Conquista, Minha Senhora

Ezequias Araújo e Carlos Jehovah O canto da mãe-da-lua gemeu carregado de maus presságios e o coração do guerreiro se armou para a luta. As águas do poço escuro tingiram-se de sangue e uma lua negra rodopiou sobre a tarde nervosa. Eh! Ehhhhhhhhhhhhhhhhhhh! Um grito de guerra pendurou-se no beiço da floresta, enquanto um enxame … Leia Mais


Transporte Coletivo: Relação incestuosa entre Prefeitura, Sindicato, Vanzeiros e Viação Vitória (Parte 12)

Por infelicidade da Viação Vitória, numa determinada madrugada, que não precisamos a data hoje, oficiais de justiça adentraram à garagem da empresa prestadora de serviço de transporte público para o município de Vitória da Conquista, teve seis dos seus veículos novos, conforme vídeo acima, arrestados pela Justiça, no intuito de garantia de pagamento de dívidas … Leia Mais


Transporte Coletivo: Relação incestuosa entre Prefeitura, Sindicato, Vanzeiros e Viação Vitória ( parte 11)

O transporte de passageiros por meio de peruas e vans passou a proliferar na década de 90. Conceituá-lo como “transporte alternativo”, constitui erronia, pois, na realidade, trata-se de transporte operado ao arrepio da lei, vale dizer, irregular e clandestinamente. Em Vitória da Conquista as “Vans” através de seus motoristas,começaram a agirem ao arrepio da lei, … Leia Mais


Transporte Coletivo: Relação incestuosa entre Prefeitura, Sindicato, Vanzeiros e Viação Vitória ( parte 10)

O transporte de passageiros por meio de peruas e vans passou a proliferar na década de 90. Conceituá-lo como “transporte alternativo”, constitui erronia, pois, na realidade, trata-se de transporte operado ao arrepio da lei, vale dizer, irregular e clandestinamente. Admitindo-se, ad argumentandum tantum, a existência de um de transporte opcional (expressão sinônima de alternativo: in … Leia Mais


Setor terciário: eixo dinâmico da economia conquistense?

De acordo com dados do Ministério do Trabalho (2007), o setor terciário é o que mais tem absorvido trabalhadores com carteria assinada, tanto em atividades pertencentes ao Circuito Superior – como IES, instituições bancárias, hospitais, clínicas, dentre outros – como atividades pertencentes ao Circuito Inferior – como vendedores ambulantes, Mercado de Artesanato, comércio varejista, salões … Leia Mais


Transporte Coletivo: Relação incestuosa entre Prefeitura, Sindicato, Vanzeiros e Viação Vitória ( Parte 9)


O transporte público no Brasil está cada vez mais caótico, com más administrações, a população vem sofrendo cada vez mais com as políticas relativas a esse setor, que afeta o humor dos brasileiros e conquistenses.
Ônibus velhos sucateados, veículos do século passado em algumas regiões, quando se visa, exclusivamente o lucro, sem qualquer responsabilidade social, essa cabe ao poder público , concedente do serviço fiscalizar, mas apenas finge que o faz.
Na cidade de Vitória da Conquista, vários acidentes com ônibus coletivo urbano aconteceram, até culminar com o desprendimento de duas rodas de um veículo pesado, em plena via pública, poderia ter acontecido uma tragédia que ceifasse uma vida humana. Com esse acontecimento reportado pelos blogs e discutido nas redes sociais, o governo letárgico fingiu tomar uma atitude.
Pasmem senhoras e senhores, no mesmo dia da tragédia anunciada há mais de um ano, a Prefeitura de Vitória da Conquista, promoveu um espetáculo pirotécnico, e fez uma intervenção branda na Viação Vitória, protagonista de vários acidentes envolvendo a conservação dos seus veículos na cidade. Com quase todos os servidores da Secretaria de Mobilidade Urbana do município, o Coronel Esmeraldino Correia, chefe da Secretaria, ordenou o lacramento de 29 veículos da empresa citada, quantidade correspondente a 40% da frota; todavia, nenhuma providencia foi tomada para servir a população que, teve diversas linhas suprimidas do sistema de transporte.
O detalhe interessante é, que as rodas que se soltaram do veículo, estavam sem qualquer condição de uso, (pneu liso) esse detalhe é corroborado por outro, essa mesma secretaria, diz ter promovido uma intensa fiscalização nos ônibus das duas empresas, que servem aos passageiros da cidade, dez dias antes do ocorrido. Demonstrando claramente que não houve fiscalização alguma, mesmo porque, o estado dos pneus dos veículos, nos remete a um período de tempo, não inferior há seis meses.
Isso nos faz crer que o poder público, não é só letárgico , mas antes de qualquer coisa, irresponsável com as vidas dos usuários do sistema, que nada mais nada menos, são os representantes do proletariado da cidade, aqueles que exercem as funções mais duras e cansativas da economia do município e no mínimo deveriam ter o conforto correspondente ao valor pago para utilização do transporte público.

