Ultrapassado por Alkimin, Aécio agora adia sucessão

Ciente de que começa a perder a briga interna, no PSDB, no que diz respeito a 2018, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirma, agora, que os tucanos não podem “saltar etapas” e que o debate sobre a sucessão presidencial não pode ser antecipado; no fim de semana, durante convenção do PSDB-SP, o governador Geraldo Alckmin … Leia Mais



Dilma deve discutir fator previdenciário em reunião hoje à noite

Às vésperas do fim do prazo legal para sancionar a Medida Provisória 664, que reformou regras da Previdência Social, a presidente Dilma Rousseff reúne sua equipe no início da noite deste domingo para discutir um ponto polêmico incluído no texto: o fim do fator previdenciário. Ao analisar a matéria, deputados e senadores incluíram no texto … Leia Mais



Cachê de Lula chega a R$ 300 mil

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, admitiu que o cachê do ex-presidente para conceder palestras a empresários chega a R$ 300 mil. “É um cachê alto. Não é para qualquer empresa pagar”, admitiu Okamotto. Na semana passada, a CPI da Petrobras aprovou requerimento para que Okamotto … Leia Mais


Receita libera primeiro lote da restituição do IR 2015


dinheiroA Receita Federal libera amanhã (15), na rede bancária, os valores do primeiro lote de restituições do Imposto de Renda Pessoa Física 2015 (IRPF 2015). Ao todo, 1.495.850 contribuintes terão direito à restituição neste lote, com correção de 1,9%, totalizando mais de R$ 2,3 bilhões. Contribuintes idosos, com doença grave ou deficiência física, que não tenham cometido erros ou omissões na hora de enviar os dados, são a maioria no lote. Serão liberadas também restituições dos exercícios de 2008 a 2014 que foram retiradas da malha fina, elevando para R$ 2,4 bilhões o valor total de liberações. As informações sobre o primeiro lote estão disponíveis na página da Receita na internet ou por meio do Receitafone 146. Por meio de aplicativo para tablets e smartphones com sistemas Android e iOS também é possível consultar o lote. O supervisor do Programa do Imposto de Renda, Joaquim Adir, tem alertado para que os contribuintes que não são listados nos lotes de restituição verifiquem sempre o extrato da declaração para ver se não há pendência ou inconsistências no documento enviado à Receita e realizar a correção para evitar cair na malha fina. O procedimento pode ser feito no Centro Virtual de Atendimento da Receita Federal (e-CAC). Se não for cadastrado, é só informar os números dos recibos de entrega das declarações do Imposto de Renda Pessoa Física (Dirpf) dos exercícios referentes às declarações ativas das quais o contribuinte seja titular. Leia mais na Agência Brasil.

Daniel Lima, Agência Brasil


EUA examinam pagamentos da Nike em patrocínio da seleção brasileira


Brazil's National  Soccer Team Unveils New UniformAutoridades norte-americanas examinam os pagamentos feitos pela Nike no acordo de patrocínio à seleção brasileira de futebol em 1996 .Autoridades norte-americanas estão examinando os pagamentos feitos pela Nike Inc sob um acordo de patrocínio da seleção brasileira de futebol em 1996 por possíveis evidências de irregularidades da empresa ou outras partes, afirmou o jornal Wall Street Journal nesta sexta-feira.
Citando pessoas familiarizadas com o assunto, o jornal disse que as alegações de corrupção em torno do acordo de 160 milhões de dólares da Nike para patrocinar a seleção são discutidas em termos velados na acusação do Departamento de Justiça contra dirigentes da Fifa.
A acusação descreve que uma empresa multinacional norte-americana de roupas esportivas fechou um acordo para patrocinar a federação brasileira e, em seguida, fez outra negociação com um intermediário de marketing esportivo, que supostamente usou os pagamentos da empresa para pagar subornos, afirmou o jornal, acrescentando que as pessoas familiarizadas com o assunto confirmaram que a companhia é a Nike. [Reuters]

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/06/eua-examinam-pagamentos-da-nike-em.html#ixzz3cycyXa5E


