Igrejas continuam abertas e pastores dizem que fé cura coronavírus; evitem ficar a menos de um metro deles

As igrejas de grande porte insistem em manter seus cultos abertos para o público, gerando insegurança adicional para as autoridades de saúde pública Megaigrejas (Foto: Reprodução) Da Agência Pública – Apesar das reiteradas recomendações dos órgãos de saúde para que se evite contato social e aglomerações para não disseminar o coronavírus, algumas igrejas evangélicas e também … Leia Mais


Juiz libera cultos de Silas Malafaia, que podem propagar coronavírus para milhares de pessoas;ele não vive sem a grana dos fiéis


“O Poder Executivo não determinou a interrupção de cultos religiosos até o momento”, disse o juiz Marcelo Baptista

Silas Malafaia
Silas Malafaia (Foto: Isac Nóbrega/PR)

247 – “A Justiça do Rio de Janeiro negou pedido feito pelo Ministério Público estadual (MPRJ) e manteve a realização de cultos ministrados pelo empresário e pastor Silas Malafaia. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (19) pelo juiz Marcello de Sá Baptista, do Plantão Judicial”, informa o jornalista Nicolás Satriano, do G1..

“O Poder Executivo não determinou a interrupção de cultos religiosos até o momento. O Poder Legislativo não criou lei neste sentido. Não pode o Poder Judiciário avocar a condição de Legislador Positivo e regulamentar uma atividade, em atrito com as normas até agora traçadas pelos órgãos gestores da crise existente”, justificou o magistrado.

Antes da decisão, o empresário Silas Malafaia havia desafiado o governo a fechar suas unidades.

Silas Malafaia (Foto: Isac Nóbrega/PR)

 


Caso Marielle Franco completa dois anos sem saber quem foram mandantes de execução


Caso Marielle Franco completa dois anos sem saber quem foram mandantes de execução

Foto: Divulgação

Neste sábado (14) faz dois anos do assassinato da vereadora carioca, Marielle Franco. A legisladora morreu na noite do dia 14 de março de 2018, quando tinha saído de um evento no Centro do Rio de Janeiro. Também foi morto o motorista Anderson Gomes (lembre aqui). Uma assessora que também estava no veículo sobreviveu. Desde então, não se sabe ainda quem ordenou a execução das vítimas e por qual motivo.

Dois acusados de envolvimento na morte da vereadora e do motorista já foram presos: os ex-policiais Ronnie Lessa, que teria feito os disparos, e Élcio de Queiroz, que dirigia o Cobalt, que perseguia o veículo onde estavam as vítimas. Os dois ex-policiais estão custodiados no presídio de segurança máxima de Porto Velho, em Rondônia.

Na última terça-feira (10), a Justiça do Rio de Janeiro determinou que Ronnie e Élcio devem ir a júri popular sob acusação de duplo homicídio qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas (ver aqui). 


Ibovespa despenca 15% em dia com 2 circuit breakers; dólar tem alta recorde


Covid-19 continua a preocupar

Dólar chegou a R$ 5,01

BC interveio no câmbio

Banco Central precisou intervir no mercado para controlar a volatilidade no câmbioSérgio Lima/Poder360

Em dia marcado por 2 circuit breakers, o Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), tombou 14,78%, aos 72.582 pontos. Este é o menor patamar desde 28 de junho de 2018, no período pré-eleitoral. O dólar teve alta de 1,38%, cotado aos R$ 4,785, o maior valor nominal da história.

A compra e a venda de ativos na B3 foram interrompidas duas vezes na manhã desta 5ª feira (12.mar.2020) num intervalo de tempo de menos de 45 minutos. O circuit breaker é 1 dispositivo adotado para evitar a alta volatilidade no mercado financeiro. Na semana, a medida emergencial foi adotada 4 vezes.