Prefeito dá legalidade sem lei, ao transporte clandestino

Foto: Divulgação | PMVC

Na reportagem abaixo, o blog do Anderson informa que o prefeito Pereira recebe seus apoiadores nas eleições de 2016 e promete uma fatia das linhas de transporte urbano

A partir dessa segunda-feira (23) as vans não poderão mais circular no Terminal Urbano de Vitória da Conquista, localizado na avenida Lauro de Freitas. A medida anunciada na última semana pegou os vanzeiros de surpresa, tendo em vista que a categoria recebeu a promessa de legalização do sistema e atuou ativamente nas últimas Eleições 2016 quando o prefeito Herzem  Pereira derrotou o petista José Raimundo Fontes em segundo turno. “Já estamos trabalhando para regulamentar o transporte complementar e vamos agilizar esse processo”, afirmou o prefeito Herzem Pereira. Durante reunião com motoristas clandestinos, o alcaide peemedebista esclareceu as dúvidas sobre a mudança e ouviu sugestões dos membros da Associação do Transporte Alternativo (mais…)


Transporte Coletivo: Relação incestuosa entre Prefeitura, Sindicato, Vanzeiros e Viação Vitória ( Parte 8)


É de fundamental importância nas cidades, o transporte público coletivo, no qual várias pessoas são transportadas juntas em um mesmo veículo. Nesse bojo deixa de ser um termo acessório ao povo, se ternando um termo essencial e integrante, principalmente na vida dos menos afortunados.

Nas cidades grandes, o transporte coletivo urbano, também tem a função de proporcionar uma alternativa de transporte, em substituição ao automóvel, visando à melhoria da qualidade de vida da comunidade ,mediante a redução da poluição ambiental, congestionamentos, acidentes de trânsito, necessidade de investimento em obras viárias e caras, consumo desordenado de energia, enfim, mobilidade em geral.

Rodas de ônibus se soltam durante percurso com passageiros em Vitória da Conquista

Fotos: BLOG DO ANDERSON

Um ônibus do Transporte Coletivo Urbano de Vitória da Conquista um dos conjuntos de rodas, na manhã desta quinta-feira (22), durante o trajeto no acesso à avenida Lauro de Freitas.

O veículo da Viação Vitória se aproximava do Terminal Urbano quando duas das duas seis quatro rodas traseiras se desprenderam. De acordo com internautas do BLOG DO ANDERSON, os passageiros que estavam dentro do ônibus, tiveram de seguir a pé até o Terminal onde embarcaram em outra unidade.

O transporte público é, assim, imprescindível para a vitalidade econômica, a justiça social, a qualidade de vida e a eficiência das cidades modernas. Por isso entre outras coisas, que mesmo sendo uma concessão dos governos municipais, as empresas que operam o serviço de transporte urbano, não possuem autonomia administrativa, no tocante a escolha de linhas de trajeto, ou quantidade de veículos a serem colocados a disposição da população, esse trabalho embora efetuado pelas concessionárias, são de responsabilidade fiscalizatória da Prefeitura Municipal.

