“Mão boba” rende suspensão, e chileno está fora da Copa América

O zagueiro chileno Gonzalo Jara foi suspenso pelo tribunal disciplinar da Conmebol por três partidas pela provocação ao atacante uruguaio Edinson Cavani em jogo pelas quartas de final e está fora da Copa América. Na partida, Jara não foi expulso pelo árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci, que só viu o revide de Cavani e aplicou … Leia Mais


EI faz dupla ofensiva contra governo sírio e curdos

Combatentes do Estados Islâmico lançaram ataques simultâneos contra o governo sírio e milícias curdas durante a noite, voltando a assumir ações ofensivas depois de perder terreno nos últimos dias para forças lideradas pelos curdos perto da capital de seu “califado”; depois de recentes derrotas para forças curdas apoiadas por ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos, … Leia Mais


Número de mortos em ataque no KUWAIT vai a 25

O ataque reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI) feito nesta sexta-feira, 26, contra uma mesquita xiita na capital do Kuwait matou 25 pessoas, segundo dados atualizados pelo Ministério do Interior; em um comunicado divulgado pela agência de notícias oficial Kuna, a pasta informou que há 202 pessoas feridas; os últimos números, divulgados pelos serviços de … Leia Mais


Explosão deixa mais de 200 feridos em parque de diversões em TAIWAN

Mais de 200 pessoas ficaram feridas numa explosão neste sábado em um parque de diversões na capital de Taiwan, Taipei; de acordo com responsáveis pelo estabelecimento, o acidente aconteceu depois que um pó colorido inflamável foi lançado sobre a multidão; entre os feridos, 81 estão em estado grave; “O que pensamos por enquanto é que … Leia Mais


Texas: Casal gay que estava junto há mais de 50 anos oficializa união

Após a Corte americana legalizar o casamento gay nos Estados Unidos, na última sexta-feira (26), o casal Jack Evans, 85, e George Harris, 82, foram o primeiro casal homossexual a se casar em cartório. De acordo com o jornal The Dallas Morning News, os idosos comemoraram a união. “Todos nós vencemos”, disse Evans. Juntos há … Leia Mais


Palestinos mostram provas de crimes de guerra de Israel


palestina livreA Autoridade Palestina fez sua primeira apresentação de provas de supostos crimes de guerra israelenses ao Tribunal Penal Internacional (TPI), tentando acelerar um inquérito do organismo sobre os abusos cometidos durante o conflito do ano passado em Gaza; medida pode deixar Israel em um dilema, já que precisa decidir se irá cooperar com a investigação do TPI ou se irá se isolar como um dos poucos países que se recusaram a trabalhar com seus promotores; Israel nega as alegações de crimes de guerra durante o confronto de 2014 no enclave palestino e acusa militantes islâmicos que controlam a Faixa de Gaza de atrocidades contra a população israelense

Reuters – A Autoridade Palestina fez sua primeira apresentação de provas de supostos crimes de guerra israelenses ao Tribunal Penal Internacional (TPI) nesta quinta-feira, tentando acelerar um inquérito do organismo sobre os abusos cometidos durante o conflito do ano passado em Gaza.

A medida pode deixar Israel em um dilema, já que precisa decidir se irá cooperar com a investigação do TPI ou se irá se isolar na condição de um dos poucos países que se recusaram a trabalhar com seus promotores.

Israel nega as alegações de crimes de guerra durante o confronto de 2014 no enclave palestino e acusa militantes islâmicos que controlam a Faixa de Gaza de atrocidades por dispararem milhares de foguetes contra centros populacionais israelenses.

Falando do lado de fora do TPI depois de se reunir com a promotora-chefe da corte, Fatou Bensouda, o ministro palestino das Relações Exteriores, Riyad al-Maliki, disse ter submetido dossiês sobre o conflito de Gaza, sobre assentamentos israelenses em terras ocupadas onde os palestinos querem fundar um Estado e sobre o tratamento de prisioneiros palestinos detidos por Israel.

“A Palestina é um teste para a credibilidade dos mecanismos internacionais … um teste no qual o mundo não pode se dar ao luxo de fracassar. A Palestina decidiu buscar justiça, não vingança”, afirmou Maliki.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel declarou: “A medida palestina não é mais do que uma tentativa de manipular o TPI, e esperamos que a promotora não caia na armadilha”.


Primeiro acordo do Vaticano com ” Estado palestino” irrita Israel


Papa grandeO Vaticano assinou o primeiro acordo com o “Estado Palestino” nesta sexta-feira, pedindo “decisões corajosas” para acabar com o conflito israelense-palestino e apoiar uma solução entre os dois Estados; aacordo, que tornou oficial o reconhecimento da Palestina pelo Vaticano desde 2012, não agradou Israel, que chamou de “um passo precipitado que danifica as perspectivas de avanço para um acordo de paz

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) – O Vaticano assinou o primeiro acordo com o “Estado Palestino” nesta sexta-feira, pedindo “decisões corajosas” para acabar com o conflito israelense-palestino e apoiar uma solução entre os dois Estados.

