A história política foi marcada pelo determinismo de seus protagonistas


No mundo, no Brasil e na Bahia. Foram 176 anos de grandes transformações políticas, de idéias, de choques ideológicos, de revoltas, guerras e de duas grandes conflagrações mundiais que modificaram, substancialmente, o mapa geopolítico do planeta.

O Brasil acompanha a inquietude política. Experimentou o auge do Império e as adversidades da República Velha, uma marcante “Revolução” em 1930; a “redemocratização” em 1946 e novo corte institucional em 1964, até voltar à normalidade democrática. A Bahia viveu os traumas e as vitórias dessas transformações, e Conquista, por tabela, foi junto.

 

 

os-coroneis
Esses homens decidiram os destinos políticos, sociais e econômicos de Conquista

O primeiro Intendente Municipal de Conquista foi Luiz Fernandes de Oliveira. Quando no dia 09 de novembro de 1840 foi instalada a Vila e Município, com o nome “Imperial Villa da Vitória”, os conselheiros elegeram-no Presidente do Conselho Municipal (atual Câmara de Vereadores). Na época (do Império) o Presidente do Conselho tinha atribuições administrativas com o título de “Intendente”, que era o chefe do Executivo.

Depois de Luiz Fernandes de Oliveira (pai do coronel José Fernandes de Oliveira Gugé) até 1892, não se sabe quais foram seus sucessores. Embora haja na História um relato da eleição do capitão José Nunes Bahiense como eleito intendente para o período de 1861 a 1865. Uma grande luta política travada, ordens do governo estadual para manter o governo de Bahiense, mas não se sabe se foram obedecidas e também quem o sucedeu. ( mais adiante eu conto essa história)

Intendentes

No Regime Republicano, o primeiro Intendente Municipal foi o Cel. Joaquim Correia de Melo, eleito por um colegiado de cinco membros do Conselho Municipal. Governou de janeiro de 1892 a dezembro de 1895, confirmado no cargo pelo então Governador do estado J.M. Rodrigues Lima.

O segundo Intendente te foi o Cel. José Antônio de Lima Guerra, oficial da Guarda Nacional; era correligionário e seguidor político do Cel. Pompílio Nunes. Foi eleito intendente e governou de janeiro de 1896 a dezembro de 1899 e, nomeado, continuou no cargo durante o período de janeiro de 1900 a dezembro de 1903. O Cel. Gugé fazia-lhe oposição.

O terceiro Intendente foi Estevão José Santos Silva, empossado no cargo em 1904, governando o município no biênio 1904/1906. Sucedeu-lhe o Bacharel em Direito João Diogo de Sá Barreto, que governou de 1906 a 1908. Era genro de Cel. Gugé. Depois dele veio e Cel. José Maximiliano Fernandes de Oliveira, que governou até dezembro de 1911.

Depois de Maximiliano Fernandes, foi eleito pelo povo (em eleição realizada no dia 12 de novembro de 1911), o Cel. José Fernandes de Oliveira Gugé, que governou de janeiro de 1912 a dezembro de 1915. Sucedeu-o o seu genro Leôncio Satyro dos Santos Silva, que assumiu a Intendência em janeiro de 1916. No dia 03 de janeiro de 1919 (antes de completar o mandato de quatro anos) foi compelido a renunciar ao cargo, pela facção política oposicionista (os “Meletes” ), depois da luta Armada entre “Meletes e Peduros”. Substituiu-o o Cel. Francisco da Silva Costa, exercendo o cargo até a nomeação de Ascendino dos Santos Melo. A luta terminou no dia 22 de janeiro de 1919, consolidando a vitória das “Peduros”, nomeando, então, o Cel. Ascendino Melo para o cargo de Intendente, líder da facção, e apoiado pelo Governador Antônio Ferrão Muniz de Aragão, completando o mandato até dezembro de 1919.

Logo em seguida assumiu a Intendência Jesulindo de Oliveira em janeiro de 1920, ficando no cargo menos de um mês, voltando a Cel. Ascendino Melo, que terminou indo até agosto do mesmo ano, quando foi eleito pelo povo (como candidato único) para completar o biênio 1920/1921.