A Prefeitura Municipal fiscaliza desde o cumprimento dos horários de saída e retorno dos veículos em cada linha, como também fardamento do pessoa, além de toda fiscalização pertinente a um veículo para que trafegue com segurança e garanta qualidade ao usuário, inclusive realizando pesquisas de satisfação junto aos usuários, ao menos duas vezes por ano, visando a melhoria do serviço. Na verdade, deve fiscalizar rigorosamente, nem sempre o faz.

O crescimento das cidades têm refletido no tempo que as pessoas demoram em ir de casa ao trabalho. O Censo de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), perguntou aos brasileiros, pela primeira vez, o quanto demora esse percurso e descobriu que, para 52,2% da população, ele leva em média, de seis a 30 minutos. Quem vive em unidades da Federação mais desenvolvidas e populosas, a exemplo de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, porém, costuma levar, em média, mais de uma hora para chegar ao trabalho ou retornar á sua casa. Coisa irracional e desrespeitosa ao cidadão brasileiro.
O futuro deve pertencer ao transporte público de qualidade e acessível a todos. Para que isso aconteça será necessária uma mudança da mentalidade e a aceleração na realização de obras que privilegiem o uso do transporte coletivo, como meio de deslocamento e, que o uso de carros particulares seja secundarizado. Para o bem de todos nós e das futuras gerações, é necessário que os programas de governo pensados, repensados e expostos nas campanhas eleitorais, sejam postos em prática.

Tocador de áudio

Em Vitória da Conquista, esse problema começou a ser melhorado a partir de 1998 quando, se fez um estudo sobre transporte coletivo e dividiu-se a cidade em dois lotes de linhas e se tentou a realização de uma licitação para que empresas, estruturadas e experientes operassem o sistema, os partidos contrários ao governo da época, não permitiram a realização da licitação e essa se arrastou até o ano 2000, quando foi possível uma organização, ainda que pequena.
Em 2014, foi realizada uma nova licitação e duas empresas começaram a operar o sistema, sob um rígido controle estatal, uma das empresas entretanto, já demonstrava fadiga, se trata da “Viação Vitória” que já explorava o serviço há 10 anos, a outra porém, fez a cidade conhecer 80 ônibus zero quilômetro, fato jamais ocorrido na história do município.
Essa disparidade de comportamento das empresas, gerou uma série de atitudes políticas que danificaram o sistema, principalmente porque o edital exige renovação da frota e isso, não era possível à uma das empresas, exatamente pela falta de capital para investimento.

Foto: BLOG DO ANDERSON

O Ônibus 8090 da Viação Vitória quebrou durante um percurso na Zona Sul de Vitória da Conquista. Conforme o BLOG DO ANDERSON registrou, o veículo permaneceu estacionado na Avenida Juracy Magalhães, logo após a Churrascaria Trilhas do Sul, no início da tarde desta sexta-feira (23). De acordo com informações colhidas pelo BA, uma pane no sistema de embreagem pode ter provocado esse transtorno.

Em 2016, depois de desistir das ideias de VLT e BRT, o atual prefeito partiu para uma campanha tosca, abraçando as carências de uma empresa em detrimento da outra, com sua inteligência curta, não teve como entender que não se tratava de empresas, mas sim no conjunto da obra, que o sistema poderia ter várias empresas, todavia apenas um maestro com uma batuta, nesse caso, vencendo essa eleição, aprenderia na dor, que a música vai além da clave de Sol. (mais…)


Transporte Coletivo: Relação incestuosa entre Prefeitura, Sindicato e Viação Vitória ( parte 8)


É de fundamental importância nas cidades, o transporte público coletivo, no qual várias pessoas são transportadas juntas em um mesmo veículo. Nesse bojo deixa de ser um termo acessório ao povo, se ternando um termo essencial e integrante, principalmente na vida dos menos afortunados.