O acordo, que tornou oficial o reconhecimento da Palestina pelo Vaticano desde 2012, não agradou Israel, que chamou de “um passo precipitado que danifica as perspectivas de avanço para um acordo de paz”.

Israel também disse que poderia criar problemas com suas futuras relações diplomáticas com o Vaticano.

O acordo, que trata das atividades da Igreja Católica nas áreas controladas pela Autoridade Palestina, também confirmou o papel proativo do Vaticano na política externa sob comando do papa Francisco. No ano passado, o Vaticano participou do resumo de laços entre Estados Unidos e Cuba.

O arcebispo Paul Gallagher, ministro de Relações Exteriores do Vaticano, disse durante a assinatura que esperava que fosse um “estímulo para trazer um fim definitivo para o longo conflito israelense-palestino, que continua causando sofrimento para ambos lados”.

O ministro do Exterior palestino, Riad Al-Malki, disse esperar que o acordo ajude no “reconhecimento do direito do povo palestino à autodeterminação, liberdade e dignidade em um Estado independente, livre das algemas da ocupação”.


Suprema Corte dos EUA autoriza o casamento Gay em todo o país


casamento gay 2Com a decisão desta sexta-feira, por 5 votos a 4, a Constituição do país garante aos casais homossexuais em todos os 50 Estados da nação o direito de se casarem, em uma vitória histórica para o movimento dos direitos dos gays nos Estados Unidos; “A America deve se orgulhar”, disse o presidente Barack Obama
WASHINGTON (Reuters) – A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu nesta sexta-feira que a Constituição do país garante aos casais homossexuais o direito de se casarem, em uma vitória histórica para o movimento dos direitos dos gays nos EUA.

O tribunal decidiu, por 5 votos a 4, que as garantias constitucionais do devido processo legal e da proteção igualitária nos termos da lei significam que os Estados não podem proibir os casamentos de pessoas do mesmo sexo.

Com o veredicto, o casamento gay se tornará legal em todos os 50 Estados da nação.

O juiz Anthony Kennedy, escrevendo em nome da corte, disse que a esperança das pessoas gays que querem se casar “é não serem condenadas a viver na solidão, excluídas das mais antigas instituições de nossa civilização. Elas pedem a mesma dignidade aos olhos da lei. A Constituição lhes garante esse direito”.

Kennedy, um conservador que muitas vezes dá o voto decisivo em casos apertados, foi acompanhado pelos quatro juízes liberais do tribunal.

Emitindo uma opinião contrária, o juiz conservador Antonin Scalia declarou que a decisão da corte mostra se tratar de “uma ameaça à democracia norte-americana”.

O veredicto “diz que meu soberano e o soberano de 320 milhões de norte-americanos de costa a costa é a maioria entre os nove juízes da Suprema Corte”, disse Scalia.

Atualmente existem 13 proibições estaduais em vigor ao casamento gay nos Estados Unidos, e o Alabama contestou um veredicto que anulou a proibição no Estado.


Número de mortos em ataque no Kuwait vai a 25


KwaitO ataque reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI) feito nesta sexta-feira, 26, contra uma mesquita xiita na capital do Kuwait matou 25 pessoas, segundo dados atualizados pelo Ministério do Interior; em um comunicado divulgado pela agência de notícias oficial Kuna, a pasta informou que há 202 pessoas feridas; os últimos números, divulgados pelos serviços de emergência da capital do Kuwait, apontavam para 13 mortos após o atentado
26 DE JUNHO DE 2015 ÀS 13:53
Da Agência Lusa – O ataque reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI) feito hoje (26) contra uma mesquita xiita na capital do Kuwait matou 25 pessoas, segundo dados atualizados pelo Ministério do Interior.

Em um comunicado divulgado pela agência de notícias oficial Kuna, a pasta informou que há 202 pessoas feridas. Os últimos números, divulgados pelos serviços de emergência da capital do Kuwait, apontavam para 13 mortos após o atentado.

A declaração do Estado Islâmico identificou o homem-bomba como Abu Suleiman al-Muwahed e informou que o alvo era um “templo dos rejeicionistas” – termo usado pelo grupo militante para se referir ao muçulmanos xiitas, a quem considera hereges.


Só 5 sobreviventes do século 19 restam na Terra


velhoCom a morte da pessoa mais velha do mundo, aos 116 anos, só cinco pessoas nascidas no século 19 ainda vivem na Terra, informou o Gerontology Research Group.