Aos gritos de “fora Cunha”, plenária do PT mantém aliança com o PMDB


Dilma Rousseff é diplomada na tarde desta sexta-feiraA plenária do 5º Congresso do PT em Salvador rejeitou neste sábado (13) a proposta de romper a aliança com o PMDB e rever o modelo de governo de coalizão. O PMDB, principal aliado e no comando da articulação política, foi chamado de “sabotador”, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de “oportunista de ocasião”.
Os defensores da aliança admitiram que em 2018 será preciso “repoliticar” esse modelo, mas que ele é necessário neste momento para acumular forças a fim de reeleger Luiz Inácio Lula da Silva presidente da República.
“Não tenho ilusão com nossos partidos aliados, até porque em 2018 vamos ter que repoliticar essa aliança”, disse o líder do governo na Câmara, José Guimarães (CE). “Mas o que vai garantir as mudanças empreendidas pela (presidente) Dilma é se estivermos juntos, o momento agora é pra acumular forças para em 2018 elegermos Lula presidente do Brasil”, reforçou.
Um coro de cerca de 700 delegados gritava “fora, Cunha”, em alusão ao presidente da Câmara, que foi chamado de “oportunista de ocasião”. Quem defendia o PMDB era vaiado. A emenda rejeitada, formulada por correntes de esquerda do PT, diz que esgotou o modelo do presidencialismo de coalizão e a política de alianças implantada em 2002.
“A crise política tem levado a dar espaço e poder ao principal aliado, o PMDB, muitas vezes sabotador do governo, que opera pela contrarreforma política, pela revisão do regime de partilha do pré-sal e pela terceirização do trabalho, com redução de direitos sociais”, diz o texto rechaçado.
Guimarães acrescentou que romper neste momento com os aliados seria levar o governo da presidente Dilma Rousseff ao isolamento no Congresso Nacional e à “oposição sectária”. “Não estamos aqui defendendo o (Eduardo) Cunha, o que estamos defendendo é a governabilidade social para evitar o isolamento da presidente Dilma”, disse, observando que mata “um leão por dia” para aprovar as matérias do governo no Congresso.
O deputado Carlos Zarattini (SP), da bancada governista, referiu-se ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, como um “oportunista de ocasião”, ressalvando que ele não representa o PMDB, um partido com muitos democratas entre seus quadros.
“Tivemos uma política de 12 anos vitoriosa, não é porque agora um oportunista de ocasião, como surgiram muitos na história, conseguiu se alçar à presidência da Câmara, que vamos mudar a politica (de alianças) por conta dessa pessoa”, argumentou.
Segundo o deputado paulista, romper a aliança com o PMDB significaria “retroagir a uma frente de esquerda” e, assim, “restringir a política de alianças e inviabilizar os avanços necessários ao país. Ele ressaltou os “democratas que estão no PMDB” para rejeitar a proposta de emenda constitucional (PEC) que reduz a maioridade penal para 16 anos, que a Câmara analisa neste mês. [Valor]

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/06/aos-gritos-de-fora-cunha-plenaria-do-pt.html#ixzz3cya6d4o5


LULA Pede que militância volte a doar ao PT


Lula Congresso Salvador“O problema é que o partido tem que ter consciência que um verdadeiro militante do PT precisa ter a obrigação de dar pequena contribuição ao seu partido”, defendeu Lula nesta sexta-feira em Salvador, no segundo dia do 5º congresso do PT; ex-presidente criticou as manifestações fascistas que tentaram atrapalhar o evento; “O importante é que a gente saiba como isso funciona. Como surgiu fascismo ou nazismo? Aí a gente sabe como isso começa. Isso começa tentando desacreditar as pessoas da sociedade”, afirmou
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta sexta-feira (12), em Salvador, no segundo dia do 5º congresso do PT, que a militância petista volte a fazer contribuições financeiras ao partido.

“O problema é que o partido tem que ter consciência que um verdadeiro militante do PT precisa ter a obrigação de dar pequena contribuição ao seu partido. Porque se ninguém dá, se deputados querem reduzir sua participação, se funcionários em cargo de comissão não querem dar, quem vai dar? Não vai ser nenhum tucano. Não será ninguém de outro partido político ou os coitados dos jornalistas que ganham pouco e estão sendo mandado embora em larga escala”, disse Lula no lançamento de uma campanha para incentivar arrecadações ao PT.

Lula disse aos militantes que não diria o valor da contribuição dele ao partido. “Não vou dizer quanto vou contribuir, mas serei um contribuinte forte nesse partido, não só fazendo doação que já faço todo mês, mas ajudando e pedindo para as pessoas contribuírem com nosso partido de forma regular e mensal”, disse.