O mecanismo foi acionado pela 1ª vez no dia às 10h21, quando as ações caíam 11,65%, aos 75.247 pontos. As negociações foram suspensas por 30 minutos. Depois de 43 minutos, às 11h04, as negociações foram interrompidas novamente, dessa vez por uma hora. No momento, a queda era de 15,43%, aos 72.026 pontos.

O principal índice da B3 chegou a cair 19,6%, aos 68.488 pontos. Ao recuar 20%, o 3º circuit breaker seria acionado no dia e a interrupção seria por tempo indeterminado. O percentual, porém, não chegou a esse patamar.

O mercado reagiu positivamente ao anúncio dos Estados Unidos de injetar US$ 1,5 trilhão para aquecer a economia. Mesmo assim, as ações do país também tiveram forte queda. Na Europa, todos os principais índices caíram mais de 10%. Eis 1 infográfico sobre o tema.

A alta na moeda norte-americana foi de 1,38%, cotada aos R$ 4,785. Este é o maior valor nominal da série histórica. O Banco Central precisou intervir no mercado para segurar o valor do câmbio, que chegou a R$ 5,013.

EMPRESAS PERDEM

As empresas listadas na Bolsa perderam R$ 1,52 trilhão em valor de mercado em 2020. Só nesta 5ª feira (12.mar) as perdas somam R$ 489,2 bilhões. É o maior valor perdido na história da B3, segundo a Economatica.

A Petrobras é a empresa com maior queda, com R$ 43,8 bilhões no dia e R$ 240,2 bilhões no ano. A companhia era a que tinha o maior valor de mercado em fevereiro, mas caiu para a 4ª posição, atrás do Itaú, Ambev e Vale.

Autores


Preços do petróleo têm queda de 20% na 2ª feira


Maior desvalorização desde 1991

Barril chegou a ser vendido a US$30

Plataforma de extração de petróleo da Petrobras: preços do commodity estão em queda por todo o mundodivulgação/Petrobras

O preço do petróleo desabou no mercado internacional depois que a Arábia Saudita anunciou aumento de produção neste fim de semana. O petróleo tipo Brent abriu o pregão desta 2ª feira (9.mar.2020) em queda de mais de 30%, derrubando o preço para perto de US$ 30 por barril.

Depois das primeiras negociações, a queda amenizou. Às 7h17, o petróleo do tipo Brent estava em queda próxima a 20%, com o preço do barril na casa de US$ 35 , de acordo com o site Investing.

Trata-se da maior desvalorização desde a Guerra do Golfo, em 1991. Já provocou perdas nas bolsas de valores de todo o mundo.

A queda do valor do barril se dá por causa de uma decisão da Arábia Saudita em retaliação à Russia sobre produção. Os sauditas anunciaram 1 corte de 10% no preço do petróleo depois que a Russia se recusou a participar de 1 movimento da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para reduzir a produção diária. A medida visava a estabilizar o preço do petróleo em meio à epidemia de coronavírus.

O 1º grande impacto foi sentido pela própria Arábia Saudita. A medida também afetou as principais bolsas de valores do mundo.


Crucificam Drauzio Varella, mas exaltam Ustra, torturador da ditadura


Não se importam com o crime em si, a única coisa relevante aqui é se a pessoa faz parte do jogo conservador; se não faz, ela que lute

Nada tem feito muito sentido nos últimos tempos, desde que Jair Bolsonaro (sem partido) ascendeu na política e consagrou-se Presidente da República. Prova disso é a crucificação feita em cima do médico Drauzio Varella, desde a noite deste domingo, 8, quando o site O Antagonista divulgou que a presidiária trans Suzy teria sido presa por ter estuprado e assassinado uma criança.

Drauzio fez uma matéria especial para o “Fantástico”, da TV Globo, em que entrevistou a presidiária Suzy, e a abraçou ao final, devido ao relato dela de nunca ter recebido sequer uma visita durante o cumprimento de sua pena. O médico demonstrou empatia com a solidão da detenta, mas foi massacrado nas redes sociais após a divulgação do suposto crime cometido por ela.