Sucedeu o Cel. Ascendino Melo, outro Cel., Paulino Fonseca, eleito para o cargo no dia 11 de novembro de 1921. Tomou posse em janeiro de 1922, renunciando o cargo meses depois. Substituiu-o Agripino da Silva Borges, para o biênio 1922/1923. Em seu lugar assumiu o Cel. Justino da Silva Gusmão, que dirigiu o município de janeiro de 1924 a dezembro de 1925. Em novembro de 1925 foi eleito o Cel. Paulino Fernandes dos Santos Silva, para o biênio 1926/1927. Em novembro de 1927 foram realizadas eleições municipais em todo o Estado, sendo eleito Intendente de Conquista Otávio José dos Santos Silva, que deveria governar de janeiro de 1928 a dezembro de 1931. Antes, porém, foi deposto pelos “revolucionários” adeptos do Movimento de Outubro de 1930. Assumiu provisoriamente o seu lugar Bruno Bacelar de Oliveira, sendo o último dirigente municipal com o título de “Intendente”.

Prefeitos

O primeiro prefeito de Conquista, depois da “Revolução” de 30, foi o chefe político local oposicionista e adepto do Movimento Getulista, o Cel. Deraldo Mendes Ferraz, nomeado para o cargo em novembro de 1930 pelo Interventor Federal na Bahia, Leopoldo Afrânio Bastos do Amaral. Administrou o município entre os anos de 1931 e 1932. Substituiu-o Arlindo Mendes Rodrigues, nomeado pelo então Interventor Juracy Magalhães, por indicação do Cel. Deraldo Mendes, em 1933. Governou até maio de 1936. Em 36, foi eleito Florentino Mendes de Andrade. Governou até novembro de 1937, quando houve o Golpe de Estado pelo presidente Getúlio Vargas, que instituiu o “Estado Novo”. Em seu lugar ficou Joaquim Fróis de Caires Castro, nomeado pelo novo Interventor do estado, General Antônio Dantas. Joaquim Fróis era o chefe do Integralismo local. Administrou até maio de 1938.

Nessa época desponta outra liderança política local, o Dr. Luiz Régis Pacheco Pereira, nomeado Prefeito pelo então Interventor Landulfo Alves de Almeida. Com a retirada de Getúlio Vargas da Presidência, no fim de outubro de 1945, pelas Forças Armadas, Régis Pecheco foi substituído pelo Juiz de Direito da Comarca, Dr. Eduardo Martins Daltro de Castro, nomeado pelo Interventor Bulcão Viana, sendo logo substituído pelo Promotor Público, Dr. Salvador Fernandes de Oliveira Santos em novembro de 45. Governou temporariamente até abril de 1946. Substituiu-o Antonino Pedreira de Oliveira, nomeado pelo Dr. Guilherme Marback, que estava na Interventoria do Estado na ocasião. Candidatando-se a prefeito afastou-se do cargo em maio de 46,sendo nomeado em seu lugar Izalto Ferraz de Araújo, que exerceu o mandato até abril de 1947. Eleito Antonino Pedreira reassumiu a Prefeitura em abril de 47 e governou até outubro de 1950. Em 03 de outubro de 1950 foi eleito Deputado Estadual.

Na década de 50 desponta outra liderança política loca l- Gerson Gusmão Sales, eleito prefeito em 03 de outubro de 1950. Tomou posse em abril de 1951, exercendo o cargo até abril de 1955. Na eleição de 03 de outubro de 1954, saiu vencendor o candidato de Gerson Sales, o Dr. Edvaldo de Oliveira Flores. Tomou posse em abril de 55 e exerceu o mandato até outubro de 58, quando foi eleito Deputado Federal. Assume Nelson Gusmão Cunha, então presidente da Câmara de Vereadores, terminando o mandato de Edvaldo flores, em abril de 59.

