposição assuma também o seu caráter de contra ponto e um projeto alternativo que ofereça à população uma nova perspectiva, um novo olhar, um novo caminho que amplie os horizontes.  Por isto, não podemos aceitar as críticas do PDT e PSB de que nós somos refém do slogan “Lula Livre”. Queremos dialogar com os partidos de esquerda, mas não podemos esquecer nossa pauta que é a defesa do povo brasileiro e do seu patrimônio.
            Desde a posse do governo que aí está, temos reforçado a importância da oposição no quadro atual que se encontra o nosso país e a ameaça da venda das nossas riquezas conquistada ao longo dos anos, com muito esforço. Desta forma, este projeto está sendo alvo de desconfiança de grande parte dos brasileiros em decorrência do desmantelo moral e das ilegalidades que este governo representa.
            Nosso objetivo até a libertação do companheiro Lula, deverá está voltado para a construção de uma frente parlamentar de esquerda com: PT, PSOL e PCdoB que representam verdadeiramente a oposição orgânica no Congresso.     Com relação ao PSB e PDT são nossos aliados em determinadas pautas e em outras não. Já o centrão não tem nada de oposição. A pauta econômica deles é a mesma do governo. Eles têm até diferenças de método, mas não de conteúdo.
            Apesar das divergências, o PT precisa contar com os tradicionais parceiros na montagem de uma amplo arco de alianças para as eleições de 2020. Acreditamos que a disputa nas capitais e nas grandes e médias cidades, terá um caráter plebiscitária, com o eleitor fadado a escolher candidatos vinculados a Bolsonaro ou à esquerda ligado a Lula. 
     

       Sabemos que a tarefa é árdua e as dificuldades que encontraremos pelo caminho não serão poucas. Mas temos confiança de que, com a colaboração de todos aqueles que buscam uma frente de esquerda, chegaremos ao final das eleições com um acumulo de força para barra as políticas neoliberal. O importante é combater o avanço da extrema-direita. Será a disputa de uma agenda humanista contra uma autoritária, temos como elemento fundamental da identidade desta frente à campanha da libertação do companheiro Lula e temos certeza que alcançaremos o objetivo de transformá-la, verdadeiramente, em uma ferramenta de luta e resistência a este governo.

Padre Carlos