Nas cidades grandes, o transporte coletivo urbano, também tem a função de proporcionar uma alternativa de transporte, em substituição ao automóvel, visando à melhoria da qualidade de vida da comunidade ,mediante a redução da poluição ambiental, congestionamentos, acidentes de trânsito, necessidade de investimento em obras viárias e caras, consumo desordenado de energia, enfim, mobilidade em geral.

Rodas de ônibus se soltam durante percurso com passageiros em Vitória da Conquista

Fotos: BLOG DO ANDERSON

Um ônibus do Transporte Coletivo Urbano de Vitória da Conquista um dos conjuntos de rodas, na manhã desta quinta-feira (22), durante o trajeto no acesso à avenida Lauro de Freitas.

O veículo da Viação Vitória se aproximava do Terminal Urbano quando duas das duas seis quatro rodas traseiras se desprenderam. De acordo com internautas do BLOG DO ANDERSON, os passageiros que estavam dentro do ônibus, tiveram de seguir a pé até o Terminal onde embarcaram em outra unidade.

O transporte público é, assim, imprescindível para a vitalidade econômica, a justiça social, a qualidade de vida e a eficiência das cidades modernas. Por isso entre outras coisas, que mesmo sendo uma concessão dos governos municipais, as empresas que operam o serviço de transporte urbano, não possuem autonomia administrativa, no tocante a escolha de linhas de trajeto, ou quantidade de veículos a serem colocados a disposição da população, esse trabalho embora efetuado pelas concessionárias, são de responsabilidade fiscalizatória da Prefeitura Municipal.

A Prefeitura Municipal fiscaliza desde o cumprimento dos horários de saída e retorno dos veículos em cada linha, como também fardamento do pessoa, além de toda fiscalização pertinente a um veículo para que trafegue com segurança e garanta qualidade ao usuário, inclusive realizando pesquisas de satisfação junto aos usuários, ao menos duas vezes por ano, visando a melhoria do serviço. Na verdade, deve fiscalizar rigorosamente, nem sempre o faz.

O crescimento das cidades têm refletido no tempo que as pessoas demoram em ir de casa ao trabalho. O Censo de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), perguntou aos brasileiros, pela primeira vez, o quanto demora esse percurso e descobriu que, para 52,2% da população, ele leva em média, de seis a 30 minutos. Quem vive em unidades da Federação mais desenvolvidas e populosas, a exemplo de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, porém, costuma levar, em média, mais de uma hora para chegar ao trabalho ou retornar á sua casa. Coisa irracional e desrespeitosa ao cidadão brasileiro. (mais…)


Morre o jornalista Sérgio Fonsêca: Velório acontece agora na Capela do Cemitério Parque da Cidade


Faleceu Sérgio Mário Fonseca. Jornalista, de 80 anos de idade, foi chefe da Sucursal do Jornal A Tarde em Vitória da Conquista; Barreiras e Eunápolis Ele fale Morreu em sua residência, na Vila Serrana, bairro Zabelê, na manhã desta quinta-feira (22). Vítima de infarto fulminante, Logo ao saber da triste notícia, diversos amigos, entre eles Jeremias Macária e Lídice Félix, foram até a casa onde Sérgio viveu. Ainda não temos informações sobre velório e sepultamento.
Sérgio foi um grande batalhador, foi um grande amigo que tive, eu ainda gerente dos Correios em Vitória da Conquista, fui convidado por ele a escrever no jornal ” A tarde”, todavia a ditadura militar que o país vivia, proibia funcionário público federal expressar opinião na Imprensa, não pude aceitar, fizemos entretanto muitas matérias juntos, sem ninguém saber, fui seu advogado e compartilhei com ele a filiação dos companheiros conquistense na Associação Bahiana de Imprensa, nesse momento já estava livre dos Correios. Viajamos juntos algumas vezes em busca do fortalecimento do sindicato dos Jornalistas no interior, mas ele sempre mais interessado e disposto, do que eu, na verdade explorava, sua cultura e inteligência, Sérgio falava 5 idiomas, inclusive russo. Por ironia do destino, ele que me convidara para escrever no jornal que representava, acabou como colunista do meu jornal “HOJE”, assim como do  BLOGDOPAULONUNES
Tinha Lídice Félix, como sua amiga maior, e sempre me falava dos cafés matinais que juntos tomavam, enquanto analisavam as coisas da política, pela manhã era sempre difícil eu sair de casa e perdi esses momentos bons com os dois. Sempre me espelhei em Sérgio nos meus trabalhos jornalísticos. era um grande homem, não só no tamanho, mas principalmente na inteligência. Que descanse em paz meu amigo. Infelizmente não poderei comparecer ao velório, veja que ironia, estou proibido de me emocionar, recomendação médica em função do AVC por mim sofrido, mas reza à Deus por sua alma amigo.