Relato de médico vítima de tortura de Ustra viraliza nas redes

Em contrapartida, muitos dos que criticam a postura de Drauzio em ter se compadecido com Suzy são aqueles que idolatram o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932 – 2015). Ustra foi um dos mais notáveis torturadores da ditadura militar (1964 – 1985), tendo sequestrado crianças e torturado seus pais na frente delas. Seu nome figurou nos trending topics do Twitter na manhã desta segunda-feira, 9, enquanto internautas comparavam a atitude de Drauzio com as de Ustra.

 

 

Um dos casos mais memoráveis é o de Maria Amélia Teles, presa aos 26 anos de idade no DOI-Codi. Ustra teria levado seus dois filhos para assistirem à mãe sendo torturada nua, suja de sangue, urina e vômito, enquanto o pai acabara de sair de um coma após ser torturado no pau de arara.

A idolatria a Ustra (feita, inclusive, pela família Bolsonaro) e a crucificação de Varella só nos fazem enxergar uma coisa: a onda do ultra-conservadorismo que paira sobre o Brasil não se importa com os fatos em si. Ustra torturou, traumatizou, matou aqueles que agiam e pensavam contra o regime militar. Vidas foram eternamente modificadas por conta de seus criminosos atos. Ainda assim, é visto como herói. Varella, que nem sabia do passado de Suzy, hoje é visto como inimigo por ter exercitado o poder da compaixão.

drauzio ustra

Crédito: ReproduçãoCrucificam Drauzio Varella, mas idolatram Ustra, torturador de criança

Devido à repercussão do caso e ao linchamento virtual, o médico fez questão de emitir uma nota pública em que justifica seus atos.

“Há mais de 30 anos, frequento presídios, onde trato da saúde de detentos e detentas. Em todos os lugares em que pratico a Medicina, seja no meu consultório ou nas penitenciárias, não pergunto sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado. Sigo essa conduta para que meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico. No meu trabalho na televisão, sigo os mesmos princípios. No caso da reportagem veiculada pelo Fantástico na semana passada (1/3), não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz.”, escreveu.

Que fique claro, mais uma vez, para quem não entendeu: ele é médico, não juiz. Suzy cumpre sua pena de acordo com a legislação brasileira. E deve cumprir, mesmo. Mas não há nada mais a ser comentado sobre sua prisão, afinal, ninguém aqui tem o poder de estar acima da Constituição.

Um crime não abafa o outro, mas a repercussão deles diz muito sobre quem somos.


Canalhice misógina: Alexandre Garcia culpa Dilma pelo pibinho de Guedes; o pulha acha que o Brasil tem que fabricar armas



Dólar abre em alta e atinge R$4,61 pela primeira vez na história; empregada doméstica em Miami, “peraí”


Em alta pela 12° vez consecutiva, reflexo da fracassada política econômica de Paulo Guedes, o valor nominal do dólar atingiu seu ponto mais alto da história da economia brasileira nesta quinta-feira (5)

Jair Bolsonaro, Paulo Guedes e dólar
Jair Bolsonaro, Paulo Guedes e dólar (Foto: Agência Brasil)

 Nesta quarta-feira (4) o dólar fechou a sessão em alta de 1,51%, a R$ 4,5790, novo recorde nominal de fechamento. No dia subsequente, nesta quinta-feira (5), o dólar abriu a sessão a R$ 4,6101, sendo a 12° consecutiva em alta.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central vai se reunir entre os dias 17 e 18 deste mês para discutir sobre a taxa de juros em patamar mínimo de 4,25% ao ano, que pode reduzir as aplicações de investidores na renda fixa local, prejudicando o fluxo cambial.

Entre tantos outros fatores, como o avanço de casos do novo coronavírus no ocidente, as declarações e medidas adotadas pelo capitão reformado Jair Bolsonaro, e sua equipe de ministros, contribuíram significativamente para a insegurança dos investidores estrangeiros ou locais, que retiraram bilhões da economia brasileira nestes últimos meses.