Queiroz e as máfias dos donos do poder. Ninguém mais tolera a impunidade da velha ordem


Para o general Augusto Heleno, “Queiroz tem que dar explicação mais consistente”. Bolsonaro, que afirmou ter emprestado R$ 40 mil para ele, acrescentou: “Queiroz fazia rolo” (com carros?). Nove funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro transferiam dinheiro para a conta do Queiroz no dia dos pagamentos na Assembleia Legislativa do Rio. O dinheiro passou pela conta do Queiroz, conforme prova o Coaf. Moro salientou que o fato deve ser apurado. Mourão citou o “apurundaso” dos costumes do Exército: “apurar e punir se for o caso”.

O lenga-lenga do caso Fabrício Queiroz, leia-se, a demora para que tudo seja passado a limpo, tal como exige a sociedade civil, nos recorda Millôr Fernandes que dizia que “O Brasil tem [ainda] um enorme passado pela frente”.

Um desses passados consiste precisamente em não fazer valer a lei que manda investigar e, quando o caso, punir todos, todos (“erga omnes”), pouco importando se é nobre ou plebeu. Nós temos que romper a impunidade garantida pela velha ordem (colonial, patriarcal, escravagista, patrimonialista).

Enquanto os “rolos” do Queiroz não forem explicados, fica no ar a sensação de mais um “esquema rachid”, que ocorre quando alguns políticos ficam com parte dos salários dos seus funcionários.

O velho “esquema rachid” faz parte das máfias patrimonialistas dos donos do poder, que se caracterizam pela apropriação ou uso do dinheiro ou do poder do Estado para o enriquecimento particular. Confusão entre o público e o privado.

O caso Queiroz se tornou público a partir do Coaf, que tem direito de monitorar as contas bancárias do país sem autorização judicial. Os bancos automaticamente passam para ele as informações. Está na lei. Falar em autorização judicial nesse caso é um equívoco.

Muita gente critica as “garantias” constitucionais, mas quando é investigado todo mundo as quer.

Leia o artigo completo: 

https://bit.ly/2CUXy8M

O Professor Luiz Flávio Gomes luta em defesa da ética, da justiça, da cidadania e, principalmente, contra a corrupção. Colaborou na construção das 70 Medidas Contra a Corrupção, lançado pela Transparência Internacional. Escreve artigos, com análises jurídicas e políticas, postados em seu site pessoal (https://professorluizflaviogomes.com.br) e (facebook.com/luizflaviogomesoficial).

Seguem meus contatos:
11 98198-0105 (Celular e WhatsApp)

imprensa@professorlfg.com.br

Atenciosamente,

Davi Paiva
Assessor de Comunicação
Professor Luiz Flávio Gomes