O sepultamento do jornalista, ocorrerá as 11 horas de  hoje (23) no Cemitério Parque da Cidade, o velório ocorre nesse momento na Capela  do próprio Cemitério


14 de março de morte: o mundo fica mais pobre em generosidade. Adeus, Sebastião Castro


No Blog do Paulo Nunes é publicado que o médico Sebastião Rodrigues Castro, de 78 anos, sofreu um infarto no final da tarde de terça (13 de fevereiro), foi submetido a um cateterismo e na manhã de quarta-feira, 14, sofreu uma parada cardíaca. Após várias tentativas de reanimação pelo corpo clínico do hospital SAMUR, Dr. Tião veio a óbito. Sebastião Rodrigues Castro nasceu em 20 de janeiro de 1940, em Ribeira do Pombal, e foi trazido pela família para morar em Vitória da Conquista em 1947. Ortopedista e traumatologista, Tião formou-se na Faculdade de Medicina da UFBA, em 1965. Em 1967, ele passou a trabalhar em Vitória da Conquista, na Santa Casa de Misericórdia onde, junto com Jadiel Matos e outros médicos idealizaram a construção do hospital SAMUR. Em 1971, o SAMUR foi inaugurado. Mesmo aos 78 anos, Tião como era carinhosamente chamado, trabalhava todos os dias. Sebastião Castro disputou três eleições para prefeito em Conquista, sendo a última em 1988. Foi eleito deputado estadual por duas, sendo líder da bancada da situação do governador Nilo Coelho, em 1990, com quem compôs a chapa como candidato a vice-governador. Sebastião Castro, que conseguia ler três livros ao mesmo tempo, embora adversário político de José Pedral (ex-prefeito de Conquista), era também seu médico. Pura civilidade.

Dr. Tião operou meu braço esquerdo (de José Bomfim, o Bomfimbrown deste blog) em 1971, período em que foi meu professor de Biologia no Colégio Batista Conquistense. No anos 1990, então deputado e líder da situação, foi por mim – na época jornalista de política em A TARDE – entrevistado várias vezes. Um privilégio ter convivido com figura tão pacífica e civilizada.

Leia a excelente crônica do jornalista, amigo-irmão, Paulo Bina:

Tião Castro foi o parlamentar melhor intencionado que conheci em 30 anos de ALBA. Desculpe o trocadilho, era sebastianista. Gostava de ver acontecer, nunca se limitando a permanecer passivo, à base de discurso, conciliábulos, ou acertos partidários de bastidores.

Colocava a mão na massa incansável. Também sempre preocupado com o porvir, com a história – sobre o quê ficaria de cada um para as próximas gerações. Afinal como os novos saberiam quem eram aquelas 63 pessoas? O que pensavam, fizeram? Qual o legado?

Secretário geral da Constituinte, líder da oposição contra o forte governo de ACM foi um exemplo de praticidade e competência. Show de bola, a que se somou a correção absoluta. A toda prova.