Ao defender a campanha de arrecadação nesta sexta, Lula lembrou que, em seus primeiros anos de atividade, o PT obtinha parte significativa de sua receita por meio de doações de militantes e também por meio da venda de produtos ligados ao partido, como camisetas, adesivos e botons.

O ex-presidente contou que ele mesmo vendia itens do PT para financiar suas campanhas eleitorais. “Eu e alguns companheiros que estão aqui, alguns da minha idade, alguns mais jovens, sabemos perfeitamente bem que a campanha de 82, que fizemos pelo país afora, cada comício que a gente fazia a gente tinha que vender camiseta. Hoje, não é nem permitido mais. A gente vendia estrelinha. Nada era dado de graça”, lembrou.

O ex-presidente citou ainda que, nas eleições de 1989, na qual ele disputou pela primeira vez a Presidência da República, o partido vendia até mesmo os adesivos para colocar nos carros. “Obviamente os tempos mudaram, mas acho que aquele tempo a gente fazia PT com mais intensidade do que a gente faz PT nos dias de hoje”, afirmou.

Momento difícil

Lula voltou a dizer que o partido atravessa um “momento difícil, muito complicado”, sem detalhar a que se referia. “Tinha muita gente que achava que este congresso seria um fracasso, li muita coisa, que Lula ia querer mudar direção, como se nosso partido ainda precisasse de imperador para vim dizer”, disse. “Temos que compreender que há uma tentativa muito bem planejada de criminalizar o PT”.

O ex-presidente chegou a fazer comparação com o nazismo. “O importante é que a gente saiba como isso funciona. Como surgiu fascismo ou nazismo? Aí a gente sabe como isso começa. Isso começa tentando desacreditar as pessoas da sociedade. Tentando levantar coisas. Pode bater, pode um desaforado vir no congresso e achar que pode avacalhar”, disse. Nesta quinta, um manifestante invadiu o congresso do partido e pediu o impeachment de Dilma.


Dilma diz na TV que dificuldade econômica é passageira


Dilma e JôA presidente Dilma Rousseff afirmou, em entrevista ao apresentador Jô Soares, exibida nesta madrugada, que o Brasil passa por uma dificuldade momentânea e que a inflação é uma de suas maiores preocupações. Dilma também defendeu a necessidade dos ajustes fiscais, lamentou o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), em 2007, e reconheceu que é o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, quem comanda a economia do País. “Nós precisamos fazer ajustes fiscais. O mundo está no sétimo ano da crise. Nem Estados Unidos, nem a Europa, nem a China saíram da crise”, afirmou a presidente. “Estamos enfrentando uma situação que é momentânea. O Brasil tem uma estrutura forte e nós vamos superar essa dificuldade. É importante fazer logo o ajuste para sairmos mais rápido dessa situação”, acrescentou. Ela ainda defendeu os cortes feitos no orçamento da educação, argumentando que eles não vão comprometer a estratégia de “pátria educadora”. Dilma disse que está agoniada com a inflação. “Eu sei que é passageiro, mas mesmo passageiro sei como isso afeta a vida das pessoas. Nós iremos fazer o possível e o impossível para o Brasil voltar a ter uma inflação bem estável, dentro da meta”, afirmou a presidente, ressaltando, porém, que o processo leva tempo. “Nós estamos esperando que melhore no final do ano”, disse, destacando que isso depende de coisas que “nós não controlamos”.


Doações iniciais ao IFHC equivalem a R$ 16,3 MIL


presidentes e doaçõesSe fossem hoje, as doações feitas por 12 empresas, brasileiras e estrangeiras, para a criação do Instituto FHC equivaleriam a R$ 16,3 milhões; este é o valor corrigido pelo IGP-M da data das doações, que ocorreram em novembro de 2002 em um jantar no Palácio do Alvorada, quando Fernando Henrique ainda era presidente; montante é mais de quatro vezes os R$ 3 milhões, também corrigidos, doados ao Instituto Lula pela Camargo Corrêa entre 2011 e 2013; após a divulgação pela imprensa, como se fosse um escândalo, da doação da empreiteira ao Instituto Lula, vem à tona a notícia de que a mesma empresa, através da VBC Energia, foi a maior doadora do projeto de digitalização do acervo de FHC e Ruth Cardoso. Se tivessem sido feitas no mês passado, as doações de 12 empresas, brasileiras e estrangeiras, para a criação do Instituto FHC equivaleriam a R$ 16.315.525,10. Este é o valor corrigido pelo IGP-M da data das doações, em novembro de 2002, quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso promoveu um jantar para arrecadar fundos em pleno Palácio do Alvorada – pago com dinheiro público. Na ocasião, o montante foi de R$ 7 milhões e o evento divulgado como uma “noite de gala” pela revista Época.

