Buraco é o melhor discurso do prefeito de Vitória da conquista


Buraco na porta principal do Colégio Adelmário Pinheiro
Buracos na Rua Maria Leal no Alto Maron

A buraqueira tem somado prejuízos imensuráveis a população e aos que visitam a cidade de Vitória da Conquista. Os problemas se repetem pelos quatro cantos da cidade e ainda não tem data para solução. O ex-prefeito Guilherme Menezes de Andrade entregou a sua gestão no dia 1º de janeiro (2017) com a compra do asfalto encaminhada, mas, por desconfiança Herzem Gusmão Pereira suspendeu a compra e abriu um pregão adquirindo o material por R$ 4 milhões.
Até essa data, e já em 2018, não se sabe o porque, a cidade continua repleta desses buracos que já fazem parte do folclore da cidade. Na avenida Brasil, no bairro PIB, a buraqueira é geral, dizem que a EMURC, só tapa os buracos reclamados pelo PIB, aos outros mortais restam apenas deixar Deus operar milagres.
Na última sexta-feira (13) me dirigindo de táxi ao centro da cidade, encontrei 28 buracos na av. Jorge Teixeira, apenas no perímetro ente o estádio Lomanto Júnior; até o colégio Adélia Teixeira, todavia, na rua da granja, encontrei apenas 3 e um quebra molas, comuniquei o fato ao secretário de Mobilidade Urbana, numa conversa pelo Whatsapp, ele retrucou- agora você conta buracos?- eu disse, estou ajudando o prefeito.

Campo de futebol com iluminação e alambrado, fruto da administração anterior, na atual, faltou merenda para os alunos

Curtindo meu período de repouso por ordem médica, quis dar um giro na cidade, fui até o Alto Maron, e nas proximidades da feira livre, pude verificar que a atual administração só tem tampa para as lixeiras, das feiras onde o PIB comparece, no Alto Maron, o povo que queixe ao bispo.
Mais adiante chego até o meu último colégio primário, onde estudei o quinto ano, lá em 1968, saudades da professora Minervina de Oliveira Freitas, infelizmente encontrei mais buracos e esse especial, ornamentado com um pneu, um autêntico criatório do mosquito da dengue, o povo do Alto Maron, bairro dos mais antigos da cidade com 30 mil habitantes, contribui para o PIB, mas o prefeito, acha que não, na sua cabeça medíocre o PIB, é composto apenas de ricos, não explicaram a ele que quem é rico, só pode sê-lo, porque tem pobre.