Chegou rico, otimista e cheio de ideias novas numa Casa talhada para o imobilismo, para não funcionar… Ou melhor, funcionar quando interessar ao governo de plantão.

(mais…)


Grandes nomes da nossa história: Carlos Jehovah


Carlos Jehovah

Nasceu em Vitória da Conquista a 7 de novembro de 1944. Filho de José Alexandre Leite e Valdívia Gondim Leite. Assume uma postura de inconformismo diante do movimento cultural de sua terra.Sua poesia extrapola as fronteiras do lugar comum para buscar expressão própria. Vê-se nele, em primeiro plano, o teatrólogo e o poeta, além de grande incentivador cultural.

Bibliografia:” Cicatrizes” e “Quotidiano”. Escreveu em colaboração com Esechias Araújo Lima: Auto da Gamela, publicado pela Livraria José Olympio Editora, “Ciranda dos Ofícios”, “Águas do Meio-Dia”, “Epístolas dos Cavalheiros do Sol” e “Vesperal de luas”.

Fuad Maron, Adilson Soares, Geraldo Dantas, Nádia Moreira, José Matos Júnior, José Zélio Passos, J.R. Mascarenhas, Alberto Heráclito Filho, Ulisses do Prado Nogueira, Mariângela Borba Santos e Edmilson Ferreira Macedo, Edson Luiz, todos com um ou mais livros publicados.

A prosa, menos cultivada em Conquista, está representada, principalmente, nos romances “Fundão”, “Teresa” e Mocororó”, de Adson da Silva Costa, nas obras de Heleuza Figueira Câmara:” Mulheres Acorrentadas”, “Cartas na Mesa”, “Outubro 4º Grau” e “Fantasias Serrana” e Zair Dantas Moreira.

A crônica e o canto são gêneros pouco cultivados em Conquista, destacando-se entre outros, Cid Ferraz, Elói Geraldo Viana que dedica ao conto regional, Aloísio Pereira, Nando da Costa Lima, Adilson Soares, Iracema Lima e Silva e Vicente Cassimiro, inspirado poeta e estudioso da Filosofia Oriental.

A Historiografia tem seus cultores nas figuras de Bruno Bacelar de Oliveira, Aníbal Lopes Viana, autor da Revista Histórica da Conquista, Ruy Bruno Bacelar, Israel Orrico, Ulisses do Prado Nogueira e, sobretudo, em Ruy Medeiros, ensaísta e historiador dos melhores que possui a Bahia atualmente


ATUV: Carta aberta aos conquistenses sobre a falência do transporte público


O Transporte clandestino é uma realidade que se aprofundou no Brasil desde 1990. Chamá-lo de “transporte alternativo” é um eufemismo, pois, na realidade, trata-se de um transporte nascido, crescido e mantido à margem da lei, que deve ser encarado como assunto de segurança pública, antes de qualquer discussão. Além de expor em risco a sociedade e acarretar prejuízos financeiros às empresas de ônibus, as vans subtraem direitos de minorias. Os direitos de crianças, idosos e Portadores de Necessidades Especiais (PNE), direitos personalíssimos a ser exercido pelos consumidores, ficam a descoberto com o transporte dito “alternativo”.
É sabido por todos que os “vanzeiros” não respeitam e nem vão respeitar tais direitos, seja pelo costume da vivência na clandestinidade, seja pela inviabilidade financeira de se cumprir todas as regras, como eles mesmos já se queixam. Essa é uma realidade que não pode ser desconsiderada agora, sob o risco de se tornar uma “bola de neve” de problemas para toda a sociedade.
As consequências da falta de controle do transporte clandestino são sentidas de forma mais dramática hoje por passageiros, funcionários e gestores da Viação Vitória, que representa apenas a ponta do iceberg de um problema que tem raízes encravadas no fértil terreno da clandestinidade predatória das vans, que há anos vem sangrando as finanças das duas empresas de ônibus. (mais…)