Vítimas foram libertadas em um trecho próximo ao município de Jânio Quadros

 Condeúba- assalto

O Sindicato dos Bancários de Conquista e Região acompanhou, durante toda a segunda-feira (3), a grave situação vivenciada pelos funcionários das agências do Banco do Brasil e do Bradesco, na cidade de Condeúba.

Por volta de 10h, as duas unidades foram alvo de mais um ataque, orquestrado por uma quadrilha composta por cerca de 10 assaltantes. Em 2010 e 2011 a população e os funcionários também passaram por assaltos nas mesmas agências.

Um dos bancários que esteve em poder dos assaltantes relatou os momentos de terror vivenciados pelas vítimas. “Em dois veículos, ficamos os dois bancários, dois vigilantes e cerca de quatro clientes. Um dos reféns foi preso na parte frontal de um dos veículos. As agências foram atacadas simultaneamente. Só fomos libertados próximo a Jânio Quadros, após um dos veículos ser queimado e a quadrilha seguir em fuga”, relata o trabalhador.

SECRETÁRIO DE SEGURANÇA É QUESTIONADO

O clima de terror vivenciado pelos bancários tem gerado graves consequências para a saúde desses trabalhadores. Apenas nesses seis primeiros meses de 2013, foram 89 ataques a agências da Bahia.

Na base do Sindicato de Conquista e Região, que compreende 46 cidades do sudoeste baiano, cinco ocorrências foram registradas desde o início de 2013. Veja quadro abaixo.

O Secretário de Segurança Pública do Estado foi acionado, desde o início de maio, para que seja realizada uma audiência com os sindicatos de bancários da Bahia. “O poder público e os banqueiros precisam tomar uma providência. Estamos vivendo em um faroeste, em que clientes e bancários são as únicas vítimas”, denuncia o presidente do Sindicato dos Bancários de Conquista e Região, Delson Coêlho.

Nesta quinta-feira (4), o Sindicato estará em Condeúba para verificar as condições das agências e repassar orientações aos funcionários.

Veja também:

Ataques na Bahia: Secretário de Segurança éacionado

SSP/BA e grupo especializado apontam dadossobre ataques na Bahia

“O Bradesco não tem feedback algum”, disparacomandante da Caesg