Apesar dos valores e das circunstâncias das doações feitas ao iFHC, os principais jornais do País divulgaram essa semana, como se fosse um escândalo, a doação de R$ 3 milhões pela Camargo Corrêa ao Instituto Lula, entre 2011 e 2013. Se considerarmos a data mais antiga do período citado, ou seja, janeiro de 2011, para fazer o cálculo da correção pela calculadora do Banco Central, o montante passaria a valer, em maio de 2015, R$ 3.854.218,50, quantia 4,2 vezes menor do que a doada ao iFHC em 2002.

Camargo também doou para o iFHC

A Camargo Corrêa foi uma das 12 empresas que fizeram doações para a criação do iFHC em 2002. Além disso, após a divulgação das doações da empreiteira ao Instituto Lula e de R$ 1,5 milhão à LILS Palestras Eventos e Publicidade – que de acordo com o Instituto Lula, “são referentes a quatro palestras feitas pelo ex-presidente, todas elas eventos públicos e com seus respectivos contratos” – veio à tona a notícia de que a mesma empresa, através da VBC Energia, foi a maior doadora do projeto de digitalização do acervo de FHC e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso.

Em janeiro de 2009, a Camargo Corrêa comprou a participação da Votorantim e passou a deter 100% das ações da VBC Energia. Em registros no site do Ministério da Cultura, consta a doação de R$ 1,7 milhão da companhia ao projeto que traz a seguinte descrição: “tratamento técnico e difusão dos acervos Presidente Fernando Henrique Cardoso e Antropóloga Ruth Cardoso”. Na lista de doadores, há 15 empresas, entre elas os bancos Itaú, Safra e Credit Suisse, além de Raízen, Provar, Unicard, Hipercard, Ambev e Dibens. A maior doação é feita pela VBC Energia.

De acordo com o delegado Igor Romário de Paula, da Lava Jato, “muito provavelmente” as doações da Camargo Corrêa ao Instituto Lula serão objeto de uma nova investigação da Polícia Federal, para apurar motivo e origem dos recursos transferidos pela empresa, que já é alvo de investigação no esquema de corrupção na Petrobras. Nada foi dito sobre a doação feita em 2002 ao Instituto FHC.

Confira abaixo:

get_img

get 22


BABACA: Pastor ungido ‘cura’ gay ao vivo na TV de ‘doença da homossexualidade’


pASTOR gAYO pastor evangélico Agenor Duque afirmou que iria “curar” um fiel gay ao vivo durante a exibição de um culto da Igreja Plenitude do Trono de Deus, em São Paulo, em um canal de propriedade do próprio religioso, dissidente da Igreja Mundial do Poder de Deus, que é distribuído por operadoras de TV paga. De acordo com a coluna de Ricardo Feltrin, no Uol, Duque fazia mais uma de suas “bênçãos” aos fiéis. Em determinado momento, passou a falar com um rapaz, um fiel da igreja postado à beira do palco, que queria “se curar” da “doença” da “homossexualidade”. “E você tem um namorado? Então sobe aqui!”, continuou Duque ao microfone, falando com o rapaz, que aparentava constrangimento, para toda a congregação ouvir. Na cena seguinte o rapaz (na casa dos 30 anos) já estava no palco, ao lado de outros fiéis com as mais diversas doenças físicas. Ele tinha uma espécie de toalhinha púrpura (ou avermelhada) sobre a cabeça, assim como os demais “doentes”. Então o pastor iniciou suas tradicionais orações de cura em nome de Deus e afirmou que ele estava “curado”. Duque se considera “ungido” e ter poderes divinos, tendo fundado a própria igreja em 2006, após ter sido ministro da Igreja Mundial, de Valdemiro Santiago, depois de ter uma suposta visão e ouvir “um chamado” de Deus”.