Plano de saúde municipal é uma farsa; Prefeito quer inventar a roda


O SIMMP esclarece que não houve nenhum debate com a categoria sobre o PL enviado ao Legislativo Municipal para criação de um plano de saúde municipal.

Será que o nariz está crescendo?

Em 04 de abril, o Prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão Pereira, convidou os sindicatos que representam os servidores públicos municipais para apresentar o que seria a proposta do ‘plano de saúde’. Porém, nem mesmo a proposta do PL foi entregue na reunião.

Demonstrando claro flerte com regime antidemocrático, o prefeito iniciou sua fala impedindo que o representante de uma das entidades presentes filmasse o discurso (do prefeito), ainda restringiu o pronunciamento dos representantes, podendo usar a fala apenas os presidentes dos respectivos sindicatos.

No mesmo encontro, o Prefeito cerceou a fala do advogado do SIMMP, justificando que as observações e modificações ao PL seriam feitas com o legislativo. Presentes na reunião estavam o vereador líder da bancada de situação, Luiz Carlos Dudé, e o líder do Prefeito na Câmara, Jorge Bezerra, que se comprometeram discutir amplamente o PL com as categorias, o que não ocorreu.

Para tentar legitimar seu discurso sobre o ‘plano de saúde’, o prefeito sugeriu uma viagem a Feira de Santana, onde a prefeitura daquela cidade teria criado um plano de saúde municipal exitoso. Faria parte da comitiva os representantes dos sindicatos e membros do governo.

Em 22 de abril, a comitiva foi à Feira de Santana e o SIMMP descobriu que o prefeito de Conquista fez propaganda do que não existia. Os líderes sindicais e a equipe do Governo de Herzem ouviram de membros do executivo feirense que não havia plano de saúde municipal naquela cidade. O que existia era um convênio dos planos com os sindicatos locais, sendo o pagamento feito por meio do desconto em folha, como já existe na parceria firmada entre o SIMMP e os planos de saúde e odontológicos. Constrangida, ao se reunir com secretários da gestão feirense, a secretária de Governo, Geane Oliveira, alegou que houve desencontro de informações.

Em outra reunião, ainda na presença do executivo de Feira de Santana, Geane afirmou categoricamente que não há como o governo conquistense criar um plano de saúde. “Se a gente disser assim: a gente quer dar um plano de saúde pro servidor e a gente vai criar um plano de saúde. Isso não existe. A gente não pode nem sonhar, numa coisa dessa” , afirmou Geane.

O SIMMP retornou à Vitória da Conquista com a convicção de que o Prefeito e a sua equipe age com improviso, vende o que não sabe se existe e promete algo que sabe que não pode cumprir.

Para agravar a situação, alguns vereadores da base do executivo usam do discurso falacioso na tentativa de denegrir a imagem daqueles que realmente estão a serviço da educação; os legítimos representantes dos educadores municipais, os quais têm sido castigados pelo governo truculento, despreparado e destruidor.

O PL apenas coloca o executivo como ‘lobista’ de negociação entre as categorias e os planos de saúde. Em um tipo de parceria que já existe entre os sindicatos e os planos de saúde, pois o PL não garante subsidio algum para os trabalhadores da educação que estão com salários defasados, inclusive pelo não cumprimento da Lei por parte do executivo municipal.

O Prefeito quer inventar a roda, alegando que está fazendo algo inovador, e fazer propaganda eleitoreira tripudiando dos servidores.

O SIMMP exige que a Câmara Municipal debata o assunto de forma democrática com a categoria, que não admite ser utilizada como meio de palanque político do executivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *