Dívida pública federal fecha abril em R$ 2,451 trilhões

O estoque da dívida pública federal (DPF) subiu 0,42% em abril, quando atingiu R$ 2,451 trilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 25, pelo Tesouro Nacional. Em março, o estoque estava em R$ 2,441 trilhão. A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 20,70 bilhões no mês passado. A DPF inclui a … Leia Mais


Disputa entre Câmara e Senado emperra reforma política

Divergências internas entre partidos, nas próprias bancadas e entre a Câmara e o Senado, devem fazer com que a reforma política, mais uma vez, não saia do papel. O tema será analisado inicialmente nesta segunda-feira (25) na comissão especial criada na Câmara – onde não há garantia de aprovação do relatório do deputado Marcelo Castro … Leia Mais


Procuradoria pede anistia para militares torturados e mortos em Barra Mansa

O Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) encaminhou pedidos à presidência da Comissão de Anistia para reconhecer como anistiados políticos quinze soldados do 1º Batalhão de Infantaria Blindada (BIB) de Barra Mansa (RJ), vítimas de perseguição, tortura e morte, entre dezembro de 1971 e janeiro de 1972. O pedido será avaliado pela Comissão … Leia Mais



Federação se desmancha e PV e SD não prometem mais apoio a Marta

O PV e o Solidariedade, que já se afastaram do projeto de formar uma “federação de partidos” com PSB e PPS, já demonstram também que não pretendem se alinhar automaticamente para as eleições do ano que vem ou de 2018 – como queria o principal arquiteto dessa aliança, o presidente do PSB-SP e vice-governador Márcio … Leia Mais


Fusão PSB/PPS é para fortalecer Alckmin na disputa presidencial, diz dirigente do PSB


psbFundador e ex-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral classificou de “tragédia” a fusão do PSB com o PPS e disse que o objetivo da junção das duas legendas é pavimentar o caminho do atual governador de São Paulo, o tucano Geraldo Alckmin, às eleições presidenciais de 2018. O paulista trava uma disputa interna com o correligionário mineiro, o senador Aécio Neves, pela cabeça de chapa do partido. “Na verdade, o PSB de hoje virou um pasto na disputa interna do PSDB às eleições presidenciais de 2018, da ala tucana ligada ao governador Geraldo Alckmin, na tentativa de fortalecê-lo na disputa interna com Aécio Neves”, disse Amaral, em entrevista exclusiva ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado. Além de ser uma tragédia, “uma burrice e uma traição ao socialismo”, Amaral avalia que a fusão de seu partido com o PPS é compatível com a visão pragmática da nova direção da legenda, que privilegia o crescimento aritmético em detrimento da política. “É lamentável que, em vez de se tornar um desaguadouro dos quadros descontentes da esquerda, o PSB tenha optado por ser um ator secundário da direita”, disse, reiterando que a junção das siglas já está sendo arquitetada há muito tempo, com a finalidade de alçar Alckmin à cabeça de chapa do PSDB nas próximas eleições ao Palácio do Planalto. Para o ex-presidente nacional do PSB, infelizmente a fusão das duas siglas já está dada. “A renúncia ao socialismo já foi feita, não é mais o partido de João Mangabeira, Miguel Arraes e Jamil Haddad.” Em reunião ocorrida na semana passada, os presidentes dos diretórios estaduais da legenda aprovaram, por maioria, a fusão com o PPS. A oficialização do acordo deverá ser feita no dia 20 de junho, na convenção nacional do PSB, que será realizada em Brasília. Nesse mesmo dia, o PPS também realiza sua convenção para autorizar a união. Com a fusão, a nova legenda será a quarta maior bancada da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, atrás apenas do PMDB, PT e PSDB. Apesar das duras críticas, Amaral disse que ainda não definiu seu futuro partidário e que não pensa, no momento, em deixar o PSB, que ajudou a fundar a sigla. Fontes ligadas à legenda, que também estão descontentes com a fusão com o PPS, informaram ao Broadcast Político que não deverá haver uma decisão individual de desfiliação, mas uma ação coletiva está em estudo. O presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP), não quis comentar as críticas feitas pelo fundador e ex-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral.


Pessôa vai entregar a Janot lista de políticos que receberam propina da Petrobras


PessoaO dono da UTC, o baiano Ricardo Pessôa, pretende enviar ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot uma planilha com o nome dos políticos que recebiam propina desviada da Petrobras. Há duas semanas, Pessôa ficou irritado quando seus advogados não conseguiram abrir a tal planilha no computador para mostrar aos procuradores. De acordo com a coluna Expresso, da Época, Pessôa promete, também, entregar imagens dos políticos que visitavam seu escritório para pegar a dinheirama desviada da Petrobras.


De esperança dos paneleiros a ‘arregão’, o fim do governo paralelo de Aécio Neves. Por Kiko Nogueira


aecio-com-vem-pra-rua-600x400Terminou de forma melancólica o governo paralelo de Aécio Neves. De grande esperança branca da oposição a “arregão”, foram cinco meses de fortes emoções.

Numa eleição apertada, Aécio tentou cavou seu espaço na agenda nacional na marra. Sua cavalgada teve início com a não aceitação do resultado. Em sua volta ao Senado, em janeiro, Magno Malta, do Espírito Santo, uma das figuras mais grotescas de um Congresso grotesco, saudou-o num aparte sabujo: “Vossa Excelência recebeu um livramento”.

Vieram os protestos pelo impeachment. No primeiro, Aécio foi para a praia, para desespero de direitistas lelés como Lobão, que o aguardava na Paulista. Em março, deixou-se fotografar da janela do apartamento do Leblon numa camiseta da CBF. Sair na rua já era demais.

No último, sumiço total.

Como depositário dos desejos dos paneleiros, pediu pareceres a juristas, insuflando o deputado Carlos Sampaio, promotor e carimbador maluco do PSDB. Recebeu na capital federal, em abril, diversos revoltados, entre eles Rogério Chequer, do Vem Pra Rua. Cobraram-lhe um posição firme.

“Então tenho a dizer, primeiro, que vamos atuar juntos sem preconceitos. E em segundo lugar quero dizer que nesse momento começamos a fazer história”, declarou Aécio, arrancando aplausos dos presentes.

Deu-se a sabatina de Luiz Edson Fachin, o demônio comunista polígamo abortista paranaense de bigode. Onde estava Aécio para desmascará-lo e impedir a bolivarianização definitiva do STF?

Em Nova York, com José Serra, homenageando FHC num evento organizado pelo lobista cansado mas muito animado João Doria Jr.

Enquanto isso, meia dúzia de manifestantes fieis a ele, inclusive pessoas que estiveram naquele encontro no Congresso, empreendiam uma marcha de São Paulo a Brasilia. Gastaram a sola do tênis, postaram vídeos fofos no YouTube e encheram o saco dos moradores de outras cidades — para quê?

Para descobrir que Aécio deu para trás. Nesta semana, depois de um parecer de Miguel Reale Júnior, ele admitiu que o impeachment “não é agenda para agora”.

Seus amigos das panelas não o perdoam. “Traidor”, “covarde”, “arregão”. O velho Batman do Leblon chorou. Num vídeo patético, que posto abaixo, os marchadores aparecem dizendo que o PT e o PSDB são “farinha do mesmo saco”.

Findo o mandato paralelo, rechaçado pelos corvos que alimentou, sem golpe à vista, resta a Aécio a dura realidade dos fatos. À direita, Ronaldo “Vou Chamar o Mujica” Caiado e Jair Bolsonaro adotam os paneleiros. No seu partido, a presença careca e cada vez mais incômoda de Geraldo Alckmin na corrida para 2018.


Médicos “fantasmas” são indiciados no Paraná. Nenhum é cubano


fraude-medicos-hospital-de-clinicas-ufpr-890x395No Hospital das Clínicas da UFPR, CGU e Polícia Federal identificam “doutores” que abandonam função pública pela qual recebem, enquanto atendem em suas clínicas particulares; o esquema incluía fraude nos cartões de ponto

Por Helena Sthephanowitz, da Rede Brasil Atual

A partir de auditoria da Controladoria Geral da União (CGU), a Polícia Federal deflagrou na quinta-feira (21) a Operação São Lucas, no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba. Dez médicos serão indiciados pelos crimes de estelionato qualificado, falsidade ideológica, prevaricação e abandono da função pública. Os “doutores” ganham salários de até R$ 20 mil como funcionários públicos concursados, mas pouco apareciam no trabalho, ou apenas batiam o ponto e iam embora atender em consultórios ou clínicas privadas, deixando desfalcado o atendimento na rede pública. O esquema incluía fraude nos cartões de ponto e outras pessoas podem estar envolvidas.
A CGU cruzou dados, identificou produtividade muito baixa de alguns médicos, realizando poucos procedimentos e atendimentos, incompatível com a jornada de trabalho, e constatou dez casos mais graves que há muitos anos recebiam salários praticamente sem trabalhar, segundo o delegado federal Maurício Todeschini.
Na auditoria foram constatadas injustificadas divergências na folha de ponto, no Sistema de Informação Hospitalar e na catraca de acesso. Na ocasião, a CGU recomendou a adoção de controles efetivos na jornada de trabalho dos médicos. Nenhuma medida efetiva foi implementada.
A investigação também constatou a existência de médicos com baixa assiduidade, em alguns casos com índices inferiores a 7%. No papel há uma grande quantidade de médicos, como 168 cirurgiões, suficiente para prover um bom atendimento do hospital à população, mas apenas 27 deles realizaram 61,41% das cirurgias. Mesmo entre os mais assíduos, a média de dias de trabalho é baixa (15%). Com isso o atendimento ficava precário com a fila de espera por uma cirurgia cardíaca chegando a 1.354 dias no HC.
A operação recebeu o nome de São Lucas por ser o santo padroeiro dos médicos e mobilizou 50 policiais federais e três servidores da CGU. Cumpriu mandados de busca e apreensão no hospital e interrogou servidores na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Na manhã da sexta-feira (22), diretores do Hospital prestaram esclarecimentos à polícia federal.
A PF não divulgou os nomes dos indiciados nesta fase, alegando que a investigação ainda está em curso, mas informou que os indiciados são médicos renomados na cidade, alguns professores da UFPR. Um deles é dono de um grande hospital privado de Curitiba. Atuavam na ultrassonografia, radioterapia, clínica médica, transplante de medula, nefrologia, cirurgia toráxica e cardiológica, serviços de reprodução humana, radiologia e ginecologia.
Todeschini, afirmou que outros profissionais podem estar envolvidos. “Continuaremos aprofundando a investigação já que a ausência atrasava muito os atendimentos. O parecer da CGU mostra que pacientes ficavam meses na fila e outros médicos acabavam ficando sobrecarregados, principalmente os residentes”, disse.
Além do inquérito da PF, a CGU recomendou à Universidade a instauração de procedimentos disciplinares e acompanhará as medidas corretivas.
A reitoria da UFPR divulgou nota afirmando que determinou a abertura de Processos Administrativos Disciplinares individuais contra os funcionários citados e sindicância sobre os responsabilidade pelas fraudes no controle do ponto, além da imediata imediata implantação do controle biométrico de frequência a todos os 2.900 servidores no HC.
A direção do hospital também emitiu nota dizendo apoiar “incondicionalmente os órgãos de controle em suas ações que visam a apuração de quaisquer irregularidades”. Afirmou que que o registro eletrônico de ponto está em curso, mas ainda não foi implantado em todos os departamentos. Informou que as escalas de trabalho dos profissionais de saúde do HC é publicizada por meio do seu site.
O Conselho Regional de Medicina do Paraná informa que pode abrir sindicância sobre as denúncias e em caso de infrações éticas vai encaminhar os fatos à Corregedoria para apuração. A Associação Médica do Paraná informou que não vai se pronunciar sobre o caso neste momento.
A operação da Polícia Federal teve pouca cobertura nacional pela imprensa oligopolista, mas o interesse público exige maior divulgação, pois casos semelhantes não são raros em unidades de saúde de todo o país. A ampla divulgação presta serviço à cidadania, sobretudo a pacientes do SUS, e serve para dissuadir médicos de praticarem malfeitos.
No ano passado, quando foi implantado o programa Mais Médicos, o Ministério da Saúde precisou contratar médicos estrangeiros, havendo disponibilidade em grande escala apenas de cubanos. Várias entidades médicas brasileiras fizeram ferrenha oposição ao programa, chegando às raias do preconceito e da xenofobia. Felizmente o episódio foi superado. Espera-se dessas entidades proporcional indignação, além de rigor com as más condutas de médicos – como constar da folha de pagamento até aposentar, receber recursos públicos para atender pacientes do SUS que não são atendidos por fraude no comparecimento ao trabalho e pôr em risco as vidas de pessoas que esperam por um procedimento.

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/05/medicos-fantasmas-sao-indiciados-no.html#ixzz3azPE522o


‘Financiamento privado vai contra o que o povo quer’


Deputada manuelaEm entrevista exclusiva ao 247, a deputada estadual Manuela D´Ávila (PCdoB-RS) defende resistência, junto a movimentos sociais, à “agenda conservadora” imposta pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e diz que “a proposta de emenda de Cunha que permite o financiamento privado vai na contramão do que o povo quer, porque vai aprofundar o sistema político falho que temos hoje e não aperfeiçoar a democracia”; sobre as atuais denúncias, ela destaca que “o escândalo não é só do PT”, que “a corrupção deve ser combatida em qualquer partido” e vê uma “campanha midiática para fragilizar a esquerda”; preferida dos eleitores de Porto Alegre para 2016, Manuela afirma que hoje não pensa em concorrer à prefeitura


Deputado diz que deve-se ouvir viúva de Janene sobre exumação


Paulo magalhãesEm mais reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que aconteceu nesta semana na Câmara,o deputado Paulo Magalhães (PSD) comentou sobre o pedido de exumação do corpo do ex-deputado José Janene (PP-PR), por suspeita de que ele ainda esteja vivo. Para o parlamentar, é necessário o uso da cautela, pois trata-se de um assunto extremamente delicado. “Quanto ao aspecto da exumação manda o bom senso! Ao invés de tratarmos abruptamente desta exumação, procuremos convocar a viúva. Talvez com a oitiva nós não vamos precisar trabalhar em cima da exumação. Ela já mostrou seu desejo de colaborar com a CPI e, assim, temos um caminho extremamente fértil para desenvolver nosso raciocínio, bastando apenas usarmos do bom senso e equilíbrio”, enfatizou o parlamentar.

Estadão Conteúdo


Nordeste quer correlação entre investimentos e sua população, diz governador


normal_1432162224IMG20150520WA0018Em audiência com o ministro de Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo, e os demais governadores da região Nordeste, nesta quarta-feira (20), em Brasília, o governador Rui Costa afirmou que “o Nordeste brasileiro quer o que lhe é de direito. Representamos 28% da população brasileira e queremos investimentos em conformidade [com] este percentual”.

Rui disse ainda que a redução das desigualdades sociais passa pelas ações na área da ciência e tecnologia. Por isso a iniciativa dos governadores nordestinos em provocar a agenda no ministério. O governador citou o exemplo promissor da energia eólica na região ao assinalar que as pesquisas em eólica devem ser feitas no local onde está a geração. “No Nordeste, estará disparada a maior produção de energia eólica do País. E os centros de pesquisa devem estar na Bahia e demais estados produtores”, reforçou.

No mesmo raciocínio, o ministro Aldo Rebelo declarou que o projeto da pasta destinado à região “tem que ser parte para o desenvolvimento dos nove estados”. Ele pontuou algumas ações e quer conversar separadamente com cada governador para traçar parcerias.