Jeralean Talley, que manteve o hobby de jogar boliche até os 104 anos, morreu em casa nesta quarta-feira (17), em Inkster, perto de Detroit, nos Estados Unidos.

O título passou, assim, para as mãos de Susannah Mushatt Jones, 115, uma norte-americana nascida em 6 de julho de 1899.

No Brasil, a baiana Eurides Fagundes diz ser ainda mais velha. Conhecida como Vovó, ela afirma ter nascido no dia 6 de dezembro de 1894, em Salvador. Sua idade, porém, não é reconhecida pelo Guinness World Records.

O Gerontology Research Group não divulgou os nomes dos demais remanescentes do século 19.

Um decano da humanidade fica, em média, 389 dias no posto.

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/06/so-5-sobreviventes-do-seculo-19-restam.html#ixzz3dwNMZL6z


Polícia liberta 48 crianças escravizadas na Costa do Marfim


criançaescravaA polícia da Costa do Marfim libertou 48 crianças escravizadas durante uma operação realizada em plantações no cinturão do cacau do país africano. Segundo a Interpol, 22 pessoas foram presas, acusadas de tráfico humano e exploração infantil. As crianças têm, segundo O Globo, entre 5 e 16 anos e são do Mali, Guiné, Burkina Faso e do norte da Costa do Marfim. Algumas trabalhavam nas lavouras há um ano em condições que comprometiam a sua saúde. De acordo com a publicação, centros de cuidados foram criados na região para dar assistência médica e psicológica às crianças . “Estamos enviando uma mensagem muito clara aos proprietários de plantações e estamos enviando uma mensagem muito alta aos próprios traficantes: se vocês traficarem essas crianças, haverá uma resposta da polícia”, disse o diretor assistente de serviços de tráfico humano e exploração infantil da Interpol, Michael Moran.


ONU dz que Israel e palestinos podem ter cometido crimes de guerra


crimes de guerraAgência Brasil – Israel e grupos armados palestinos podem ter cometido crimes de guerra durante o conflito na Faixa de Gaza, em 2014, informou a Organização das Nações Unidas (ONU); Comissão Independente de Inquérito da ONU sobre o conflito reuniu “informações substanciais que apontam para possíveis crimes de guerra cometidos por Israel e pelos grupos armados palestinos; pelo menos 2.140 palestinos, dos quais 1.462 civis e um terço formado por crianças, além de 73 israelenses, a maioria soldados, morreram no conflito de sete semanas de julho para agosto de 2014

Agência Brasil – Israel e grupos armados palestinos podem ter cometido crimes de guerra durante o conflito na Faixa de Gaza, em 2014, informou a Organização das Nações Unidas (ONU) em um relatório divulgado hoje (22), em Genebra.

A Comissão Independente de Inquérito da ONU sobre o conflito reuniu “informações substanciais que apontam para possíveis crimes de guerra cometidos por Israel e pelos grupos armados palestinos”, informa o relatório, solicitado pelo Conselho dos Direitos Humanos da ONU.

Pelo menos 2.140 palestinos, dos quais 1.462 civis e um terço formado por crianças, além de 73 israelenses, a maioria soldados, morreram no conflito de sete semanas de julho para agosto de 2014.

“A extensão da devastação e o sofrimento humano em Gaza foi sem precedentes e terá impacto sobre as gerações futuras”, disse em comunicado a presidenta da comissão e juíza de Nova York, Mary McGowan Davis.

O documento relata o poder de fogo usado em Gaza. No período, Israel promoveu mais de 6 mil ataques aéreos e disparou 50 mil projéteis de artilharia durante os 51 dias da operação. Os grupos armados palestinos dispararam sobre Israel, no mesmo período, 4.881 mísseis e 1.753 morteiros. Seis civis morreram e pelo menos 1,6 mil ficaram feridos.

A ONU denuncia “a impunidade que prevalece em todos os níveis” no que se refere à ação das forças israelenses e apela ao país para “inverter o lamentável histórico” e julgar os responsáveis. A organização lamenta também que as autoridades palestinas tenham “falhado sempre” na condução à Justiça dos que violam as leis internacionais.

A comissão expressa a “preocupação com a ampla utilização, por Israel, de armas letais num importante raio”, criticando igualmente o disparo indiscriminado de milhares de foguetes por palestinos visando a espalhar o terror entre os civis israelenses.

Israel opôs-se vivamente à decisão de realização dessa investigação e não permitiu à comissão de inquérito da ONU deslocar-se ao local. A comissão recolheu os testemunhos dos dois lados por teleconferência ou por telefone. O presidente da comissão demitiu-se por pressão de Israel, retardando a publicação do relatório de março para junho deste ano.