Lepra ou Hanseníase, também pode atingir crianças e adolescentes na Bahia


Só no ano passado, 1.997 novos casos foram notificados no estado

Só no ano passado, 1.997 novos casos foram notificados no estado

Créditos: Ministério da Saúde

A hanseníase é uma doença crônica e transmissível que ainda hoje circula na Bahia.  As características mais comuns são o aparecimento de manchas na pele que podem evoluir para a deformação de membros e até sequelas no sistema neurológico. Só no ano passado, 1.997 novos casos foram notificados no estado. O último levantamento da Secretaria Estadual de Saúde revelou que, do total de casos, 115 atingiram jovens e crianças. Diego dos Santos da Conceição, hoje com 23 anos, fez parte dessa estatística. Ele conta que percebeu a primeira mancha aos 10 anos, mas acreditava ter outra doença menos agressiva. O diagnóstico da hanseníase só veio seis anos depois.

“Uma mancha branca. Aí quando começou essa mancha, eu achava que era pano ou até outra coisa, mas quando eu apertava no local em que tinha a mancha eu não sentia dor nenhuma. Podia cortar até com uma faca que eu não sentia dor. Eu vim descobrir porque a minha família me mandou fazer o exame, porque estavam suspeitando que eu estava com algum problema já que eu estava com o corpo todo cheio de mancha. Aí já era no corpo todo, não era só as costas, a barriga, os braços, as pernas, o rosto… Não tinha um local do meu corpo que não tinha essas manchas.”

O jovem não imaginava que poderia estar contaminado, já que na época em que percebeu a primeira mancha, o pai, que teve a doença, já havia terminado o tratamento e estava curado. De acordo com a sanitarista do Grupo Técnico Hanseníase da Secretaria de Saúde da Bahia, Cristiane Ribeiro, a infecção, nesse caso, é explicada por conta da exposição prolongada da criança à bactéria.

“Quando começa a aumentar essa ocorrência em menores de 15 (anos), o significado é que a doença está sendo transmitida. Porque ela tem um período de encubação bem longo, podendo ser de até dez anos, então se uma criança de 2,3 ou 8 anos já está com sintomas da doença de forma que a gente consiga identificar, é porque tem muito tempo que ela está sendo exposta aos bacilos, que é o agente causador da doença. Então, se há uma criança doente, tem também ali um adulto doente que está contaminando.”

Créditos: Ministério da Saúde

A hanseníase é uma doença transmitida através de fluidos orais e das vias respiratórias, como nariz e boca, mas que precisa de um contato prolongado para ser transmitida. Por isso, se a pessoa tiver contato, por exemplo, com a bactéria apenas uma vez, ela não vai pegar a doença. Além disso, é importante lembrar que já a partir do início do tratamento, o paciente não transmite mais a doença.

Por isso, é essencial ficar atento aos sinais do seu corpo. Ao surgimento de qualquer mancha na pele que não tenha sensibilidade à dor, ao calor ou ao frio, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. A hanseníase tem cura e o tratamento está disponível gratuitamente no SUS. Por isso, não esqueça: identificou, tratou, curou.

Créditos: Ministério da Saúde

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *