Com uma população que ultrapassa os 300 mil habitantes, Vitória da Conquista é a terceira maior cidade do estado da Bahia. A ‘capital do sudoeste baiano’, como é conhecida, cresce em uma média econômica superior à média nacional. E, quando falamos em crescimento, falamos literalmente. Afinal, um passeio rápido pelas ruas da cidade permite a qualquer morador ou visitante notar essa significativa expansão, evidenciada, não apenas em números, mas também pela quantidade de construções residenciais e comerciais, grandes empreendimentos e pequenas obras, que estão espalhadas por toda parte. Não há como negar. Conquista vive, de fato, uma excelente fase no segmento da construção civil.

Vista aérea de Vitória da Conquista. Foto: Zé Silva (www.vitoriadaconquista.com.br)

Para Marcos Andrade, diretor-presidente da ADTR (Agência de Desenvolvimento, Trabalho e Renda), esse momento positivo de desenvolvimento deve-se, em grande medida, ao crescimento e afirmação de Conquista como pólo regional. “Na prática, nós temos uma microrregião, e é essa microrregião que sustenta toda a estrutura econômica em que o município está calcado”, aponta ele. Vitória da Conquista polariza quase três milhões de pessoas em seu entorno, o que faz dela uma espécie de vetor de crescimento de todo sudoeste da Bahia, ressalta.

De acordo com Renan Silva, empresário e corretor de imóveis, a economia da cidade, de modo geral, está amparada em um tripé – serviços, comércio e agropecuária –, que projetou a atual expansão da economia conquistense. Para Silva, como a dinâmica econômica da cidade vive um momento favorável, o mercado imobiliário está aquecido. E a tendência, segundo ele, é que o mercado continue em alta, visto que as perspectivas atuais são otimistas. “Em matéria recente da Veja, Conquista saiu como a cidade que mais cresce no Nordeste, nos últimos oito anos seguidos, algo estimado em 8,5% ao ano”, exemplifica.

Além disso, os financiamentos e programas habitacionais da Caixa Econômica, como o “Minha casa, minha vida” e o “Feirão da Caixa”, são agentes que têm um papel fundamental nesse processo de desenvolvimento, uma vez que facilitam o acesso a crédito e a imóveis no país. Para se ter uma ideia, Claudeir Pereira, gerente geral da instituição, conta que, hoje, quase 4 mil unidades habitacionais estão sendo construídas em Vitória da Conquista, junto com o Governo, para atender à demanda do programa “Minha casa, minha vida”. Existe ainda a parceria do banco com algumas construtoras, que, como Pereira enfatiza, não faz parte diretamente do programa, mas proporciona variedade de financiamentos e, por fim, contribui com a crescente expansão da cidade no ramo da construção. “Enfim, este não é um trabalho isolado, na realidade, são várias frentes, são várias mãos e atores que atuam nesse processo”, conclui.

Diante de todos os números e projeções feitas, Vitória da Conquista promete continuar a crescer e atrair investimentos por mais longos anos. “Seja em casas, seja em apartamentos ou outros nichos de mercado dentro do mercado imobiliário, Conquista vai continuar crescendo”, arremata Silva.

Diante desse cenário nítido em nossa cidade, o empresário André Leite achou que já estava no momento de se trazer uma Feira da Construção para cá. “Vamos reunir o que há de melhor nessa área no mercado atual, trazendo empresas e indústrias de toda a região e até mesmo do país”, conta. Segundo ele, esta é uma oportunidade de consolidar relacionamentos, ampliar parcerias e fomentar o desenvolvimento da construção civil em Vitória da Conquista.