Gerson Sales Volta para o quadriênio 1959/1963

Em 58 surgiria a maior liderança na história da política conquistense, o engenheiro José Fernandes Pedral Sampaio, que foi eleito prefeito em outubro de 1962. Governou o município até 06 de Maio de 1964, quando ocorreu o Golpe Militar de março de 64 pelas Forças Armadas.

Em seu lugar foi nomeado o Dr. Orlando da Silva Leite, que era na época presidente da Câmara de Vereadores. No dia 30 de Junho de 64 foi confirmado no cargo. Assumiu a presidência da Câmara o Dr. José Gil Moreira. Pedral Sampaio foi afastado e decretado contra ele o “Impeachment”. Orlando Leite foi substituído pelo Dr. Fernando Ferreira Spínola, eleito em 15 de novembro de 1966. Governou até abril de 1971. Depois dele veio o Dr. Nilton Gonçalves, eleito em novembro de 70. Exerceu o cargo até 31 de janeiro de 1973, quando o candidato de Pedral Sampaio, Dr. Jadiel Vieira Matos, conseguiu quebrar a seqüência dos candidatos da então ARENA. Jadiel era do MDB e tomou posse no dia 31 de janeiro de 1973, governando o município até 31 de janeiro de 1977. Em 77 assumiu a Prefeitura o advogado Raul Carlos de Andrade Ferraz. Seu mandato terminaria em janeiro de 1981, porém, o presidente João Figueredo decretou em 1980 a prorrogação dos mandatos dos prefeitos e vereadores por mais dois anos, estendendo, portanto, seu mandato até 31 de janeiro de 1983.

1993 a 1996
1993 a 1996
1989 a 1991
1989 a 1991

Em agosto de 82 teve que deixar a Prefeitura para candidatar-se a deputado federal; a administração municipal ficou nas mãos de Gildásio Cairo que era vice-prefeito.

No dia 15 de novembro de 1982 foi eleito, depois de 20 anos afastado do cargo, o engenheiro Pedral Sampaio. Na mesma ocasião Raul Ferraz foi eleito deputado federal, juntamente com o advogado Elquisson Dias Soares (reeleito). Pedral governou até março de 1987, quando afastou-se do cargo para assumir a pasta da Secretaria dos Transportes no Governo Waldir Pires. Voltou em agosto de 88 e conseguiu fazer seu sucessor Murilo Mármore. Em 1º de janeiro de 1989 assumiu a Prefeitura estendendo seu mandato até 31 de dezembro de 1992. No dia 1º de janeiro de 93 reassumiu a Prefeitura Pedral Sampaio. Hélio Ribeiro administrou o município de março de 87 a agosto de 88, quando Pedral esteve na Secretaria dos Transportes do Estado.

2002 a 2004, 2005 a 2008
2002 a 2004, 2005 a 2008

Em 1º de janeiro de 1997, assume a Prefeitura o atual prefeito Guilherme Menezes, eleito por uma coligação gigantesca de partidos de esquerda e o PSDB. Em 2000, já com a reeleição aprovado Guilherme Menezes se torna o primeiro prefeito reeleito na história do município. Todavia deixa o cargo em 2002 para se candidata ao cargo de deputado federal, assume o comando do município o professor doutor José Raimundo Fontes, esse se candidata em 2004 e se reelege prefeito, governando até 2008, quando o deputado Guilherme Menezes vence as eleições de prefeito pela terceira vez. Em 2012, se candidata a reeleição e mais uma vez sai vitorioso, sendo até aqui o único político a se eleger por quatro vezes prefeito no município. Em 2016. Se elege prefeito de Vitória da Conquista o radialista Herzem Gusmão Pereira que deverá governar o município  de 1 de janeiro de 2017 a 31 de dezembro de 2020

1997 a 1999- 2000 a 2002- 2009 a 2011, 2012 a 2016
1997 a 1999- 2000 a 2002- 2009 a 2012, 2013 a 2016
eleito em 30 de outubro de 2016
eleito em 30 de outubro de 2016